Esse mundo X é complicado. Por Letícia Dornelles

Esse mundo X é complicado

Por Leticia Dornelles

… Sou do interior, não tenho parentes importantes, nem em cargos poderosos na TV. Não tenho amigos que, nas horas difíceis, me abram portas. Peço emprego. Me ofereço para trabalhos. Sou esnobada. Recebo não. Recebo sim. Caminho sozinha.

post publicado no Facebook da autora, 7 de março de 2017

Crio meu filho sozinha. Às vezes, sinto falta de opiniões extras. Por exemplo, gosto de dar flores. Para crianças, amigos.

Não escrevo amigxs. Sou pelo português tradicional. Homens e mulheres, quando assim considerados e juntos, na escrita são amigOs. E as flores vão para ambos. Não vejo flor como presente exclusivo para mulheres. Alguns estranham. Mas, quando me conhecem melhor, se acostumam.

X para mim é coisa de Xuxa e, mais recente, de Eike. Ambos infantilizados. Dia das Mães, dos Pais, aniversários, Dia dos Professores, Dia da Mulher, passo no quiosque e compro flores para Patrick levar para a escola. Ele não leva vinho. Leva flores. Até chocolates. Acho que o dia fica mais bonito.

Amanhã é Dia Internacional da Mulher. Li que feministas planejaram greve. De trabalho, de sexo, de flores. Dar flores seria como ofender. Havia atos programados para defecar em fotos de Bolsonaro, Temer e Trump.

Não pretendo aderir. Não por renegar o feminismo, mas por entendê-lo de outra maneira. Defecar em público é nojento. E, aprendi, é mal educado. Sou do interior, não tenho parentes importantes, nem em cargos poderosos na TV. Não tenho amigos que, nas horas difíceis, me abram portas. Peço emprego. Me ofereço para trabalhos. Sou esnobada. Recebo não. Recebo sim. Caminho sozinha.

Para mim isso é poder. Não o fato de defecar em alguém. A pergunta é: ao comprar flores para meu filho dar à professora, estarei criando um machista no pior sentido para a sociedade atual? Meu filho corre risco de bullying ou de ser tachado de burguês alienado?

Preciso de ajuda para lidar. Eu ainda me desvio dos ataques. Mas penso na criação do Patrick. Em prepará-lo para o mundo. E o mundo X é complicado.

—————————-

leticia dornellesLetícia Dornelles é jornalista e roteirista de televisão. Foi repórter do Fantástico (Globo), apresentadora do Esporte Total (Bandeirantes), colaboradora das novelas Por Amor e Andando nas Nuvens (Globo), autora da minissérie Minha Vida é Uma Novela (SBT), roteirista dos programas Louca Família, Programa da Tarde, Tá Tudo em Casa, A Nova Família Trapo e Show do Tom (Record). É autora do livro “Como Enlouquecer em Dez Lições”.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Assine a nossa newsletter