Caminhando com o vento

Há algumas semanas fui pedalar na ciclovia às margens do Rio Pinheiros. Depois de Jurubatuba (para os não-paulistanos, é muito, muito longe mesmo) eu e um amigo nos congratulamos pelo estupendo preparo: pedalávamos a 37 km/h, sem o menor sinal de cansaço. Claro que, na volta, agora contra o vento que ajudara na ida, a média mal passou dos 20 km/h, e cheguei à minha casa à beira da exaustão. Enquanto ofegava e maldizia a ventania, refletia (o que mais me restava a fazer?) como é fácil atribuir o desempenho favorável aos nossos méritos e as dificuldades a fatores externos, embora, a bem da verdade, o vento tenha soprado na mesma direção o tempo todo.

No caso do Brasil, ventos externos têm sido – à exceção do final de 2008 e começo de 2009 – bastante favoráveis. Preços de commodities começaram a subir a partir do último trimestre de 2001 e, ao final de 2010, haviam aumentado nada menos do que 75%, já deduzida a inflação. Como o Brasil é um exportador líquido de commodities, a elevação dos seus preços traduziu-se também numa melhora expressiva dos termos de troca, isto é, da relação entre o preço das coisas que o Brasil exporta e o dos bens que importa. Nesse mesmo período (do quarto trimestre de 2001 ao quarto de 2010), esta variável teve uma melhora de 34%, como mostrado no gráfico.

Posta dessa forma, todavia, a afirmação fica algo abstrata. Certo, os termos de troca melhoraram, mas como mesmo isto beneficia o país? No que segue tentamos uma resposta (aproximada) a esta pergunta.

Para começar, precisamos de um marco de referência para aquela variável, isto é, um padrão contra o qual possamos medir os valores observados. A este respeito, a evidência empírica sugere (sujeita a dúvidas, porém) que os termos de troca no Brasil tendem a retornar à sua média, embora a uma velocidade glacial (são necessários cerca de dois anos para andar metade do caminho de volta). Esta característica permite que usemos a média como nosso padrão de referência.

Tomando, pois, esse padrão e considerando as quantidades observadas de bens exportados e importados, é possível estimar qual teria sido o valor do saldo da balança comercial caso os termos de troca tivessem se mantido na média, ao invés dos valores efetivamente observados.

Diga-se desde já, há uma simplificação considerável neste cálculo. Com efeito, caso os termos de troca observados sejam melhores do que a média histórica, a taxa de câmbio real deveria também se apreciar, o que se traduziria numa redução das quantidades exportadas e aumento das importadas em relação à situação hipotética de termos de troca iguais à média. Em nome da simplicidade, porém, ignoramos este efeito.

Feitas as contas, estimamos que a balança comercial – que nos 12 meses até novembro de 2010 apresentou superávit de US$ 17 bilhões – teria registrado um déficit de US$ 35 bilhões caso os termos de troca estivessem no seu valor médio. Houve, sob esta ótica, um ganho a favor do Brasil da ordem de US$ 52 bilhões, equivalente a 2,6% do PIB.

No gráfico traçamos as estimativas de ganhos e perdas associados ao desvio dos termos de troca relativamente à média. Assim, quando esses registravam seu pior momento no período (nos 12 meses terminados em agosto de 2003), calculamos que o país sofria uma perda equivalente a 1,3% do PIB, enquanto o maior ganho da série teria sido observado precisamente em novembro passado (os 2,6% do PIB já mencionados). Em outras palavras, a melhora dos termos de troca, decorrência do aumento do preço de commodities, implicou um ganho próximo a 4% do PIB nos últimos 7 anos.

Isto permitiria que a demanda doméstica crescesse em torno de 0,5% ao ano mais rápido do que o PIB no período mantendo a balança comercial inalterada. Como o crescimento da demanda interna relativamente ao PIB foi algo maior (em torno de 0,7% ao ano), houve alguma redução no saldo comercial relativamente ao observado em meados de 2003.

Concretamente, pois, os ganhos de termos de troca permitiram que a demanda doméstica assumisse a liderança do crescimento, expressa numa taxa de expansão média pouco inferior a 5% ao ano, revertendo, na prática, o padrão observado no período anterior, marcado pela deterioração expressiva dos daquela variável.

Tais estimativas, ainda que aproximadas, têm implicações claras para a política doméstica. A menos que se espere, ao contrário de toda experiência, que o ciclo positivo de commodities seja infinito, o país deveria se preparar desde já para a possibilidade de reversão, em particular aproveitando o momento favorável de crescimento para deixar as contas fiscais em ordem. Ou então, quando o vento mudar, veremos que o preparo não é o que imaginávamos, e que o risco de exaustão está bastante presente.

Charlie don’t surf!

(Publicado 6/Jan/2011)

15 thoughts on “Caminhando com o vento

  1. Excelente exercicio de analise das tendencias ciclicas da economia. Me espanta como nao se ve na imprensa este tipo de coisa.
    So uma pergunta me ocorre: "Charlie don't surf" se refere a Apocalipse Now ou ao grupo The Clash?

  2. "Você aguentou 37 km com aquele cheiro de merda?"

    28 km (14 para ir, 14 para voltar). 37 km/h foi a velocidade que a gente atingou no fim do trecho de ida.

    Quanto ao cheiro, no verão é quase suportável (a chuva dilui o Janjão); no inverno não dá para encarar. Depois da ponte Transamérica o cheiro some. Ao fim da ciclovia a impressão que dá é de outra cidade.

  3. Excelente trabalho professor! Deveria ser aproveitado pela imprensa que se interessa em entender o momento atual e quem mais? Alô Brasília, aquela do "que me importa que a mula manca, que eu quero é rosetar", alô!!

  4. Ainda não tive coragem de pedalar alí, uns amigos foram e me disseram que logo na entrada na usina da Traição na ponte Ary Torres beira ao insuportável o cheiro. Tem uma certa lógica o cheiro ir diminuindo, aquela região tem menos esgoto encanado e o pior uma parte enorme vai para a represa Guarapiranga. E no que interessa muito bom o texto, mas se o mundo não fizer a lição de se recuperar da crise, estamos fudidos e mal pagos com essa turma que está no governo.

  5. A única vantagem dessa ciclovia é a segurança, um conhecido meu que é ciclista, acostumado a pedalar longas distâncias foi atropelado na rodovia dos Bandeirantes por uma carreta, perdeu uma perna e passou por inúmeras cirurgias para não perder a outra, enfim teve sua vida destruída. Detalhe ele estava parado no acostamento.

  6. Para a sorte dos apreciadores do esporte bretão, não.

    O mundo perdeu um beque central cujo maior feito futebolístico foi levantar dois atacantes em sequência (surpreendentemente não fui expulso; na verdade, nem falta o juiz marcou).

  7. "Para a sorte dos apreciadores do esporte bretão, não.

    O mundo perdeu um beque central cujo maior feito futebolístico foi levantar dois atacantes em sequência (surpreendentemente não fui expulso; na verdade, nem falta o juiz marcou)".

    Quer dizer que o Felipe Melo perto de vc é uma Dama? lol!

    Abs

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *