Não era nada disso, Tite. Coluna Mário Marinho

COPA DO MUNDO – ESPECIAL

Não era nada disso, Tite.

COLUNA MÁRIO MARINHOAntes de falar dos erros do juiz, e eles aconteceram, é preciso deixar bem claro: para o futebolzinho apresentado pela Seleção o empate ficou de tamanho justo.

Desde que assumiu a Seleção Brasileira, Tite defendeu a alegria do futebol, a busca do verdadeiro futebol brasileiro, aquele que  joga para a frente, que busca o gol adversário, acrescentado de um up grade resultante de uma defesa bem postada e a valorização da posse de bola.

O ataque formado por William, Philippe Coutinho, Gabriel e Neymar, jogadores de forte genoma atacante, prometia destruir defesas adversárias, mesmo que fossem um ferrolho como historicamente a Suíça se apresenta.

Mas o que se viu no jogo de estreia nesta Copa não foi nada disso.

O Brasil foi tímido.

William começou bem e sumiu.

Gabriel Jesus, a rigor, fez apenas uma jogada, aquela em que sofreu o pênalti não assinalado pelo juiz.

Philippe Coutinho fez o gol, o belo gol, e nada mais.

Neymar foi caçado, não produziu bem e, nos últimos 15 minutos, mostrou que realmente ainda não está 100% fisicamente.

Mas, lamentável mesmo, foi o Brasil ter renunciado ao jogo após o gol de Philippe Coutinho.

Ao invés de jogar o seu futebol, de procurar tomar a bola do adversário no campo dele, nosso time recuou e ficou à espera do time suíço que passou a tocar a bola.

O Brasil jogou feio. Foi tímido, foi medroso.

Cadê o
tal juiz de vídeo?

A adoção do assistente de vídeo é a maior novidade dessa Copa.

No jogo do Brasil, em pelo menos duas oportunidades, ele deveria ter sido utilizado.

No gol de empate da Suíça foi visível o empurrão que Miranda sofreu exatamente no momento em que se preparava para subir e cortar o cruzamento de cabeça.

Esse foi um lance muito claro e um bom juiz, bem colocado, nem precisaria de um assistente de vídeo para ver a falta.

Infelizmente, o juiz não viu e nem quis ver o lance pela TV.

Então pergunta-se: para que o assistente de vídeo se um juiz prepotente, que se acha acima do bem e do mal, não tem humildade para reconhecer a sua dúvida?

No lance sobre Gabriel Jesus, o pênalti também foi incontestável.

Menos, claro, para sua senhoria.

Mas, volto a afirmar: o resultado poderia ter sido outro. Mas o futebol apresentado por nossa Seleção foi pequeno demais.

O resultado, em si, não é desesperador, mas, o futebol apresentado foi altamente desapontador.

A Zebra
que pegou os campeões

Ninguém de posse de suas normais faculdades mentais apostaria na vitória do México sobre a poderosa e campeã do mundo Alemanha.

E é aí que o futebol se torna grande, por suas armadilhas.

E a armadilha mexicana foi simples como 2+2 são quatro: jogar futebol.

É verdade que na segunda metade do segundo tempo os alemães encurralaram os mexicanos e até fizeram por merecer o golzinho de empate.

Porém, no primeiro tempo, os mexicanos poderiam ter feito pelo menos mais uns dois gols.

Mas, sua vitória foi um feito a ser comemorado.

Será que
essa Copa vai pegar?

Diferentemente de outras Copas, o Brasil não calçou chuteiras nem se vestiu de verde e amarelo.

Não estamos vendo ruas pintadas, amigos marcando churrascos para assistir aos jogos. Nada disso.

Por isso, até estranhei quando, na tarde da última sexta-feira, ao passar pelo centro da cidade de São Paulo, encontrar vendedores expondo seus produtos verde e amarelo: camisas, bonés, vuvuzelas, cachecóis etc.

Conversando a respeito com um amigo, naquela sexta-feira, ele me disse:

– Parece que a Copa agora vai pegar.

Fui mais cauteloso.

– Se o Brasil jogar bem, vencer bem o jogo de estreia, pode até ser que a Copa pegue. Temos contra nós a turbulenta situação do País, muita corrupção, incertezas políticas, econômicas e, além de tudo, o horário ruim dos jogos.

Está difícil de a Copa pegar.

_______________________________________

FOTO SOFIA MARINHO
MARIO MARINHO, Copa do Mundo especial CHUMBOGORDO
Mario Marinho – É jornalista. Especializado em jornalismo esportivo, foi durante muitos anos Editor de Esportes do Jornal da Tarde. Entre outros locais, Marinho trabalhou também no Estadão, em revistas da Editora Abril, nas rádios e TVs Gazeta e Record, na TV Bandeirantes, na TV Cultura, além de participação em inúmeros livros e revistas do setor esportivo.
 (DUAS VEZES POR SEMANA E SEMPRE QUE TIVER MAIS 
NOVIDADE OU COISA BOA DE COMENTAR)

3 thoughts on “Não era nada disso, Tite. Coluna Mário Marinho

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Assine a nossa newsletter