#ADEHOJE – MINISTROS BRINCAM DE PODER.

#ADEHOJE – MINISTROS BRINCAM DE PODER.

 

 

SÓ UM MINUTOEscravos de Jó, jogavam caxangá, tira, põe, não deixa ficar! A última do ministro colombiano da educação, Ricardo Vélez Rodriguez é de deixar de cabelo sem pé. Uma sucessão de barbaridades: ele quer e mandou o MEC emitir comunicado para que as crianças se perfilem para cantar o hino, sejam fotografadas e filmadas sabe-se Deus para o quê – o que vã fazer de propaganda com isso. Mais: ainda deveriam repetir o slogan absurdo para um país laico, proposto pelo Governo Bolsonaro: Brasil acima de tudo, Deus acima de todos! Espero que haja um amplo protesto contra isso enquanto é tempo. E obviamente a outra ministra absurda, Damares Alves, que está lá em Genebra fazendo a gente passar vergonha, apoiou a ideia de jerico do Vélez. Precisamos dar algo para esses caras fazerem, para pararem de ter tempo de pensar tantas atitudes imbecis como essa. Imaginam nossas crianças, pleno Século XXI, digitais, perfiladas cantando o Hino Nacional? Mais fácil juntas fazerem um pancadão e dançarem funk até o chão.

 

 

2 thoughts on “#ADEHOJE – MINISTROS BRINCAM DE PODER.

  1. Cantei o hino nacional na escola; colegas mais novos também cantaram.
    Em escola particular. Sem traumas e sem colégio militar.
    Toda essa comunicação do Ministro está errada (ele já se retratou).
    Mas você é CONTRA cantar o hino nacional? É isso que transparece. No século XXI não se deve cantar o hino?

    1. Amigo, obrigada pelo comentário.
      Sou contra toda e qualquer imposição desse gênero; sou contra a utilização de slogans religiosos; sou contra o não entendimento do momento nacional e internacional em pleno Século XXI; sou contra usar isso para propaganda política; sou contra medidas desbaratadas quando há tanto o que fazer pela educação. São o que chamamos de medidas perfunctórias…
      A propósito: fui educada em plena ditadura, e lembro bem o que era essa obrigação, e de como era o estudo de OSPB.
      Forte abraço, Marli

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *