Que noite, amigo, que noite! Coluna Mário Marinho

QUE NOITE, AMIGO, QUE NOITE!

COLUNA MÁRIO MARINHO

Se você não esteve ema algum dos quatro estádios de ontem à noite ou frente ao seu televisor por pelo menos duas horas a partir das 21,30 horas, amigo, Você perdeu!

Perdeu jogos espetaculares, adrenalina a mil, emoções a rodo. Enfim, perdeu uma noite de grande futebol.

Parafraseando o Rei, foram tantas as emoções.

No Beira Rio, no Maracanã, na Fonte Nova e no Independência não faltaram agitação, choque, concussão, comoção, efervescência – enfim, emoção.

Quando a bola começou a rolar em três estádios, lá na Fonte Nova, em jogo também bastante disputado, o Grêmio já havia liquidado a fatura: como o jogo de ida terminou empatado, bastou a vitória por 1 a 0 para que os gaúchos se classificassem.

Veja os melhores momentos:

No
Independência

Lá nas Minas Gerais, o Cruzeiro tinha uma tarefa aparentemente menos difícil. Afinal, havia vencido o primeiro jogo por 3 a 0 e até podia perder por 2 a 0.

Tranquilidade, né?

Só que não.

Mostrando a garra e a determinação que faltaram no primeiro jogo, no Mineirão, quando perdeu por 3 a 0, o Galo foi para cima do Cruzeiro que se viu encurralado e quase massacrado em seu campo.

Num belo chute de fora da área, Cazares fez 1 a 0 ainda no primeiro tempo.

Com o jogo 1 a 0, o Cruzeiro aproveitou-se de um contra-ataque para empatar.

Só que… o VAR entrou em ação e mostrou que a jogada se originou em uma falta sobre o lateral Fábio Santos, do Galo. Pecado original que, portanto, invalidou o gol.

O Atlético continuou martelando mandando bola na trave e obrigando o excelente goleiro Fábio a fazer defesas espetaculares.

Quase ao final do jogo, o Galo fez 2 a 0 que foram insuficientes para sua classificação.

A torcida, reconhecendo o empenho de seus jogadores, aplaudiu com orgulho.

Os melhores momentos:

No
Maracanã

Quase 70 mil torcedores lotaram o Maracanã com certeza inabalável: o Flamengo se classificaria. Afinal, o jogo de ida contra o Athletico PR terminou empatado. Portanto, bastava um golzinho.

E ele veio com Gabriel no comecinho do segundo tempo. Só que 15 minutos depois Roni empatou para o Athletico, levando a decisão para os pênaltis.

O primeiro cobrador foi o craque e capitão do Flamengo: Diego.

Não tem erro, pensaram todos. Os flamenguistas tinham certeza.

Só que ninguém contava com a falta de responsabilidade do Diego, excesso de confiança, arrogância do experiente Diego que resolveu dar uma cavadinha e colocou a bola nas mãos do goleiro Santos. Se o goleiro ficasse totalmente imóvel, mãos abaixadas, a bola teria batido na sua cabeça.

Jonathan fez 1 a 0 para o Athletico; Vitinho cobrou o segundo para o Fla e mandou a bola nos braços do Cristo Redentor.

No final, deu Athletico que converteu 3 pênaltis enquanto o rico e grande Mengão converteu apenas 1.

Melhores momentos:

No
Beira Rio

Nenhum crítico, minimamente distante, ousou apontar um favorito para a vitória no jogo ou para a classificação na partida entre Internacional e Palmeiras.

Muito menos, que o jogo seria disputado em alto nível técnico e até mesmo disciplinar.
Pois foi o que aconteceu: um jogaço!

O Palmeiras não esteve em seus melhores dias, mas, mesmo assim criou boas oportunidades. Já o Internacional esbanjou talento, raça, determinação.

Foram muitas as chances coloradas até que Patrick (foto ao alto) fez Inter 1 a 0.

No segundo tempo, Felipe Mello caiu na área e o juiz deu pênalti. Seria o gol de empate que poderia classificar o Palmeiras.

Só que o VAR entrou em ação e mostrou que a falta não existiu. Rola a bola.

Nos minutos finais, o Internacional fez o 2º gol que lhe daria a classificação pois já não haveria tempo para a reação.

Só que, novamente, o VAR foi chamado e apontou falta do atacante do Inter sobre Felipe Mello. Gol anulado.

Decisão por tiros diretos cobrados a partir da marca do pênalti, que é com a Fifa define a decisão por pênaltis.

Foi um show de cobranças competentes, aquelas que mandam o goleiro para um canto e a bola para o outro.

Até que Gustavo Gomez cobrou no meio do gol e Marcelo Lomba defendeu com o pé, colocando o Inter na frente.

E parecia ser assunto liquidado, até que Luan mandou a bola na trave e ela, caprichosa como toda mulher, desceu, bateu nas costas do ótimo goleiro Marcelo Lomba e entrou, empatando a decisão.

Mas, na última cobrança Moisés mandou a bola na trave e o Inter se classificou, fechando uma noite de muitas emoções.

As partidas válidas pela fase semifinal serão disputadas nos dias 7 e 14 de agosto.

O Cruzeiro jogará contra o Internacional e o Athletico PR contra o Grêmio.

A CBF fará sorteio para decidir mando de jogos.

Veja os lances e se emocione:

—————————————————————————————–

FOTO SOFIA MARINHO

Mário Marinho – É jornalista. Especializado em jornalismo esportivo, foi durante muitos anos Editor de Esportes do Jornal da Tarde. Entre outros locais, Marinho trabalhou também no Estadão, em revistas da Editora Abril, nas rádios e TVs Gazeta e Record, na TV Bandeirantes, na TV Cultura, além de participação em inúmeros livros e revistas do setor esportivo.

(DUAS VEZES POR SEMANA E SEMPRE QUE TIVER MAIS PARA CONTAR)

1 thought on “Que noite, amigo, que noite! Coluna Mário Marinho

  1. Por absoluta falta de opção na TV, “fui” até Porto Alegre assistir o jogo. Antes já tinha visto minutos do jogo Cruzeiro e Atlético. Me deu saudades do Tostão, Dirceu Lopes e Cia. Quanto perna de pau! No jogo do Palmeiras e Inter, continuei confortavelmente sentado no sofá sem estar torcendo para algum deles, também. Ganhou quem mais fez por merecer e concordando com vc, sem erros de arbitragem. MMarinho. Somos contemporâneos. Agora aqui bem baixinho pra ninguem nos ouvir: que saudades do futebol tricampeão do mundo, não?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *