Turbulência verde. Coluna Mário Marinho

TURBULÊNCIA VERDE

COLUNA MÁRIO MARINHO

Foi um filme de terror.

Assim o diretor de futebol do Palmeiras, Alexandre Mattos, resumiu a experiência que a delegação do Verdão viveu em seu voo rumo à Argentina, onde jogará pela Libertadores.

O avião saiu de Fortaleza com destino a Mendoza, onde enfrentará amanhã, terça, 23, o Godoy Cruz.

Poucos minutos antes do pouso o avião sofreu forte turbulência que culminou na arremetida.

Foi feita nova tentativa, seguida de nova arremetida e a decisão de pousar em Buenos Aires, onde a delegação ficou hospedada.

Veja abaixo o relato do diretor Alexandre Mattos

Turbulências e arremetidas fazem parte de voos.

A tripulação acha normal acontecimentos desse tipo e não admite medo, e muito menos, pânico.

Mas para os simples mortais, que somos nós, passageiros, a situação é terrível.

Lembro-me que há uns 30 anos peguei um avião em Congonhas, avião de pequeno porte, cerca de uns 30 passageiros, com destino a Presidente Prudente, distância de cerca de 550 quilômetros por estrada.

O avião deveria fazer um pouso em Londrina, PR, seguir até Presidente Prudente e depois Dourados, MT, seu destino final.

Com cerca de 20 minutos de voo, o comissário de bordo começou a servir o café. Na verdade, um simples cafezinho em copinho de plástico.

Não tinha chegado à metade do avião quando o comandante avisou que o serviço seria interrompido pois passaríamos por alguns minutos de turbulência. E ordenou que os cintos fossem atados.

Esses minutos duraram uma eternidade.

À medida que o tempo passava, mais aumentava a turbulência. Pela janela víamos o temporal que caia lá fora. E raios. E trovões.

O aviãozinho jogava para os lados, para cima e para baixo.

Num determinado momento se despencou em queda livre que pareceu durar horas. Foram só alguns segundos até que ele achou o seu “chão” e recebemos aquela pancada.

Logo o comandante avisa que estávamos nos preparando para pousar em Londrina.

Suspiro aliviado.

Eu estava indo para Presidente Prudente para a cobertura de um jogo de basquete que iria acontecer à noite.

Como era ainda de manhã, tomei a decisão: desço aqui em Londrina e viajo os 170 quilômetros restantes de ônibus.

À medida que o avião foi baixando, eu olhava pela janela à procura do aeroporto. E só via água: tudo inundado.

Foi aí que o avião arremeteu. E caiu no colo da turbulência.

Dentro do avião, as pessoas choravam, rezavam, gritavam.

Mas uns 10 minutos de turbulência e, como que por milagre, aparece o céu azul, céu de brigadeiro a cobrir a cidade de Presidente Prudente.
Descemos ainda meio tontos.

Uma senhora que estava perto de mim, ao chegar ao aeroporto, foi direto ao balcão e perguntou nervosa:

– O senhor sabe me dizer como está o tempo daqui até Dourados?

– Não senhora. Infelizmente não temos essa informação.

(É bom lembrar que o evento se deu há 23 anos, antes da facilidade da internet).

– Então, pode cancelar minha passagem: vou de ônibus.

A resoluta senhora considerou melhor cobrir os 450 quilômetros restantes de ônibus.

Eu voltaria à noite, depois do jogo, no último voo do dia.

À noite, no hotel, fui procurado por um diretor do time que precisava voltar naquela mesma noite para São Paulo e me propôs a troca.

Claro que aceitei.

Para ficar ainda melhor, fiquei sabendo que um ônibus leito saía de Presidente às 24 horas e chegava em São Paulo às seis da manhã.

Adivinha?

Claro que voltei de ônibus.

Ônibus macio, sem turbulências, viajando a 80 quilômetros por hora. E, de vez em quando, eu olhava pela janela e via o asfalto ali, bem pertinho.

Experiência semelhante passou o meu sogro, o sr. Antônio Teixeira da Silva. Ele saiu de Belo Horizonte e veio para São Paulo, onde seria figura importante em dois eventos.

O primeiro, seu centenário, o corrido no dia 21 de abril de 2019.

O segundo as comemorações de minhas bodas de ouro: 50 anos de casado com a Vera, sua filha.

Ao fazer o procedimento de aproximação no aeroporto de Congonhas, São Paulo estava sob forte temporal, o que obrigou o piloto a arremeter.

Não houve pânico nem gritarias, mas era evidente o nervosismo e o desconforto dos passageiros.

Poucos minutos depois, o comandante anunciou outra tentativa de pouso.

Ante o silêncio total, o avião deslizou calmamente no molhado asfalto de Congonhas.

O silêncio só foi quebrado quando pararam totalmente as turbinas e o meu sogro, às vésperas do 100 anos, deu um salto e gritou a plenos pulmões.

– Tamo no chão. Ninguém morreu. Tá todo mundo vivo.

Foi aplaudido de pé.

Veja os gols do Fantástico

—————————————————————————————–

FOTO SOFIA MARINHO

Mário Marinho – É jornalista. Especializado em jornalismo esportivo, foi durante muitos anos Editor de Esportes do Jornal da Tarde. Entre outros locais, Marinho trabalhou também no Estadão, em revistas da Editora Abril, nas rádios e TVs Gazeta e Record, na TV Bandeirantes, na TV Cultura, além de participação em inúmeros livros e revistas do setor esportivo.

(DUAS VEZES POR SEMANA E SEMPRE QUE TIVER MAIS
 NOVIDADE OU COISA BOA DE COMENTAR)

3 thoughts on “Turbulência verde. Coluna Mário Marinho

  1. A aventura do seu sogro é muito melhor que a do Palestra. Parabéns pelos 100 anos dele e pelos 50 do seu casamento. Eu completaria os meus 50 em 16 de Julho, data da subida da Apollo 11, não tivesse me separado, depois me casado outra vez e depois me separado de novo… Abbraccioni.
    Sílvio Lancelotti

  2. A aventura do seu sogro é muito melhor que a do Palestra. Parabéns pelos 100 anos dele e pelos 50 do seu casamento. Eu completaria os meus 50 em 16 de Julho, data da subida da Apollo 11, não tivesse me separado, depois me casado outra vez e depois me separado de novo… Abbraccioni.
    Sílvio Lancelotti

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *