Estreias abençoadas. Coluna Mário Marinho

ESTREIAS ABENÇOADAS

COLUNA MÁRIO MARINHO

Estrear com vitória, é muito bom.

Estrear marcando o gol da vitória, não tem preço.

Comandar o time na estreia com uma vitória sobre o líder da competição, é muito bom.

Se o gol que abriu a vitória foi marcado por um jogador que estava no banco e entrou sob determinação sua, não tem preço.

Foi o que aconteceu com Daniel no Morumbi e com Rogério Ceni no Mineirão.

No Morumbi, 47.705 torcedores pagaram para ver a vitória, batalhada porém magra, 1 a 0 sobre o Ceará.

Chuto com a quase certeza de acertar que 90% compareceram para ver a estreia de Daniel Alves. Afinal, no meio da semana, cerca de 40 mil foram ao Morumbi só para assistir a apresentação do melhor lateral do mundo.

Não se pode dizer que a apresentação dele foi primorosa. E tem todas as desculpas do mundo: é jogo de estreia, é jogo de estreia no time do seu coração, é jogo de estreia fora de sua posição, é jogo de dar frio na barriga.

Além disso, de quem foi o gol? E não foi um gol qualquer, de bate-rebate, de canela. Não, nada disso, foi gol de quem sabe muito desse tal de futebol.

Longe de mim querer ensinar a Ave Maria ao Papa. Mas, acho meio estranho, um tanto desconfortável que um time contrate o melhor lateral direito do mundo e o escale n meio-campo, com a camisa 10.

Camisa 10, tudo bem! Mas poderia ser na lateral, onde ele se tornou o melhor do mundo.

Não venham me dizer que, aos 36 anos de idade, ele já não aguenta mais correr atrás de lateral. Não, meu amigo, Daniel Alves conhece – e conhece como ninguém – os atalhos que encurtam distâncias e evitam correrias desnecessárias.

Mas, se foi esse o acerto, é ali que ele quer jogar, é ali que se sente feliz que assim seja.

Nosso futebol precisa de mais jogadores como Daniel Alves, seja na lateral, no gol, na ponta e até mesmo fora do campo.

No Mineirão, 36.975 torcedores compareceram para ver a estreia de Rogério Ceni. Chuto novamente com grande poder de acerto: 90% lá estavam para ver e apoiar o trabalho do Mito sãopaulino .

Na semana passada, estive em Belo Horizonte.

Assim que foi confirmada a contratação de Ceni, duas de minhas irmãs, Maria Helena e Marina Lúcia, cravaram: “Na estreia dele estaremos no Mineirão”.

E estavam, como prova a foto.

O Santos perdeu o zagueiro Gustavo Henrique que recebeu o cartão vermelho por entrada violenta no atacante Pedro Rocha logo aos 3 minutos de jogo.

A entrada foi violenta e o atacante cruzeirense iria ficar frente a frente com o goleiro. Como manda o manual, o juiz consultou o VAR que apontou o cartão vermelho.

Com o adversário desfalcado de um defensor, Rogério Ceni agiu sacou o lateral esquerdo Egídio e colocou o artilheiro Fred em seu lugar.

Sua ousadia foi premiada quase ao final do primeiro tempo: Fred fez 1 a 0, voltando a marcar depois de 16 jogos em branco – uma eternidade em se tratando de centroavante.

E não foi só: Fred deu o passe para Thiago Neves fazer o segundo gol logo no comecinho do segundo tempo.

A vitória foi a primeira do Cruzeiro em 13 rodadas do Brasileirão. Além disso, tirou o time da incômoda e pegajosa zona do Rebaixamento.
Daniel Alves e Rogério Ceni os nomes da rodada.

Essa
Camisa azul…

Até entendo a jogada do marketing.

A camisa azul usada pelo São Paulo ontem para marcar a estreia da Daniel Alves deverá vender como água.

Mas, foi muito esquisito ver o São Paulo, tricolor de tradição, jogar com camisa azul.

Faltou criatividade para criar uma camisa nova, diferente, mas que lembrasse o time do Morumbi e sua gloriosa tradição.

Veja os gols do Fantástico.

Caso Neymar:
últimos dias.

Neymar garantiu ao técnico Tite que sua situação está perto, muito perto de ser resolvida.

Aliás, houve quem torcesse o nariz pela convocação do ex-santista.

Não concordo. Neymar, apesar dos pesares, continua sendo o melhor jogador do futebol brasileiro.

Pois bem, faltando apenas duas semanas para o fechamento da janela de contratações na Europa, os jornais franceses anunciaram que o PSG está praticamente acertado com o atacante Dybala, da Juventus de Turim.

Dybala será o substituto de Neymar.

E uma vez acertada a contratação, significa que o PSG está perto de um acordo para a volta de Neymar à Espanha.

Resta saber se para o Barcelona ou Real Madri.

O feminismo
sem neuras

A excelente, ousada e criativa jornalista Marli Gonçalves lança amanhã, terça-feira, o seu livro “Feminismo no cotidiano”. Você está convidado.

Trata-se de um livro que discute a questão sob a iluminação da lógica.

É livro para machos e fêmeas.

—————————————————————————————–

FOTO SOFIA MARINHO

Mário Marinho – É jornalista. Especializado em jornalismo esportivo, foi durante muitos anos Editor de Esportes do Jornal da Tarde. Entre outros locais, Marinho trabalhou também no Estadão, em revistas da Editora Abril, nas rádios e TVs Gazeta e Record, na TV Bandeirantes, na TV Cultura, além de participação em inúmeros livros e revistas do setor esportivo.

(DUAS VEZES POR SEMANA E SEMPRE QUE TIVER MAIS
 NOVIDADE OU COISA BOA DE COMENTAR)

1 thought on “Estreias abençoadas. Coluna Mário Marinho

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *