A arte de ofender a História. Por Jaime Pinsky

A ARTE DE OFENDER A HISTÓRIA

JAIME PINSKY

Imagem relacionada

ARTIGO PUBLICADO ORIGINALMENTE NO SITE DO AUTOR, 

WWW.JAIMEPINSKY.COM.BR EDIÇÃO DE AGOSTO/2019

 

Há muitas maneiras de defender a História, e outras tantas de ofendê-la. Estudar é sem dúvida uma forma de considerar a importância dela. Pesquisá-la, publicar bons livros, apresentar novas versões sobre o ocorrido, tudo isso é importante.

Por outro lado, distorcê-la, propositalmente, ou por ignorância é uma forma de ofendê-la. Quando os nazistas elaboraram sua teoria racista, garantindo ter havido, ao longo do tempo, uma raça superior (a dos arianos), cujos membros teriam sido líderes em todas as sociedades em que viveram, a História foi ofendida, já que nada disso existiu de fato. Quando elegemos nossos heróis pretéritos, dando-lhes dimensão de semideuses impolutos, enquanto vestimos “o outro” com roupas de bandido, sem reconhecer-lhe razão alguma, estamos ofendendo a História. Quando confundimos o léxico, dizendo que o esportista “fez História”, em vez de “bateu um recorde”, ou “conseguiu marca inédita”, estamos banalizando e ofendendo a História. Afinal, de quem o narrador esportivo recebeu autorização para determinar quem “faz História”?

Quem cria e/ou repassa fake news também ofende a História. Na verdade, a própria denominação traz uma contradição. Uma notícia não pode ser falsa. Se é falsa, deixa de ser notícia. De qualquer forma, essas mentiras, esses boatos, ou essas fofocas, impregnam as redes sociais e criam problemas tremendos a quem quer se informar. Não temos, contudo, apenas notícias falsas, temos ainda outros tipos de falsas notícias.

Por exemplo: a notícia que ainda não é notícia, a notícia plantada. “O presidente (ou o governador, ou o ministro) anunciou que pretende…” é o início clássico de uma “notícia que não é”. Ao mandar plantar a nota, por intermédio de sua assessoria (ou do seu filho), o político quer saber a reação das pessoas antes de perpetrar a ação. É mais ou menos como o cobrador de faltas de um time de futebol que finge mandar a bola para o miolo da área para ver a movimentação dos defensores, para poder, em seguida, com mais segurança, fazer o cruzamento em uma parte do campo que ele percebe não estar sendo coberta pelos defensores.

Imagem relacionadaA movimentação em torno de uma pseudo notícia tem enormes implicações. Programas inteiros de debates são feitos na TV em torno de simples possibilidades. “É possível que o governador Fulano de tal faça uma reforma no seu secretariado”. Pronto. Lá vamos nós debater se é ou não o caso de mudar o secretário tal, os motivos que poderiam levar o executivo público a realizar tal mudança…

Assim faz o executivo público, em nível federal, estadual ou mesmo municipal. Quando ele “planta” a notícia (essa “que não é”) algumas coisas interessantes vão ocorrer, já que ele precisa de comparsas para que sua não notícia seja noticiada como notícia. Quem irá auxiliá-lo? Uma vítima fácil é o “foca”, o jornalista inexperiente, que aceita, acriticamente, o que vier, por não saber distinguir lé de cré. Outro é o preguiçoso, que não investe em buscar saber se está diante de um fato, um pseudo fato, um quase fato, ou simplesmente, um fato falso. Isso iria lhe custar trabalho… há, ainda, aquele que sabe tratar-se apenas de uma quase notícia, mas mesmo assim dá como notícia. É o que negocia com sua fonte. “Finjo que não sei do que se trata e você me deve uma”. Ele espera a retribuição no momento em que aquela fonte poderá vir a ser útil.

A movimentação em torno de uma pseudo notícia tem enormes implicações. Programas inteiros de debates são feitos na TV em torno de simples possibilidades. “É possível que o governador Fulano de tal faça uma reforma no seu secretariado”. Pronto. Lá vamos nós debater se é ou não o caso de mudar o secretário tal, os motivos que poderiam levar o executivo público a realizar tal mudança, o modo pelo qual isso poderia impactar numa eventual escolha de candidatos a uma possível eleição daqui a três anos e meio, o impacto disso em futuras alianças políticas, etc., etc.

Em português claro, inutilidades.

Eu tinha uma vizinha em Sorocaba, pessoa muito simples, mas muito afiada. Quando alguém lhe perguntava o que aconteceria se alguma outra coisa acontecesse, ela dizia que se recusava a discutir o “se”. “Não sou advinha”, dizia ela. E se saia com uma frase que nunca esqueci: “Se minha avó tivesse rodas, talvez ela fosse uma bicicleta, não minha avó”.  Aos poucos me dei conta de que ela tinha razão. Mas infindáveis programas de debates de pseudo notícias ainda não se deram conta disso e continuam dando espaço para especulações.  E vez por outra nos perguntam, a nós, historiadores, “o que o senhor acha que vai acontecer com” …?

Fico com uma vontade de dizer que se mal damos conta de explicar o passado (e nem sempre fazemos isso adequadamente), como iríamos nos aventurar a especular sobre o futuro?

E não quero pensar em minha falecida avó transformada em bicicleta.

_____________________________

Jaime Pinsky: Historiador, professor titular da Unicamp, autor ou coautor de 30 livros, diretor editorial da Editora Contexto.

jaimepinsky@gmail.com

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *