Fernando Pessoa e o Brasil (I, de II). Por José Paulo Cavalcanti Filho

FERNANDO PESSOA E O BRASIL

(I DE II)

JOSÉ PAULO CAVALCANTI FILHO

… Os pensamentos de Fernando Pessoa que valem sobre nós…

Lisboa. Em seu Ultimatum (1917), Pessoa não falou bem de nós: “E tu, Brasil, república irmã, blague de Pedro Álvares Cabral que nem te queria descobrir”. Mas elogiou, depois. Como está no título de artigo que escreveu para Notícias Ilustrada (1929), em que nos considera “Brasil, nação irmã e amiga”. Tudo por conta de sua natureza contraditória. Aqui seguem algumas opiniões do poeta que valem para nosso país, hoje. Com pequenos comentários que me permiti fazer, em seguida:

BRASIL: “Sociologicamente, não há Brasil” (Carta a Eurico de Seabra, 31/4/1916). Sociologicamente, há muitos brasis.

CALAR: “Quem sente muito, cala” (Sem título, 1928). E quem cala sempre, sente muito.

CAPITALISMO: “Não é o capitalismo, nem a burguesia, nem nenhuma outra dessas fórmulas vazias que está morrendo” (A crise europeia e o futuro império de Israel). Quem está morrendo, pouco a pouco, são nossas esperanças.

CONVERSA: “Toda boa conversa deve ser um monólogo de dois” (Livro do desassossego). No zap, todo monólogo é conversa com todo mundo.

CRÍTICA: “Não sou tão orgulhoso a ponto de desprezar completamente uma opinião diferente da minha própria” (Carta a um editor inglês, sem data). Nem tão humilde a ponto de aceitar completamente essa opinião.

DEMOCRACIA: “A democracia é o mais estúpido de todos os mitos” (A crise europeia e o futuro império de Israel). Mais estúpido ainda é não acreditar na democracia.

DESTINO: “O destino humano é ser escravo” (Adiamento). Mas nada supera o desatino da liberdade.

DEUS: “Deus sou eu” (Livro do desassossego, Grandes trechos). Em Brasília, quando acordam, quase todos repetem essa frase.

ESCRÚPULO: “O escrúpulo é a morte da ação” (Nota solta, sem data). Já a falta de escrúpulo, quase sempre dá lucro. E, só umas poucas vezes, cadeia.

ESTADISTA: “Saber iludir-se bem é a primeira qualidade do estadista” (Livro do desassossego). E iludir-se completamente, a pior.

EXPLICAÇÃO: “Isso não é uma desculpa; mas, ao menos, é uma explicação” (Textos suplementares). Problema é ser essa explicação, quase sempre, apenas uma desculpa.

FILOSOFIA: “Filósofos são homens doidos” (O guardador de rebanhos). E filósofos brasileiros, que moram nos Estados Unidos, mais doidos ainda.

Imagem relacionada

(continua)

__________________

José Paulo Cavalcanti FilhoÉ advogado e um dos maiores conhecedores da obra de Fernando Pessoa. Integrou a Comissão da Verdade. Vive no Recife.

 

 

2 thoughts on “Fernando Pessoa e o Brasil (I, de II). Por José Paulo Cavalcanti Filho

  1. “DEUS: “Deus sou eu” (Livro do desassossego, Grandes trechos). Em Brasília, quando acordam, quase todos repetem essa frase”.
    – Também em Curitiba… (e dão entrevista pra reafirmar essa infâmia!)

  2. Explicativa (substantivo, não adianta procurar, criei a pouco): explicação com ares de justificativa, não vale o custo da tinta gasta para impressão em dispositivo digital.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *