De cabeça para baixo. Coluna Carlos Brickmann

DE CABEÇA PARA BAIXO

COLUNA CARLOS BRICKMANN

Resultado de imagem para de cabeça pra baixo, em inbgles"

EDIÇÃO DOS JORNAIS DE DOMINGO, 29 DE DEZEMBRO DE 2019

  Jornais e noticiosos de TV estão magrinhos, as revistas se dedicam, na falta de coisas ainda mais chatas, às retrospectivas. Vejamos, pois, a Internet. No mínimo é divertido. Há um cavalheiro, por exemplo, que garante que Flávio Bolsonaro vai dinamitar todas as acusações que sofreu: um dia desses, dará entrevista coletiva na qual provará que Fabricio Queiroz é agente do PT, infiltrado na família Bolsonaro para desmoralizá-la. Recebia dinheiro do PT para depositá-lo na conta de pessoas da família, sem que estas percebessem.

Este colunista sempre sonhou em voltar de uma viagem e encontrar seu apartamento integralmente reformado, com extremo bom gosto, por conta de amigos desinteressados e generosos. Também sonha ter inimigos infiltrados, de preferência em grande número, depositando dinheiro à vontade em sua conta bancária. Nada: quem foi que disse que o Sol nasceu para todos?

Escrever essas coisas não é difícil. Mas deveria ser difícil achar quem nelas acreditasse. Pois há quem acredite, também, e adicione comentários.

E, no Estado americano de Virgínia, o polemista Olavo de Carvalho acusa o pessoal da Porta dos Fundos de jogar coquetéis Molotov nas instalações da Porta dos Fundos. Pode ser? Neste mundo tudo é possível – mas o atentado foi gravado em vídeo e por ele é possível chegar ao dono de algum dos carros. Se a Polícia, pertinho do crime, com o vídeo em mãos, ainda não pegou ninguém, como se pode identificar o criminoso a dez horas de voo?

 Surpresa!

A deputada mais votada do país, Janaína Paschoal, é filiada ao PSL, pelo qual Bolsonaro se elegeu; foi convidada por Bolsonaro para vice. E é dela a mais contundente opinião sobre Flávio Bolsonaro: acha que ele cometeu crime, sim. “Ao que tudo indica, infelizmente, Flávio cometeu peculato, usou funcionários para desviar dinheiro público”. Janaína aparentemente concorda com a tese de que Flávio Bolsonaro tem sido mais visado que outros colegas de Assembleia. Pede que o Ministério Público faça com outros da lista da Assembleia fluminense o que faz com Flávio. Janaína é a pessoa mais próxima de Bolsonaro a dizer que há crime a ser julgado.

Confusão próxima

Como será aplicada a lei anticrime, que criou o juiz de instrução? Há quem diga que o processo de Flávio Bolsonaro não mais poderá ser julgado pelo juiz Flávio Itabaiana. Há quem diga que o caso já está com Itabaiana, desde antes da nova lei, e que a ele caberá concluir o processo. O Conselho Nacional de Justiça criou grupo de trabalho para debater o tema, com prazo até 15 de janeiro. O juiz de instrução deve comandar o inquérito, e não poderá julgar o caso. Os críticos da lei dizem que não haverá juízes para preencher os novos cargos.

 Moro, o compreensivo

Sergio Moro, que assumiu a Justiça e Segurança Pública com poderes, dizia-se, de superministro, sofreu mais uma derrota quando o presidente se recusou a vetar na lei anticrime o dispositivo que criou o cargo de juiz de instrução. Mas, como nas derrotas anteriores, não reagiu. Dizia-se que Bolsonaro manteve o dispositivo para tirar o juiz Flávio Itabaiana do julgamento do filho, mas não há certeza sobre a aplicação do novo sistema.

 Gugu, de meu bem a meus bens

Rose Miriam, mãe dos filhos de Gugu Liberato, que não foi contemplada em seu testamento, disse que está disposta a lutar para ser a inventariante do caso. Além disso, quer que seja reconhecida uma união estável, que lhe permitiria reivindicar parte dos bens de Gugu – embora tenha comparecido à leitura do testamento e concordado com seu cumprimento imediato. O advogado Carlos Eduardo Farnesi Regina, que trabalhou com Gugu por mais de 15 anos e representa a família, coloca sua posição, em nome dos herdeiros:

“Representei os interesses de Gugu Liberato como advogado por mais de 15 anos e agora represento a família em seu espólio. Gugu deixou um testamento que foi lido em ato solene na presença de dois tabeliães e de todos os beneficiados. Nessa mesma reunião realizada, todos os presentes, inclusive Rose Miriam, acompanhada de seu irmão, concordaram com o cumprimento imediato da última vontade do apresentador e conferiram a mim a incumbência de promover o inventário, agora sob sigilo judicial.

“Causa espanto que atos públicos e realizados a luz do dia sejam tratados como coação, enquanto atos praticados na calada da noite em residências sejam admitidos como normais. Todas as minhas reuniões com meus clientes foram diurnas, abertas e por mim gravadas com o conhecimento dos presentes. As mensagens trocadas foram registradas e arquivadas de forma a preservar a transparência, legalidade e sigilo do inventario e da relação cliente/advogado. “Minha função foi, é e continuará sendo preservar, proteger e fazer cumprir a última vontade de Augusto Liberato, manifestada em benefício de seus filhos e sobrinhos.”

_______________________________________

CURTA E ACOMPANHE NOSSA PÁGINA NO FACEBOOK
______________________________________________________________
ASSINE NOSSA NEWSLETTER NO SITE CHUMBOGORDO (WWW.CHUMBOGORDO.COM.BR)
___________________________________________________
COMENTE:
carlos@brickmann.com.br
Twitter:
@CarlosBrickmann
www.brickmann.com.br

2 thoughts on “De cabeça para baixo. Coluna Carlos Brickmann

  1. Agradeço ao Carlinhos (desculpe a intimidade!) e a Marli pela oportunidade de ler a coluna, na “faixa”, durante o ano que se finda e assim, dar um trôpego passo em direção contrária à ignorância. Obrigado, também, por publicarem meus parcos comentários, nas raras vezes em que me atrevi a regurgitá-los! Que 2020 lhes traga o agradecimento que eu, pobremente, só posso traduzir como: Deus lhes pague!
    FELIZ ANO NOVO! (principalmente quando ele começar a ficar velho…)

    P.S.: Marli, um beijão na bochecha!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *