O Zelador. Por Meraldo Zisman

O ZELADOR

MERALDO ZISMAN

(MERA RECORDAÇÃO DO MEU TEMPO DE PEDIATRA)

… mais outros pertinentes a queixa da mãe do paciente, foram de resultados, absolutamente normais. Na volta da consulta pedi a genitora que me deixa-se sozinho com o paciente. Obedeceu-me, apesar de notar uma certa hesitação da senhora. Enquanto palpava sua barriga do menino ele foi me contando…

Chegou-me ao consultório uma criança do sexo masculino aparentando ser saudável. Idade: 5 anos. Queixava-se de dores abdominais. Pareceu-me muito vivaz apesar da descrição das suas dores intensas, por sua mãe descrita. Examinei-o e, após detalhada anamnese, nada de anormal encontrei. Solicitei um exame de fezes parasitológico e mais outros pertinentes a queixa da mãe do paciente, foram de resultados, absolutamente normais. Na volta da consulta pedi a genitora que me deixa-se sozinho com o paciente. Obedeceu-me, apesar de notar uma certa hesitação da senhora.

Enquanto palpava sua barriga do menino ele foi me contando:

— Sabe tenho uma coisa para lhe contar doutor, disse-me ele, enquanto reavaliava seu abdome. E o garoto foi falando:

— Sabe tio, papai viaja muito e mamãe tem medo de dormir sozinha.

— Isto é natural, respondi eu atarefadíssimo em achar uma apendicite ou qualquer coisa que pudesse explicar aquela dor de barriga, mas você fica em casa para cuidar dela, contra argumentei!

— Mas antes eu até gostava quando papai viajava, pois, assim eu podia dormir com a mamãe na cama grade.

— Mas filho você tem que dormir na sua caminha, papai e mamãe tem sua cama, como você tem a sua.

— É mais agora é que estou com medo de um ladrão entrar lá em casa.

— Mas, porque meu filho você deu para ter medo de quando seu pai viaja ou fica em casa o perigo é o mesmo. Vocês não moram em apartamento, é morada mais segura.

— É tio, mas quando painho viaja a portaria fica sozinha lá embaixo e qualquer um pode entrar no prédio.

— Como assim meu filho?

— A dor passou, agora, disse ele como se desejasse mudar de assunto.

— Mas como se você não tomou nenhum remédio?

—    Passou? Então exclamei:

—     Foi ótimo essa nossa conversa de homem para homem.

Eu não estava entendo mais nada.

— Aí o pirralho disparou:

— Meu medo é que quando papai está fora de casa, mamãe diz que tem tanto medo de dormir sozinha que pede para ao Seu Severino o zelador para vir dormir com ela.

— Quem é que fica lá embaixo, para o ladrão não entrar? Penso que é esse meu medo é que me dá dor de barriga.

____________________________________________________________

Meraldo Zisman Médico, psicoterapeuta. É um dos primeiros neonatologistas brasileiros. Consultante Honorário da Universidade de Oxford (Grã-Bretanha). Vive no Recife (PE). Imortal, pela Academia Recifense de Letras, da Cadeira de número 20, cujo patrono é o escritor Álvaro Ferraz.

1 thought on “O Zelador. Por Meraldo Zisman

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *