Quatro histórias sem moral. Por Jaime Pinsky

QUATRO HISTÓRIAS SEM MORAL

JAIME PINSKY

…Só depois, muito depois, é que se verificou que o fenômeno era resultado de um hábito religioso dos judeus, o de lavar as mãos várias vezes ao dia, principalmente antes das refeições, ou quando se tocava em algum cadáver…

Quando estava no quinto ano minha professora nos mandava ler histórias para descobrir a moral que elas continham. Desafio o eventual leitor a fazer o mesmo. Tirar a moral das histórias (verdadeiras) que narro a seguir. Bom exercício para fazer em tempos de confinamento (afinal, ninguém quer pegar o tal do “resfriadinho”).

Winston Churchill: biografia, frases, obras e funeral - Toda Matéria1 .Winston Churchill era ranzinza, obeso, fumava charutos e tomava whisky, Não era um exemplo de atleta, como alguns chefes de estado gostam de se apresentar. Também pela idade (66 anos) poderia ser considerado do grupo de risco quando foi chamado para chefiar o governo inglês em 1940. Na ocasião Hitler estava conquistado quase toda a Europa e tinha planos para dividir a população do continente por supostas raças, inventadas por ele e por supostos cientistas colocados a serviço do nazismo. Ao contrario dos eslavos (que considerava de raça inferior) e de judeus e negros (que considerava pertencentes a sub raças), os ingleses poderiam até ter um espaço privilegiado na Europa unificada, desde que aceitassem a supremacia alemã e do partido nacional socialista (nazista). Ao tomar o poder Churchill deixou claro que a Inglaterra defenderia de modo intransigente a democracia e que ele, como líder do país, não poderia prometer nada além de sangue, suor e lágrimas para o seu povo. Os ingleses aceitaram o sacrifício e se defenderam quando os aviões alemães destruíam a cidade de Londres, matando muitos cidadãos. Aos poucos conseguiu o apoio americano e foi um dos grandes vencedores da Segunda Guerra Mundial, junto com os russos. Sem ceder. Sem mentir. Sem prometer o que não poderia entregar.

******************************************

7 eventos da Idade Média que são mais loucos que Game of Thrones ...2. A Idade Média na Europa Ocidental caracterizou-se pela crescente força da Igreja. Na ausência de um poder político dominante, como o dos romanos, na Antiguidade, e com pequenos proprietários de feudos distribuídos por toda parte, a Igreja de Roma desempenhava o papel de mediadora de conflitos e de ditadora de normas espirituais e de comportamento. A Igreja coroava reis, reconhecia propriedades e determinava o que era verdade e o que não era. Arrogando-se como a única interlocutora entre Deus e os homens, tinha o monopólio do saber. Quando uma mulher do povo destacava-se por conhecer os efeitos benignos e malignos de ervas, era olhada com desconfiança. Afinal, ela não pertencia à Igreja e estava ameaçando o monopólio de saber da instituição. Era avisada que deveria parar de receitar chás para isso e aquilo. Se insistisse em sua atividade, era considerada bruxa e, muitas vezes, queimada viva, por supostamente ter parte com o demônio.

******************************************

Isto vai te deixar em Choque: A Higiene da Mulher no Século XIX3. Embora o comércio fosse incipiente na Idade Média, ele era necessário. Os judeus desempenhavam boa parte dessas atividades e muitas cidades da Europa Ocidental preservam, até hoje, o antigo quarteirão dos judeus. Durante várias epidemias que grassaram nesse período verificou-se que o número de judeus mortos era relativamente menor do que o dos cristãos. Ao notar esse fenômeno, parte da população investiu contra o quarteirões judaicos de várias cidades, matando boa parte de seus habitantes. Afinal, se eles sobreviviam, sem a ajuda de Deus (já que não eram cristãos), só poderia ser por obra do…acertaram, o demônio, mais uma vez! Só depois, muito depois, é que se verificou que o fenômeno era resultado de um hábito religioso dos judeus, o de lavar as mãos várias vezes ao dia, principalmente antes das refeições, ou quando se tocava em algum cadáver…

******************************************

Pedro Álvares Cabral chegou ao Brasil – Palavras ao Vento4. Ao chegar ao Brasil os portugueses notaram que os nativos eram morenos, bonitos e que andavam nus. Sua atitude com relação aos índios foi dicotômica. Oficialmente escandalizaram-se com seus costumes, mesmo porque não tinham disciplina de trabalho, não se envergonhavam de sua nudez, nem de sua sexualidade e, pior de tudo, não acreditavam em Deus (naquele dos conquistadores, é claro). Na prática, contudo, achavam ótimo ter relações sexuais com mulheres nativas que não se sentiam travadas por preconceitos. Não foram raros os casos dos brancos que se “amancebaram” com nativas e acabaram adotando seus costumes e práticas culturais. Despidos daquelas roupas todas que poderiam fazer sentido na Europa, mas não em um país tropical, sentiram mais livres para conviver com a natureza, com uma sociedade aberta, onde o indivíduo não tinha sua vida predeterminada a partir do seu nascimento. Como agradecimento, os brancos trouxeram doenças que mataram a maior parte dos índios brasileiros.

__________________________

JAIME PINSKY: Historiador, professor titular da Unicamp, autor ou coautor de 30 livros, diretor editorial da Editora Contexto.

jaimepinsky@gmail.com

 

 

1 thought on “Quatro histórias sem moral. Por Jaime Pinsky

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *


Notice: ob_end_flush(): failed to send buffer of zlib output compression (1) in /home/chumb738/public_html/wp-includes/functions.php on line 4669

Notice: ob_end_flush(): failed to send buffer of zlib output compression (1) in /home/chumb738/public_html/wp-includes/functions.php on line 4669