A pergunta permanece: Moro, onde está o senhor, que não vê, não fala, não escuta?

 O artigo publicado no Estadão (22), pág. A6, “Só Freud explica” merece um reparozinho no título, deveria ser “Nem Freud explica”.

 https://politica.estadao.com.br/noticias/geral,so-freud-explica,70003278557

 Um articulista que escreve na página A2 da Folha de S.Paulo pergunta “É ético torcer para alguém morrer?”. Acho que não, mas é cínico não admitir que, no íntimo, fazemos isso.

 Um excelente filme de faroeste, “O Homem que Matou o Facínora” (1962), termina com a frase  “Quando a lenda precede os fatos, publique-se a lenda”. Entre os filmes que serão exibidos na TV por assinatura hoje, um crítico de cinema do Estadão recomenda “Blow Up – Depois daquele beijo” (1966), dirigido por Michelangelo Antonioni. Na cena final, um jogo de tênis sem bolas em um parque deu o que falar, centenas de interpretações foram criadas. Em São Paulo, o filme foi exibido no Cine Belas Artes, frequentado por intelectuais de verdade e pessoas que se fantasiavam de intelectuais franceses, vestiam-se com roupas escuras, usavam boina e cachecol, mesmo que fosse no verão.

 Acabado o filme, acendiam um cigarro, faziam cara de inteligentes, atravessavam a rua e iam para o Riviera (tradicional bar que existe até hoje; o Belas Artes também, mas não é sombra do original e depende de patrocínio para sobreviver), e nele criaram as mais estapafúrdias teses sobre o significado da partida sem bolas. Tempos depois, Antonioni dá uma entrevista à Playboy, na qual tem de responder à óbvia pergunta, qual o significado do jogo? Responde ele, então, que estava no parque com toda a equipe para filmar uma cena quando é avisado pela produção que o dinheiro havia acabado e que deveria terminar o filme ali mesmo. Conta que a ideia da partida surgiu de repente e que não tem significado algum, foi só o que lhe passou pela cabeça no momento como cena final. E como reagiram os criadores das centenas de teses? Não deram o braço a torcer, um deles declarou que “uma vez lançada uma obra, não importa a intenção do autor, o que vale é a interpretação de quem a vê” (!!!). Talvez por isso o crítico tenha terminado sua indicação com “e a metáfora do jogo de tênis sem bola, no desfecho, segue fascinante no seu simbolismo.”. É o caso de “Quando a lenda precede os fatos, publique-se a lenda”.

 Por que usar tanto espaço no Mirando para tratar desse assunto quando o mundo desaba? Gente, ontem foi feriado…

 (CACALO KFOURI)

                                                               ***************

Uma pergunta: o Brasil tem ministro da Justiça???

                                                               ***************

Em matéria no UOL: Errata: o texto foi atualizado.

Ao contrário do que informado anteriormente, Telê Santana nasceu em Itabirito e não em Itabira. O erro foi corrigido

Cara-pálida, o erro foi corrigido com outro, nascer ali não é “ao contrário” de nascer acolá, é diferente, capisce? Entonces, diferentemente do informado.

                                                               ***************

Copiadas da Folha

 Ala militar nega golpismo, mas apoia Bolsonaro no embate com Poderes

 A ala militar do governo, juntamente com o gabinete do ódio, é constituída por generais de pijama que desmoralizam as Forças Armadas quê, a muito custo, conseguiram recuperar o prestígio depois de 21 anos de ditadura militar.

 Moraes, do STF, atende pedido de Aras e autoriza inquérito para investigar atos pró-golpe

O ministro Alexandre de Moraes, do STF (Supremo Tribunal Federal), autorizou a abertura de inquérito para investigar as manifestações realizadas no último domingo (19). O pedido de investigação foi feito na segunda-feira (20) pelo procurador-geral da República, Augusto Aras.

O objetivo de Aras é apurar possível violação da Lei de Segurança Nacional por “atos contra o regime da democracia brasileira por vários cidadãos, inclusive deputados federais, o que justifica a competência do STF”.

A lamentar o fato de que o PGR – sobre o qual há suspeita de ser geral pero no mucho antes mesmo de ser nomeado – fez o serviço pela metade, deixou de fora o líder do ataque ao Estado Democrático de Direito. O ministro fez o que é possível diante do pedido incompleto.

                                                              ***************

Copiada do UOL

 Apaixonado pela Portela, enfermeiro morre de covid-19 no Rio

 Mein Got, que informação fundamental! Vamos todos ficar mais ilustrados sabendo que ele gostava da Portela. O pessoal da Mangueira ficou com ciúmes, está pensado em escolher uma vítima.

 Estilista de SP cria “máscaras” de até R$ 600: “Vírus não gosta de brilho”

 A idiotice não é ela fazer, é que há quem comprará, não tenha dúvida, leitor.

 Copiada da Coluna de Thaís Oyama

O que preocupa Bolsonaro

Jair Bolsonaro não está nem um pouco preocupado com o inquérito que o STF abriu com o objetivo de apurar responsabilidades pelos atos pró-golpe militar de domingo. O inquérito, aberto a pedido do Procurador(*)Geral da República, Augusto Aras, seria para “inglês ver”.

(*) A falta do hífen não é para inglês ver, é para mim que vejo e aponto… procurador-geral, cara-pálida.

Primeiro porque Aras, indicado ao cargo pelo amigão do presidente, o ex-deputado Alberto Fraga, não incluiu Bolsonaro entre os investigados – o alvo são deputados federais que (teriam apoiado)(???) e estimulado as manifestações que pediam a volta do AI-5, entre outras iniciativas não toleradas pela Constituição.

(???) Teriam? Apoiaram e publicamente. Só faltou dizer que não “teria” incluído o coiso porque é um PGR isento.

Depois, porque o presidente e assessores consideram que a investigação correrá em “ambiente seguro”. Por sorteio, o inquérito ficou a cargo do ministro Alexandre Moraes.

“Ambiente seguro”, que ilação é esta, cara-pálida? Ignora as últimas decisões do ministro, todas contra as pretensões bolsonarescas? Pode isto, Arnaldo? E, por “azareio” do governo, também está com ele a decisão sobre a CPMI das Fake News, na qual ficará óbvio que os envolvidos por elas são os mesmos que fizeram parte das insanas manifestações apoiadas pelo coiso. E o medo da zeralhada já deu sua cara, 03 entrou novamente com pedido na Corte para que ela não prossiga, ele sabe das ligações espúrias, faz parte.

                                                            ***************

 

 

1 thought on “A pergunta permanece: Moro, onde está o senhor, que não vê, não fala, não escuta?

  1. TEM SIM. VAI ENTRAR EM AÇÃO AGORA, DEPOIS DA ROUBALHEIRA QUE ESTÁ ACONTECENDO NOS ESTADOS POR CONTA DA COVID 19.
    ROUBALHEIRA ESTA, QUE VOCE NEM COMENTOU ATÉ AGORA.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Assine a nossa newsletter