ululante

O óbvio ululante. Por Meraldo Zisman

O ÓBVIO ULULANTE

(A verdade que grita)

MERALDO ZISMAN

… Ululante…A consequência disso é o fardo desproporcional de depressão sobre as pessoas com menores recursos. Apelo como médico e cidadão para que se pare de ficar repisando fatos conhecidos por todos. É desnecessário realizar mais pesquisas sobre o assunto…

ululante

O óbvio, ainda que ululante e redundante, aparece sempre na imprensa e agora, com as mídias sociais, transborda e regurgita até nos meios ditos científicos ou acadêmicos trazendo, em vez de informação, medo, ansiedade, preocupação para todas as pessoas, independente da classe social a que pertençam. Imaginem os que já estão fragilizados pela pobreza extrema.

No que lhe concerne, o vocábulo ululante é um adjetivo que qualifica algo ou alguém que ulula, ou seja, que uiva, grita, berra ou emite sons de lamento. Ulular vem do latim ululare, que significa uivo dos cães e outros animais da família dos canídeos. O termo ululante se popularizou através do escritor brasileiro Nélson Rodrigues, que escreveu o livro “O Óbvio Ululante”, em 1950. Neste caso, a palavra ululante também pode expressar o sentido de óbvio, e leva o sentido figurado de ululante a uma referência direta ao seu significado original: “gritar o óbvio” ou “a verdade que grita” ou ainda que esteja “na cara” e as pessoas não enxergam. É algo excessivamente óbvio e que dispensa explicação devido à sua clareza.

A pandemia do COVID-19, como toda e qualquer calamidade, aumenta o medo e a ansiedade que, associada a eventos negativos, vem acompanhada de dramáticas consequências econômicas e psicossociais, o que também ocorreu em todas as outras catástrofes do passado, de qualquer espécie.

Mesmo antes do endeusamento dos algoritmos, avanços tecnológicos, informática e a consequente ansiedade coletiva, já houve tragédias recentes tais como os ‘tsunamis’, ataques terroristas, guerras, 11 de setembro, o furacão Katrina, os distúrbios de Hong Kong, a violência policial. Diria, são todos gatilhos para aumentar o sentimento de medo, de insegurança, gerador de ansiedade continuamente acentuada nos segmentos sociais desprotegidos, tornando-os mais vulneráveis às intempéries vitais que, de tão gritantes, não passam de simples repetições que não carecem de provas estatísticas ou ‘científicas’.

Motivo: devido à carga desproporcional sobre as pessoas com menos recursos, os esforços (sic) da sociedade para apoiar tais pessoas serão as principais vítimas,  algo que já sabíamos antes do aparecimento do tal do Covid-19. A História da humanidade já demonstra isso, sobejamente.

A consequência disso é o fardo desproporcional de depressão sobre as pessoas com menores recursos. Apelo como médico e cidadão para que se pare de ficar repisando fatos conhecidos por todos. É desnecessário realizar mais pesquisas sobre o assunto.

Aviso. De altruísmos científicos e noticiosos, estamos todos cheios e até intoxicados, empeçonhados e envenenados.  A verdade quando grita não necessita de comprovações científicas… Diante da morte todos nós viramos filósofos. Para terminar, aconselho que se lembrem que após a Primeira Guerra Mundial veio a epidemia apelidada de gripe espanhola. Decorridas algumas décadas, a Segunda Guerra Mundial eclodiu…

Não acredito que haverá mudanças significativas. O que vinha ocorrendo antes da atual pandemia fará progredir apenas o que já estava prosperando. Sem que a isso possa ser aplicado o apelido recém-criado de ‘novo-normal’.

___________________________________________________________

Meraldo Zisman Médico, psicoterapeuta. É um dos primeiros neonatologistas brasileiros. Consultante Honorário da Universidade de Oxford (Grã-Bretanha). Vive no Recife (PE). Imortal, pela Academia Recifense de Letras, da Cadeira de número 20, cujo patrono é o escritor Álvaro Ferraz.

 

2 thoughts on “O óbvio ululante. Por Meraldo Zisman

  1. CORRESPONDÊNCIA/ COMENTÁRIO – PARA MERALDO ZISMAN,
    DE MOACIR VELOSO

    Caro Tio Meraldo, seu escorreito e expressivo artigo, vem ao encontro do que penso sobre a espécie. A referência ao ” novo normal”, é o arremate que não podia calar. Já há algum tempo venho sendo tomado por uma intensa compaixão pelos excluídos. Uma legião de miseráveis que podem ser vistos a olho nu, espalhados por todas as cidades em todo Brasil, Reduzidos à condição de subespécies humanas, estão aí para contrariar e desmoralizar qualquer discurso político econômico que, como sói acontecer, venha tergiversar, com elucubrações fundadas no exercício deletério da logica formal: O PIB vai diminuir ou crescer tantos%, por isso, aquilo ou aquilo outro. Enquanto isso, a miséria ululante e o Covid 19, seguem sua trajetória letal. Aquela, sóbria e oficiosa pela própria natureza, com a experiência adquirida por milênios de matança a céu aberto, é ignorada à custa da negligência culposa materializada pela barbárie contemporânea. Este, representado pelo vírus, cantado diuturnamente em prosa e verso, pela mídia que, após informar freneticamente o aumento do número de mortos ( sempre omitindo os que se curaram), encerram o noticiário televisivo, esboçando sorrisos, num cinismo e deboche assombrosos, típicos de um exercício de humor negro. Logo mais no seu consultório, comentaremos o assunto. Parabéns pela abordagem de um tema tão importante e insidioso, com a pertinente leveza literária. Abraços.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Assine a nossa newsletter