Em política, tudo pode

Por Paulo Renato Coelho Netto

País virou piada internacional e a população está dividida. O ódio está no ar

Artigo publicado originalmente no Portal Top Vitrine, http://www.topvitrine.com.br/ , de Campo Grande, MS, 18 de março de 2016

A difícil vida na redação

11h25 – Ex-presidente Lula toma posse como ministro da Casa Civil em Brasília.

12h30 – Juiz suspende nomeação de Lula.

Crise de abstinência

No sábado, 12 de março, o presidente do PMDB, Michel Temer anunciou que durante trinta dias nenhum integrante do partido aceitaria cargos no Governo Federal. Foram proibidos sob pena de expulsão durante a Convenção Nacional da legenda.

A crise de abstinência por peemedebista por cargos, no entanto, não demorou 72 horas após a determinação.

Na terça-feira, o deputado federal mineiro Mauro Lopes aceitou ser o novo ministro da Aviação Civil de Dilma Rousseff. Já está empossado.

“Em política, tudo pode”

Frase do petista e ministro da Educação Aloizio Mercadante gravada por José Eduardo Marzagão, assessor do senador Delcídio do Amaral.

Fala, querida…

– Dilma: Alô

– Lula: Alô

– Dilma: Lula, deixa eu te falar uma coisa.

– Lula: Fala, querida. Ahn…

– Dilma: Seguinte, eu tô mandando o ‘Bessias’ junto com o papel pra gente ter ele, e só usa em caso de necessidade, que é o termo de posse, tá?!

– Lula: Uhum. Tá bom, tá bom.

– Dilma: Só isso, você espera aí que ele tá indo aí.

– Lula: Tá bom, eu tô aqui, fico aguardando.

– Dilma: Tá?!

– Lula: Tá bom.

– Dilma: Tchau.

– Lula: Tchau, querida.

Maricá é uma merda de lugar”

Frase do prefeito do Rio de Janeiro, em conversa com o ex-presidente Lula gravada pela Polícia Federal. No diálogo, Paes diz a Lula que o ex-presidente tem “alma de pobre” por ter “sitiozinho vagabundo” e “barquinho de merda” em Atibaia.

Paes se desculpou nesta quinta-feira pelas declarações, provavelmente nada bem recebidas na cidade de Maricá, interior do Rio de Janeiro.

No mesmo grampo, Paes, o piadista, conclui: “A minha vida começou com Lula e Cabral e terminou com Dilma e Pezão. Puta que me pariu!”, diz ao ex-presidente.

O Lázaro da comentarista

“A presidente Dilma terá que se reinventar em Brasília se quiser permanecer no poder”.
[Frase de uma comentarista de política na televisão, no domingo à noite, dia 13].

É o mesmo que falar sobre um cadáver, num velório, que o morto tem que achar uma maneira de levantar do caixão para voltar pra casa.

Semipresidencialismo, semiparlamentarismo, semibicicleta

Do jornalista Elio Gaspari: Com o agravamento da crise política e econômica, surgiu a ideia de uma reforma do regime, chegando-se a um parlamentarismo ou a uma excentricidade chamada de “semipresidencialismo” ou “semiparlamentarismo”. Algo tão vago quanto uma semibicicleta.

O parlamentarismo já foi rejeitado pelos brasileiros em dois plebiscitos, em 1963 e 1993, sempre por maioria acachapante. Com 77% a 17% dos votos num caso e 55% a 25% no outro.

O semiparlamentarismo daria mais poderes a um Congresso de 594 deputados e senadores. Deles, 99 têm processos à espera de julgamento do Supremo Tribunal Federal. São 500 os inquéritos em andamento, inclusive os que tratam dos atuais presidentes da Câmara e do Senado.

Compensa

Pelo acordo de delação premiada, o senador Delcídio do Amaral (ex-PT/MS) ficará dois anos e meio em prisão domiciliar e, depois, seis meses de prestação de serviço. Ficou definido que a pena máxima aplicada a ele será de 15 anos.

O profeta do caos terá que devolver ainda, aos cofres públicos, R$ 1,5 milhão por seu envolvimento no esquema da Petrobras.

————————

renatoPaulo Renato Coelho Netto Criador do Portal Top Vitrine, Paulo Renato é jornalista com pós-graduação em Marketing pela Universidade Católica Dom Bosco (UCDB), em Campo Grande (MS). É autor de nove livros, entre os quais “Mato Grosso do Sul”, obra em português e inglês e “Minha Vida Até os 40 – Uma biografia de João Leopoldo Samways Filho”. É coautor do livro “Campo Grande, Imagens de Um Século”, obra em português e francês. Foi roteirista dos filmes “Pantanal – Um Olhar sobre o Patrimônio da Humanidade”. Publicou seu primeiro livro aos 19 anos, “Ciência do Beijo”. Trabalhou como repórter no jornal Diário do Grande ABC, em Santo André (SP), e na sucursal em Campo Grande do jornal Gazeta Mercantil. Foi diretor e editor-chefe na TV Morena (Rede Globo) e TV Educativa de Campo Grande. Idealizou e implantou a TV UNAES – Centro Universitário de Campo Grande. Na mesma Instituição de Ensino Superior foi diretor da TV UNAES, responsável pelo site, pelo jornal O Centro e a Assessoria de Comunicação do Centro Universitário.

 

1 thought on “Em política, tudo pode

  1. Em vez de semi-presidencialismo ou semi-parlamentarismo, que tal adotarmos a semi-corrupção. Em que consiste ? É o seguinte: as empreiteiras, os funcionários relevantes das estatais, os políticos, enfim, todos os envolvidos em futuros “negócios” assumiriam o compromisso patriótico, em acordos prévios de leniência, de fazer retornar ao Tesouro Nacional, digamos, 90% dos sobrepreços e dos pixulecos em geral. Que tal ?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Assine a nossa newsletter