Alemanha vence no presente e prepara o futuro. Coluna Mário Marinho

Alemanha vence no presente e prepara o futuro

COLUNA MÁRIO MARINHO

A vitória da jovem seleção da Alemanha na Copa das Confederações, nesse fim de semana, não foi obra do acaso.

Os pragmáticos alemães estão se preparando há tempos para que seu domínio sobre o futebol mundial não fique restrito à conquista da Copa do Mundo de 2014, aqui no Brasil.

Seu desempenho na competição não deixa dúvidas: na estreia venceu a fraca Austrália por 3 a 2, encontrando alguma dificuldade. No jogo seguinte, empate com o Chile, 1 a 1, e encerrou a fase grupos vencendo Camarões, 3 a 1.

Na semifinal, despachou o México com facilidade: 4 a 1.

Na final, encontrou pela frente uma aguerrida seleção chilena que, além de muita disposição para a luta, mostrou também uma grande bobagem chamada catimba. Será que os chilenos acharam que podiam ganhar no grito ou envolver os gélidos alemães com sua provocação? Bobagem pura.

Assim, a Alemanha conquistou um título com sua seleção de idade média de 23 anos, seleção quase olímpica. Dos campeões do Mundo de 2014, o técnico Joaquim Löw levou apenas Mustafi, Draxler e Ginter. Deixou de fora, por exemplo, o grande goleiro Manue Neuer, um dos melhor do mundo atualmente. Muller e Kroos foram outros famosos e em boa forma que ficaram de fora.

A razão de deixar cobras de fora, é absolutamente simples: os cobras já são tarimbados, experientes; o momento, então, é de dar chance aos novos.

A Seleção que venceu a Copa das Confederações está sendo preparada para a Copa do Qatar, em 2022.

Já para a Copa de 2026 outra seleção já está sendo preparada: é a seleção sub 21 que venceu a Eurocopa da categoria há uma semana, vencendo a Espanha na final.

A esse conjunto de obras, dá-se o nome de planejamento.

Coisa que no Brasil a gente não leva muito a sério.

Nossa Seleção sub 20, por exemplo, sequer participou da Copa do Mundo da categoria.

Considerada uma das mais fortes no Sul-Americano, o Brasil foi eliminado pela fraca Colômbia, ao empatar em 0 a 0. Bastava uma vitória simples e o estaríamos classificados.

Mas, por absoluta incompetência, ficamos em penúltimo lugar. Pelamor de Deus!

Bem, enfim, estamos a um ano da Copa do Mundo da Rússia que, segundo a imprensa mundial, organizou muito bem a Copa das Confederações, um pequeno teste para a Copa do Mundo.

Os russos, com certeza, farão bela festa no ano que vem.

Mas, correm o sério risco de fazerem festa para os outros: a seleção russa mostrada nessa Copa das Confederações é muito ruim.

Veja os melhores momentos da final.

Despenca
o São Paulo

Lá vai o Tricolor paulista ladeira abaixo. Chegou agora à perigosa e escorregadia Zona do Rebaixamento.

Essa é uma situação muito perigosa.

Muitos dos times grandes que caíram para a Série B no Brasileirão, começaram a cair bem no começo da competição.

E havia sempre aquele falso otimismo: vai dar tudo certo!, o Brasileirão está apenas começando!, a competição é longa.

Sim, tudo isso é verdade. A competição é longa e a possibilidade de cair ainda mais se apresenta a cada rodada.

Foi triste ver a exibição do São Paulo contra o Flamengo.

Além da qualidade infinitamente superior do Flamengo, o São Paulo mostrou um time totalmente desorganizado, como se os jogadores tivessem se conhecido momentos antes do jogo começar.

É difícil dizer até onde vai a culpa do técnico Rogério Ceni. Ele anda mudando de esquema tático a cada rodada, a cada jogo. Isso não é bom.

Mas, é preciso também que se reconheça que o material que ele tem na mão, não é dos melhores.

O competente Pratto, dono da conhecida raça, vive dias e dias de eterna solidão no ataque. Se não mudar, viverá cem anos de solidão.

O Timão
se distancia

Com a sofrida vitória sobre o Botafogo o Timão abre sete pontos sobre o segundo colocado, o Grêmio, que foi batido pelo Palmeiras.

No jogo do Timão, o juiz deu um pênalti favorável ao dono da casa, apitando uma falta que aconteceu fora da área. Fez-se a Justiça Divina e Jô cobrou para defesa do goleiro esperto goleiro Gatito.

Mas, para não deixar Jô e os corintianos abatidos, a Divina Justiça colocou Jô no lugar certo, na hora certa e ele marcou o gol da vitória, 1 a 0.

Também teve pênalti no jogo Palmeiras e Grêmio. Só que desta vez o juiz não marcou. A falta existiu, foi clara e absolutamente dentro da área. Só o juiz não viu.

Mas, a imparcialidade da Divina Justiça premiou o Verdão com um gol contra do gaúcho Machado: 1 a 0.

E lá em Belo Horizonte, no Independência (que é campo do meu América, mas a gente o Atlético jogar lá), o Galo virou em cima do Cruzeiro que saiu vencendo por 1 a 0, mas acabou perdendo por 3 a 1.

Veja os gols do Fantástico

https://youtu.be/0KdJCxBFHN8

Vídeo
e camisinha

O colunista e editor de esportes do Estadão, Robson Morelli, que cobriu a Copa das Confederações, escreveu em sua coluna de hoje que não gostou muito desse negócio de juiz de vídeo. Acha que a jogada fica com gosto de café requentado.

Bem, Morelli, eu até concordo com o gosto do café requentado. Mas, às vezes, é necessário.

É como a camisinha: pode até influir no gosto, mas, às vezes, é necessária.

juiz futebol

_____________________________

FOTO SOFIA MARINHO

Mario Marinho É jornalista. Especializado em jornalismo esportivo foi durante muitos anos Editor de Esportes do Jornal da Tarde. Entre outros locais, Marinho trabalhou também no Estadão, em revistas da Editora Abril, nas rádios e TVs Gazeta e Record, na TV Bandeirantes, na TV Cultura, nas rádios 9 de Julho, Atual e Capital. Foi duas vezes presidente da Aceesp (Associação dos Cronistas Esportivos do Estado de São Paulo). Também é escritor. Tem publicados Velórios Inusitados e O Padre e a Partilha, além de participação em inúmeros livros e revistas do setor esportivo

(DUAS VEZES POR SEMANA E SEMPRE QUE TIVER MAIS NOVIDADE OU COISA BOA DE COMENTAR)

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Assine a nossa newsletter