angústia gestação

Angústia na gestação. Por Meraldo Zisman

                                       “A angústia é, dentre todos os sentimentos e modos da existência humana, aquele que pode reconduzir as mulheres e homens ao encontro de sua totalidade como ser (…).” Martin Heidegger (1889 – 1976)

angústia gestação

Gestação de um novo ser traz agora um aumento da angústia vital.

Conceba por um momento que seu filho ou filha ainda não nascido tem uma doença genética rara que fará do mesmo portador de uma vida bastante limitada ou com poucas possibilidades de sobrevivência. Jamais será um adulto normal. Acrescento: a sabedoria chinesa afirma que, quando se pergunta a um asiático: — qual a sua idade? — ele acrescenta os 9 meses de vida intrauterina que sabemos ser o espaço de tempo mais importante quando o ser passa de ovo (junção de um espermatozoide com o óvulo), para embrião (feto) para se tornar um recém-nascido e seguir uma nova vida fora da mãe. O tempo de vida intrauterina é o mais formidável e transformador processo de toda a existência dos seres. Caso tenha nascido no tempo da gestação de um ser humano (em torno de 40 semanas), essas semanas serão mais importantes do que os cerca de 90 anos que viverá fora do útero materno.

As transformações futuras serão sempre menores do que aquelas que ocorrem na barriga da mãe. A vida intrauterina sempre foi um grande mistério e provoca o que denomino angústia vital, mas forte do que outros traumas que possam ocorrem durante a vida pós-parto.

Com o advento da ultrassonografia e demais avanços médico-técnicos começamos a tomar “algum” conhecimento desse estágio da vida, importante fase da existência do Homo sapiens e de outros animais. Por isso, é compreensiva a expectativa do casal grávido (homem e mulher) quanto aos filhos que gerou ou irá gerar.

O aumento dessa expectativa deve-se à  biologia tecnológica, que descobriu o genoma, que sintetiza todos os dados transmitidos de uma geração de seres vivos para outra, armazenados em um organismo que utiliza uma linguagem de códigos, mais precisamente no seu ‘DNA’ (ácido desoxirribonucleico), sendo uma categoria de ácido nucleico que possui papel fundamental na hereditariedade, sendo considerado o portador da mensagem genética, uma espécie de roteiro orgânico molecular que traz todas as orientações que supervisionam a evolução, a atuação e as atitudes das entidades vivas.

Vinte anos depois que o primeiro genoma humano foi mapeado, o preço do sequenciamento do genoma completo caiu o custo a ponto de poder, pelo menos em países ricos, ser oferecido habitualmente a todos os recém-nascidos. O que de princípio parece ser um avanço da Medicina, agudiza a denominada angústia vital.

A acepção desta tal de angústia vital está associada a emoções que nos causam desconforto e consiste em um medo constante de ser atacado a qualquer momento. Essas emoções limitam as pessoas que as sentem, causando ansiedade, depressão ou outros sentimentos que levam a sensações desagradáveis.

A angústia vital tem efeitos psicológicos e físicos na mãe e no pai, durando muito tempo, indo mais do que o esperado e sendo acrescentado à responsabilidade da criação de um novo ser, seu filho ou filha.

__________________________________

Meraldo Zisman Médico, psicoterapeuta. É um dos primeiros neonatologistas brasileiros. Consultante Honorário da Universidade de Oxford (Grã-Bretanha). Vive no Recife (PE). Imortal, pela Academia Recifense de Letras, da Cadeira de número 20, cujo patrono é o escritor Alvaro Ferraz.

_______________________________________________________

2 thoughts on “Angústia na gestação. Por Meraldo Zisman

  1. Prezado Meraldo, artigo mais científico que romantigo, que o fez muito esclarecedor para leigos como eu. Como defendo a tese: é no barro mole que se molda a peça, confesso que tinha minhas sismas em ter filhos e, nas horas difíceis preferiria te-los evitado, “mas se não tê-los, como sabe-los”.

  2. Mestre Meraldo, embora já tenha me tornado avô, recordo que vivenciei tal angústia ante as incertezas quanto aos rebentos filhos e netos.
    Como nasceriam? Com saúde? Como vivenciar a paternidade ante tantos afazeres?
    Você acordou em mim sentimentos vivenciados no passado.
    Abraços,
    Bispo de Garanhuns

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Assine a nossa newsletter