Matem os velhinhos. Por Meraldo Zisman

Matem os velhinhos

 Por Meraldo Zisman

 A autorização para a venda de “planos populares” apenas beneficiará os empresários da saúde suplementar, sem solucionar os problemas do Sistema Único de Saúde. Esta é a posição do Conselho Federal de Medicina (CFM), que publicou “Nota de Esclarecimento à Sociedade” para comentar portaria do Ministério da Saúde, publicada hoje (5) no Diário Oficial da União, criando Grupo de Trabalho para discutir e elaborar projeto de criação do plano de saúde com caráter popular. Para o Conselho Federal de Medicina (CFM), tais planos, limitados a consultas ambulatoriais e exames de menor complexidade, “não evitarão a procura pela rede pública”. A autarquia advoga medidas estruturantes, tais como o fim do subfinanciamento, o aperfeiçoamento dos mecanismos de gestão, a criação de políticas de valorização dos profissionais, uma carreira de Estado para os médicos e o combate à corrupção. “Somente a adoção de medidas dessa magnitude será capaz de devolver à rede pública condições de oferecer, de forma universal, o acesso à assistência segundo parâmetros previstos na Constituição de 1988 e com pleno respeito à dignidade humana”, defende o CFM. Conferir:

(http://portal.cfm.org.br/index.php?option=com_content&view=article&id=26328:2016-08-05-19-59-27&catid=3)
velhinhosNesta mesma sexta-feira recebo um envelope branco, muito alinhado, do Bradesco Saúde, do qual sou participante desde sua fundação. Como prêmio pela minha pontualidade no pagamento das faturas desse plano de saúde complementar, aumentaram tanto a mensalidade que não posso mais pagar. Os aumentos são estratosféricos e, como velho professor de Medicina, sei que idosos dão prejuízo e, portanto, devem ser postos para fora, é o que diz a Lei?  Esquecem-se de que quando éramos jovens, éramos muito bem-vindos… Dávamos Lucro. Tomo a liberdade de repetir uma pequena crônica publicada no Diário de Pernambuco numa quinta-feira, dia 23 de novembro de 2006 e antes no Diário da Redação do saudoso jornalista Eliakim Araújo (1941-2016), no dia 12/11/2006.

 CAOS NA SAÚDE OU MEDICINA E POLÍTICA

A saúde passou a ser um bem de consumo. A razão pela qual a medicina seguiu essa tendência é que o valor do trabalho médico não pode ser medido unicamente pelo ganho monetário. Mas foi a essa degeneração que assisti, ao longo de meus 55 anos de vida profissional no Brasil.

Com o encolhimento do Governo no Setor da Saúde, assisto à privatização da medicina e o surgimento dos hospitais luxuosos para atender a uma minoria que (ainda), pode pagar um plano de Saúde. O resultado dessa política foi o sucateamento da Medicina Estatal, da Previdência Social e das ações do Ministério da Saúde.

Importaram-se modelos completamente estranhos à nossa tradição médica. Explicações do tipo: aumento de custos, tecnologias novas e caras ou aumento da média de vida do brasileiro não me parecem elucidação convincente para o “Caos na Saúde”.

Nossos principais hospitais particulares são símbolos de ostentação de riquezas e se assemelham mais com bancos ou hotéis de cinco estrelas. Parecem exemplos de exibição de riqueza aparente ou de riqueza ilícita, obtida com o sofrimento alheio.

Ao lado desse luxo, as filas vergonhosas dos pobres a mendigar atendimento médico, do outro lado da calçada, são de doer.

Com a valorização da tecnologia, os médicos passaram a ser meros manipuladores de máquinas. Outro fato a que assisto surpreso é o investimento em belas aparelhagens médicas, fazendo com que consultórios, clínicas e hospitais pareçam mais shoppings ou grandes magazines. São vassalos da sociedade do consumo. Vendem produtos de propaganda às classes dominantes, principalmente, e quando algum fazedor de opinião adoece o tratamento é diferenciado (Tratamento VIP), dedicação exagerada dos afamados nosocômios e medalhões médicos (seus dependentes, salvo as exceções de praxe), que deveriam ser poupados, numa hierarquia do saber, para os casos de maior complexidade. Trocam tudo – não exclusivamente pelo dinheiro – mas pelo agradecimento na imprensa.

O que noto é que (salvo no caso de alguns poucos esculápios) a importância social ou política do doente vale mais do que a complexidade da sua – doença. Como psicossomatista entendo que o bom médico não é o que trata da doença e sim do doente, da Pessoa Humana.

O recurso a procedimentos sofisticados, usados desnecessariamente (maioria das vezes) em detrimento de uma boa história clínica e um cuidadoso exame físico, passou a ser a norma. Isso faz com que os que mais necessitam desses procedimentos de alta tecnologia não sejam atendidos, pelo excesso de demanda. Aos poucos que possuem condições ou acessos as benesses desses maravilhosos avanços médicos sempre há uma vaga. Um jeitinho…

O reflexo disso é um desnível no atendimento médico, pior que o desnível social, podendo ser comparado à fome endêmica e ancestral de nossa população. A maioria dos preteridos tem cor de pele com um pouco mais de melanina.

Nem nos países mais ricos há tantos gastos com exames desnecessários. A maldade de conservar em CTI ou UTI certos pacientes irrecuperáveis que ficariam mais bem assistidos na companhia dos familiares, garante aos hospitais lucros comparáveis aos dos bancos. O que importa é o aumento do faturamento, não o bem-estar da pessoa.

O resultado é o desbaratamento dos jovens médicos e médicas. No fim, quem mais padece com esse encolhimento do Estado no setor da Saúde são os pacientes, principalmente as mulheres, os idosos e as crianças. O povo pobre é o que mais sofre, assim como a classe média (em extinção), com as prestações estratosféricas cobradas por esses empresários da saúde (ou da doença), pois passam a trocar a compra de comida pela prestação do Seguro.

Tenho muita pena principalmente dos velhos. Dizem por aí que existe muito mais Esperança no choro de uma criança do que um sorriso na boca de um idoso. Foi no que deu a privatização da medicina no nosso País. Não adiantam mutirões ou meias medidas. O problema do nosso sistema de saúde é político (com P maiúsculo).

Quando eu era jovem e exercia a função de chefe da Pediatria do Hospital Agamenon Magalhães (Recife), nenhum de seus médicos ou funcionários necessitava de planos de saúde, pois os melhores e mais bem aparelhados hospitais eram os estatais.

Como os tempos mudaram para pior! É, o cenário não aponta para muitas melhorias, introduzidas pelas obras faraônicas dos hospitais que atendem aos malfadados convênios. O mundo mudou, porém, pelo que sei, digo e repito: – o Homem não mudou.

Sua anatomia ou seus sentimentos permanece os mesmos.

ATT00009_thumb

_______________________________________________________

Meraldo ZismanMédico, psicoterapeuta. Consultante Honorário da Universidade de Oxford (Grã-Bretanha).

2 thoughts on “Matem os velhinhos. Por Meraldo Zisman

  1. Reflexo do pensamento medíocre do brasileiro: tudo que é bom vem do estado; tudo que é ruim, da iniciativa privada.
    O que é preciso para as pessoas perceberem que o Estado não produz nada, nem é solução para o Brasil? Outro Petrolão, Eletrobrás, ouro partido prometendo ética e que um novo mundo é possível??

  2. Formei-me há 15 anos e anamnese e exame clínico para mim seguem soberanos. Para o bem dos pacientes e dos contribuintes, resisto a exames e tratamentos desnecessários. Impressionante o número de diagnósticos e de exames complementares que chegam ao consultório lidos na internet, assistidos na televisão ou comentados por vizinhos. Trabalho como concursado numa pequena cidade e isso talvez facilite uma medicina mais humana, objetiva e eficaz. Mas o texto é preciso quanto à mercantilização e ao desperdício. Mesmo aqui, a pressão que vem de centros maiores é imensa.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Assine a nossa newsletter