Economia, economia. E só. Coluna Carlos Brickmann

ECONOMIA, ECONOMIA. E SÓ.

COLUNA CARLOS BRICKMANN

Imagem relacionada

EDIÇÃO DOS JORNAIS DE QUARTA-FEIRA, 28 DE NOVEMBRO DE 2018

Se o governo de Bolsonaro der certo, a presença maciça de militares, a redução do número de ministérios e a redução das restrições ao porte de armas serão aprovadas com entusiasmo pelos eleitores. Se o governo de Bolsonaro não der certo, os eleitores dirão que os ministérios cortados fizeram falta, que arma deve ser proibida e que lugar de milico é no quartel.

Na verdade, esses itens são secundários: o importante é a economia. Se o cidadão tiver emprego, puder comprar alimentos, pagar o aluguel e as contas, o Governo terá dado certo. Simples assim: se a economia estiver em bom funcionamento, tudo estará bem. Lembre o grande Nelson Rodrigues, para quem o Maracanã vaiava até minuto de silêncio. O ditador Médici, em cujo governo a economia cresceu, foi aplaudido. Motivo? Pleno emprego.

No caso de Bolsonaro, se a economia crescer e se aproximar do pleno emprego, anote: Ônix vira gênio político, Alexandre Frota passa a ser um parlamentar brilhante cuja vocação demorou a ser descoberta, a bancada da Bíblia recebeu uma ordem divina e a cumpriu juntando-se ao predestinado que iria salvar o país. Se a economia não crescer, o restante do Governo pode funcionar com perfeição que será sempre considerado muito ruim.

Oto Glória, técnico brasileiro que levou a Seleção portuguesa ao terceiro lugar na Copa de 1966 (eliminando o Brasil de Pelé), dizia que “em futebol é fácil passar de bestial a besta”. Em Portugal, “bestial” significa “ótimo”.

A voz de Lula

Antes que comecem a insultar este colunista, quem disse que Médici era popular entre os trabalhadores e venceria uma eleição direta foi Lula. Lula corretamente atribuía a popularidade de Médici ao pleno emprego.

Bons sinais

Há bons sinais no caminho de Bolsonaro: a inflação está baixa, há sinais de confiança do mercado na recuperação da economia, o desemprego é um horror de alto, mas baixou, neste fim de ano, ao nível da época de Dilma.

Maus sinais

E há maus sinais: parlamentares dispostos a aumentar as despesas se forem contrariados, magistrados que nesta época não se preocupam com o déficit público, coordenação política do bloco governista ainda inexistente. O buraco nas contas é grande e já se fala em retomar investimentos (aliás, necessários) em obras de infraestrutura e até mesmo em Angra 3, parada há dezenas de anos. De onde sairá o dinheiro?

 Pergunte ao Posto Ipiranga: só o superministro da Economia, Paulo Guedes, para responder onde buscá-lo.

Educação em (bom) debate

Só feras: um debate promovido pelo MIT, Massachusetts Institute of Technology, uma das principais universidades do mundo, sobre Visões sobre o futuro da Educação no Brasil, com apoio da Fundação Lemann. “O Brasil precisa avançar na Educação para poder escapar da armadilha de renda média”, diz o professor Ben Ross Schneider, do MIT, coordenador do debate e autor de pesquisa com análise comparativa das políticas públicas educacionais e reformas na América Latina, com foco no setor privado e nos sindicatos de professores. O debate, com Schneider, Lucas Rocha, da Fundação Lemann, Ari de Sá Neto (MIT Sloan Alumni do Brasil, CEO da Arco Educação) e Samir Iásbeck, da Qranio, ocorre nesta segunda, 3 de dezembro, das 18h30 às 21h. Inscrições até dia 30 (e detalhes) em https://goo.gl/forms/utE6oU2sXN95J31s2. Gratuito. Vale a pena: todos têm o que dizer e não entram em discussão de bobagem.

 Olha o indulto!

O Supremo deve decidir hoje se o indulto de Natal assinado no ano passado por Temer vale ou não integralmente. Em liminar, o ministro Luís Roberto Barroso suspendera trechos do indulto, para excluir do benefício os presos por crimes de colarinho branco. Hoje, se a decisão de Barroso for derrotada, condenados por corrupção ficarão livres após o cumprimento de 20% das penas, e sem pagar as multas que lhes foram impostas.

Barroso tinha liberado para o perdão de Temer só os condenados por crimes sem violência, com sentença de até oito anos, que já tivessem cumprido um terço da pena, sem liberação das multas e sem colarinho branco. Conforme a decisão do Supremo, Temer poderá conceder um indulto gigante.

Só?

Mais uma denúncia contra o ex-presidente Lula, esta oferecida pela Operação Lava Jato de São Paulo, sob acusação de lavagem de dinheiro em negócio na Guiné Equatorial, África. Segundo a denúncia (que, entre os papeis apresentados, traz e-mail do ex-presidente ao ditador Teodoro Obiang), Lula ajudou a empresa brasileira ARG a ganhar contrato na Guiné Equatorial, e em troca obteve propina de US$ 1 milhão (ou doação legal para o Instituto Lula).

Bem, se houve propina de US$ 1 milhão, quase nada diante dos números que têm circulado, Lula será processado por dumping.

______________________________________________________________

ASSINE NOSSA NEWSLETTER NO SITE CHUMBOGORDO (WWW.CHUMBOGORDO.COM.BR)

___________________________________________________

COMENTE:

carlos@brickmann.com.br
Twitter: @CarlosBrickmann
www.brickmann.com.br

 

1 thought on “Economia, economia. E só. Coluna Carlos Brickmann

  1. Treinadores de futebol podem passar de bestas a bestiais, e vice-versa, em coisa de 90 minutos, e é fácil para a torcida entender se seu trabalho é bom ou ruim. Basta olhar os números no placar. Normalmente, só isso já basta. A partida dos Presidentes da República, no entanto, é bem mais longa (uns 4 anos mais longa) e apenas números não servem para avaliação muito rigorosa – Hitler, só para lembrar um caso extremo, foi ótimo nos números por uns bons anos, e a torcida chegou a aplaudi-lo de pé antes de o time ser rebaixado para a última divisão. Saliente-se outra assimetria importante: os adversários do Presidente são frequentemente subjugados pela arbitragem (do STF, no caso, já que seus jogadores costumam ter certos privilégios), e mesmo os gols contra do time são vendidos pelo assessor de imprensa do equipe à arquibancada furiosa como esquemas táticos de grande sagacidade, urdidos por um sujeito bestial que mais adiante marcará dois gols a favor, virando a partida para o nosso lado. E, mesmo assim, tem gente que ainda quer que a torcida aplauda o gol contra, quando ele acontece! E, se não aplaudem, o tal assessor de imprensa por certo vai dizer que, claro, torcem para o time adversário… De fato, a comparação entre treinador e Presidente é injusta. Treinadores de futebol não se aguentam no cargo por mais do que um mês, se o time anda para trás. Há, para eles, uma espécie de recall infalível, que o poda no talo pouco depois de umas derrotas. Presidentes, porém, têm certos privilégios: tirá-los do cargo exige um processo longuíssimo, meses e meses, durante os quais esses caras podem realizar todos os tipos de estupidez antes de perderem o emprego e culparem os adversários e a torcida junto. Lembram-se de Dilma, a besta? Foi difícil mandá-la embora, e, durante o processo em que a diretoria do clube decidia sua degola, quanto gol contra essa mulher não marcou?
    Enfim, no caso presente, creio que a torcida deve aguardar o início do jogo. É o mais sábio a fazer. Se o capitão do time, recentemente promovido a Presidente, for mesmo bestial, torcida não lhe faltará. Se se confirmar a besta que sempre me pareceu ser, será difícil torná-lo bestial só com boa vontade. Lembrem-se de que as bestas costumam atrapalhar seus jogadores! E terminada a partida, ainda teremos de ver os craques do time pendurando as chuteiras, ou – pior – jogando para o adversário…

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *