Como a cleptocracia russa chegou à América

COMO A CLEPTOCRACIA RUSSA CHEGOU À AMÉRICA

(DEPOIS DA EUROPA)!

E SEU INTERESSE NAS ELEIÇÕES DOS EUA! 

Resultado de imagem para CLEPTOCRACIA RUSSA
O colapso do comunismo nos outros estados pós-soviéticos, juntamente com a virada chinesa em direção ao capitalismo, só aumentaram as fortunas cleptocráticas que foram enviadas ao exterior por segurança e sigilo. Autoridades em todo o mundo sempre saquearam os cofres de seus países e acumularam subornos

[PUBLICADO ORIGINALMENTE NO EX-BLOG DE CESAR MAIA,
EDIÇÃO DE 15 DE FEVEREIRO DE 2019]

(Artigo na revista “THE ATLANTIC”) 

Por dois anos, no início dos anos 90, Richard Palmer serviu como chefe da CIA na embaixada dos Estados Unidos em Moscou. Os acontecimentos que se desenrolavam à sua volta – a dissolução da União Soviética e a ascensão da Rússia – eram tão caóticos, tão traumáticos e estimulantes que, em geral, escapavam à uma análise lúcida. Mas, com toda informação que passava por suas mãos, Palmer adquiriu uma compreensão cristalina da narrativa mais profunda daqueles tempos.

O resto do mundo queria gritar de alegria sobre a trajetória da história e como esta apontava na direção dos mercados livres e da democracia liberal. O relato de Palmer sobre os acontecimentos na Rússia, no entanto, não eram tão alegres. No outono de 1999, ele testemunhou perante um comitê do Congresso para dissuadir os membros do Congresso de seu otimismo e para avisá-los do que estava por vir.

O oficialismo americano, acreditava Palmer, julgara mal a Rússia. Washington depositou sua fé nas elites do novo regime; acreditou em suas palavras quando professaram seus compromissos com o capitalismo democrático. Mas Palmer tinha visto de perto como a crescente interconexão do mundo – e as finanças globais em particular – poderiam ser implantadas para o mal. Durante a Guerra Fria, a KGB havia desenvolvido uma compreensão especializada dos atalhos bancários do Ocidente, e seus chefes tornaram-se adeptos da distribuição de dinheiro a agentes no exterior. Essa proficiência facilitou a acumulação de novas fortunas. Nos últimos dias da URSS, Palmer observara seus antigos adversários na inteligência soviética despejar bilhões do tesouro em contas privadas em toda a Europa e nos EUA. Era um dos maiores assaltos da história.

Washington contou a si mesmo uma história reconfortante que minimizava a importância desse surto de cleptomania: Esses eram criminosos atípicos e aproveitadores desonestos correndo para explorar a fraqueza do novo Estado.

Os Estados Unidos, Palmer deixou claro, permitiram que se tornassem cúmplices dessa pilhagem. Sua avaliação foi implacável. O Ocidente poderia ter recusado esse dinheiro roubado; poderia ter estancado a saída para empresas-fantasma e paraísos fiscais.

Em vez disso, os bancos ocidentais acenaram à pilhagem russa para seus cofres. A raiva de Palmer pretendia provocar um surto de introspecção – e alimentar a ansiedade pelo risco que a crescente cleptocracia representava para o próprio Ocidente. Afinal, os russos teriam um forte interesse em proteger seus ativos realocados. Eles iriam querer proteger essa riqueza de políticos americanos moralizadores que poderiam querer tomá-la. Dezoito anos antes do procurador especial Robert Mueller iniciar sua investigação sobre a interferência estrangeira nas eleições dos EUA, Palmer advertiu o Congresso sobre “doações políticas russas a políticos e partidos políticos dos EUA para obter influência”. O que estava em jogo poderia muito bem ser um contágio sistêmico: valores russos poderiam infectar e enfraquecer os sistemas de defesa moral da política e dos negócios americanos.

O colapso do comunismo nos outros estados pós-soviéticos, juntamente com a virada chinesa em direção ao capitalismo, só aumentaram as fortunas cleptocráticas que foram enviadas ao exterior por segurança e sigilo. Autoridades em todo o mundo sempre saquearam os cofres de seus países e acumularam subornos. Mas a globalização dos bancos fez com que a exportação de seu dinheiro ilícito fosse muito mais conveniente do que antes – o que, é claro, inspirou mais roubos. Segundo uma estimativa, mais de US $ 1 trilhão, agora, sai dos países em desenvolvimento a cada ano sob a forma de dinheiro lavado e impostos evadidos.

Como no caso russo, grande parte dessa riqueza saqueada chega aos Estados Unidos. Nova York, Los Angeles e Miami se juntaram a Londres como os destinos mais desejados do mundo para lavagem de dinheiro. Esse boom enriqueceu as elites americanas que o permitiram – e isso degradou os costumes políticos e sociais do país no processo. Enquanto todos os outros estavam anunciando um mundo globalista emergente que assumiria os melhores valores da América, Palmer vislumbrou o terrível risco do oposto: que os valores dos cleptocratas se tornariam próprios da América. Essa visão sombria está se tornando realidade.

O contágio se espalhou rapidamente, até de forma estável, em um país assombrado desde a sua fundação pelos perigos da corrupção. Nos meses seguintes ao testemunho de Palmer, o zeitgeist apontou na direção que ele pedia, pelo menos momentaneamente.

Nos dias após o colapso das Torres Gêmeas, o governo de George W. Bush vasculhou furiosamente Washington por ideias para serem colocadas no documento de 342 páginas que se tornaria o Ato Patriota. Se um banco se deparasse com dinheiro suspeito transferido do exterior, agora seria necessário relatar a transferência para o governo. Um banco poderia enfrentar acusações criminais por falhar em estabelecer salvaguardas suficientes contra o fluxo de dinheiro corrupto.

Muito do que Palmer insistiu virou, de repente, lei. Mas aninhado no Ato Patriota estava a obra de lobistas de outra indústria. Todos os distritos do Congresso no país têm propriedades imobiliárias, e os lobistas da área pediram isenção do monitoramento do Ato Patriota sobre transações internacionais duvidosas. E persuadiram o Congresso a conceder à indústria uma isenção temporária de ter que seguir a nova lei.

A isenção era uma brecha – e uma extraordinária oportunidade de crescimento para o mercado imobiliário de luxo. Apesar de toda a nova meticulosidade do sistema financeiro, estrangeiros ainda podiam comprar apartamentos de cobertura ou mansões anonimamente e com facilidade, escondendo-se atrás de empresas-fantasmas instaladas em estados como Delaware e Nevada. Grande parte do dinheiro que chegaram aos bancos antes do Ato Patriota se tornar lei agora era usado para comprar propriedades.

Com o tempo, a diferença entre as nobres intenções do Ato Patriota e a realidade suja do mercado imobiliário tornou-se ampla demais para ser ignorada. Em 2016, a administração de Barack Obama testou um programa para alinhar a indústria imobiliária com os bancos, obrigando os corretores a informar os compradores estrangeiros também. Mas então a presidência americana se revirou e um senhorio chegou ao poder. O sucessor de Obama gosta de vender condomínios para compradores estrangeiros anônimos – e pode ter se tornado dependente de seu dinheiro.

Em 2017, a Reuters examinou a venda das propriedades da Trump Organization na Flórida. Constatou-se que 77 das 2.044 unidades dos empreendimentos eram de propriedade de russos. Mas este é provavelmente um retrato incompleto. Mais de um terço das unidades foram vendidas para veículos corporativos, o que pode facilmente ocultar a identidade do verdadeiro proprietário.

O comportamento da elite americana também mudou com o tempo. Os membros das classes profissionais passaram competir para vender seus serviços aos cleptocratas. No curso dessa competição, eles atropelaram velhas proibições éticas, e a pressão aumentou para testar os limites da lei. Uma profissão como o Direito desenvolveu códigos éticos altamente desenvolvidos, mas esses códigos parecem ter recuado nos últimos anos. Mesmo as empresas de maior prestígio ficam preocupadas com a sobrevivência de seu modelo de negócios caro, que foi profundamente abalado pela crise financeira de 2008 e pelo corte de custos corporativo que se seguiu. Os impulsos gananciosos certamente sempre existiram no mundo dos “sapatos brancos”, mas o sentido da luta darwiniana e as normas de uma elite global corroeram os limites.

O conluio americano com a cleptocracia tem um custo terrível para o resto do mundo. Todo o dinheiro roubado, todos os impostos evadidos afundados em coberturas do Central Park e companhias de fachada de Nevada, poderiam de outra forma financiar a saúde e a infraestrutura. A roubalheira atropela as possibilidades de mercados viáveis e a democracia crível. Isso alimenta as suspeitas de que toda a ideia do capitalismo liberal é uma farsa hipócrita: enquanto o mundo é saqueado, os americanos hipócritas enriquecem com sua cumplicidade com os vigaristas.

Os Fundadores estavam preocupados que a venalidade se tornasse um procedimento padrão, e isso aconteceu. Muito antes de as suspeitas se acumularem sobre as lealdades de Donald Trump, grandes setores da elite americana – advogados, lobistas, corretores de imóveis, políticos em capitais estaduais que permitiram a criação de empresas-fantasmas – já haviam se provado servidores confiáveis de uma voraz plutocracia global. Richard Palmer estava certo: as elites saqueadoras da ex-União Soviética estavam longe de serem aproveitadoras desonestas. Elas auguraram um hábito cleptocrata que logo se tornaria generalizado. Uma amarga verdade sobre o escândalo da Rússia é que enquanto Vladimir Putin tentava influenciar a América, esta já se encontrava apontada na direção dele.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Assine a nossa newsletter