Carlos Alberto Torres 1944-2016. Coluna Mário Marinho – Extra

Carlos Alberto Torres 1944-2016

Morre o Capitão do Tri

 COLUNA MÁRIO MARINHO

Um craque na lateral direita, um líder dentro de campo, um gentleman fora dele.

Esse é o Carlos Alberto Torres que maravilhou quem o viu jogar e quem teve contato com ele.

Pouco depois que cheguei ao Jornal da Tarde, em 1968, vindo de Belo Horizonte, fui escalado para cobrir o Santos.

Quase que diariamente saia de São Paulo pela manhã e passava o dia em Santos. Era fácil fazer a cobertura do Santos, um time que nunca tinha crises. Além disso, com jogadores estrelas, porém, de fácil comunicação.

Dentre eles, naquela época, dois eram minhas fontes de informação: Carlos Alberto e o lateral esquerdo Rildo, que até pouco tempo morava nos Estados Unidos.

No céu de tantas estrelas – onde brilhava intensamente a maior delas, Pelé – Carlos Alberto era um líder incontestável.

Eram dois os líderes em campo: Zito, capitão, e Carlos Alberto.

Os dois, muito fortes na liderança, nunca brigaram ou tentaram se impor um ao outro.

Acompanhei muitos jogos do Santos e, portanto, do Carlos Alberto.

Não tenho a menor dúvida em apontá-lo como o melhor lateral direito que vi jogar na minha caminhada por esta longa estrada da vida e do futebol.

Abaixo, o perfil do grande Capitão que, após a Copa de 1970, passou a ser chamado, respeitosamente, da Capita.

Escrevi o perfil abaixo para o livro “Heróis do Brasil”, ainda inédito. O livro traz  perfil de todos os jogadores que defenderam o Brasil Copa do Mundo. Os números correspondem exatamente ao desempenho do jogador na Seleção Brasileira.


Carlos Alberto – Carlos Alberto Torres

(*Rio de Janeiro-RJ, 17/07/1944 + Rio de Janeiro, 25/10/2016)

            Posição – Lateral-direito

            Jogos – 69 (54 vitórias, 6 empates, 9 derrotas, 9 gols)

            Copas disputadas –  1970

            Títulos pela Seleção  – Medalha de ouro nos Jogos Pan-Americanos (1963); Copa Rio Branco (1968); Copa Oswaldo Cruz (1968); Copa do Mundo (1970).

            Clubes em que jogou: Fluminense-RJ, 1963-1964 e 1976; Santos-SP, 1965 a 1970 e 1971 a 1975; Botafogo-RJ, 1971; Flamengo-RJ, 1977; New York Cosmos-EUA, 1977 a 1980 e 1982; Newport Beach-EUA, 1981.

            Carlos Alberto foi o melhor lateral-direito que eu vi jogar. Revelado nas categorias de base do Fluminense, transferiu-se para o grande time do Santos em 1965. Participou da fase de treinos da Copa de 1966, mas foi cortado. Durante 10 anos (com interrupção de um ano em que defendeu o Botafogo), foi o grande líder do Santos. Também na Seleção Brasileira foi o capitão e líder do grupo dentro e fora de campo.

            No jogo contra a Inglaterra, na Copa de 70, o atacante inglês Lee deu duas entradas violentas no goleiro Félix. Inconformado, o Capitão chamou Pelé e disse:

– Alguém precisa acertar esse cara. Ele não pode continuar assim.

Pelé respondeu:

– Eu não posso fazer isso. Sou muito visado e vou ser expulso.

Carlos Alberto concordou. Na primeira bola que Lee recebeu, na linha da  intermediária, Carlos Alberto deixou a sua posição e foi até lá para acertar violento pontapé no abusado inglês, que, receoso, não voltou mais à área brasileira.

            Em outra ocasião, fato que me foi contado por ele mesmo, o Santos foi enfrentar o Palmeiras, no Pacaembu lotado, jogo de estreia do ponta-esquerda Nei, recém-contratado da Ferroviária, que chegava precedido da fama de driblador.

            É Carlos Alberto quem conta, bem-humorado:

Na primeira bola que o Nei pegou, o Pacaembu quase veio abaixo. E ele veio pra cima de mim. Parei na frente dele e abri um pouco as pernas. Ele fez o que eu esperava: tocou no meio das minhas pernas. Como eu já esperava, dei a volta, peguei a bola e, de quebra, meti no meio das pernas dele e saí jogando. Ainda encostei nele e avisei: “Se você vier pra cima de mim outra vez, vai levar outra debaixo das pernas”. Coitado do Nei: ele abaixou a cabeça e sumiu em campo.

Carlos Alberto era dos poucos laterais capazes de virar o jogo de um lado para o outro do campo com precisão. Defendia com muita classe e atacava com perfeição, como fez ao marcar o quarto gol do Brasil contra a Itália no final desta Copa de 70.

Ao todo, em sua carreira, marcou 40 gols, número marcante para um lateral e que muitos atacantes não alcançaram.

O mais famoso de todos, sem dúvida, foi este contra a Itália, na vitória por 4 a 1, que deu o tricampeonato mundial ao Brasil.

__________________________________________

FOTO SOFIA MARINHO

Mario Marinho É jornalista. Especializado em jornalismo esportivo foi durante muitos anos Editor de Esportes do Jornal da Tarde. Entre outros locais, Marinho trabalhou também no Estadão, em revistas da Editora Abril, nas rádios e TVs Gazeta e Record, na TV Bandeirantes, na TV Cultura, nas rádios 9 de Julho, Atual e Capital. Foi duas vezes presidente da Aceesp (Associação dos Cronistas Esportivos do Estado de São Paulo). Também é escritor. Tem publicados Velórios Inusitados e O Padre e a Partilha, além de participação em livros do setor esportivo

(DUAS VEZES POR SEMANA E SEMPRE QUE TIVER MAIS NOVIDADE OU COISA BOA DE COMENTAR)

1 thought on “Carlos Alberto Torres 1944-2016. Coluna Mário Marinho – Extra

  1. MMarinho. Fazemos parte de uma geração repleta de privilégios. Entre esses, a fantástica geração de esportistas que nos empolgou vestindo o nosso uniforme e encantando o mundo. Essa geração revolucionou o futebol mundial e nós ( entre esses nós, eu e você ) assistimos o espetáculo que a TV começava a transmitir diretamente. Mais tarde, um respaldo ainda pode ser colhido. E acabou. Os artistas estão nos deixando, um por um. Agora o foi a vez do capitão Carlos Alberto. Nos deixam lembranças inesquecíveis de dedicação, brasilidade e de muita união.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *