campeonato de baixaria

Campeonato de baixaria. Por José Horta Manzano

Selva”, responde ironicamente Bolsonaro a Fernandéz em foto com indígenas |
“resposta Bolsonaro” ao presidente da Argentina – Twitter

 

12 agosto 2019

Antes das eleições presidenciais pra valer, o sistema eleitoral argentino prevê a realização de prévias. Com 48% dos votos, Señor Fernández (esquerda) botou pra correr Señor Macri (direita), que só obteve 32%.

Bolsonaro, que já era presidente, se encontrava no Rio Grande do Sul. Soltou uma fala raivosa em que mandava os gaúchos se prepararem para um afluxo de refugiados vindos da Argentina, caso a “esquerdalha” ganhasse a Presidência naquele país. Em referência aos refugiados venezuelanos, acrescentou que o Rio Grande ia se transformar “num novo estado de Roraima”.

13 agosto 2019

No dia seguinte, Señor Fernández, ainda candidato, declarou que, com o Brasil, teria uma relação esplêndida, e que Bolsonaro não passava de “uma conjuntura” na vida do país. Classificou o capitão como “racista, misógino e violento”.

21 agosto 2019

Bolsonaro resolveu dar mais uma martelada no prego. Tuitou: “Com o possível retorno da turma do Foro de São Paulo na Argentina, agora o povo saca, em massa, seu dinheiro dos bancos. É a Argentina, cada vez mais próxima da Venezuela”.

Nosso extravagante chanceler de então, aquele barbudinho bobão, seguiu o caminho do chefe e criticou, por antecipação, o futuro governo Fernández.

1° novembro 2019

Dois dias depois da vitória de Fernández, que derrotou o candidato favorito de Bolsonaro, nosso capitão deixou claro que não compareceria à tomada de posse do novo presidente do país hermano. Com sublime elegância, acrescentou que a Argentina havia “escolhido mal” e que ele não ia dar parabéns ao vencedor. Assim mesmo, num repente de condescendência, prometeu não fazer “retaliação”(?) à Argentina.

 30 novembro 2020

Neste dia teve lugar a primeira Cúpula do Mercosul à qual os dois presidentes compareceram. Conciliador, Fernández pediu a Bolsonaro que deixasse de lado as rusgas entre os dois e que ajudasse a dar um impulso ao mercado comum. Não consta que o capitão tenha dito sim ou não.

10 junho 2021

Em discurso pronunciado diante de Señor Sánchez (primeiro-ministro espanhol em visita a Buenos Aires), Fernández ousou a seguinte frase: Los mexicanos salieron de los indios, los brasileños salieron de la selva, pero nosotros, los argentinos, llegamos en los barcos, de Europa” (Os mexicanos vêm dos índios, os brasileiros vêm da selva, mas nós, os argentinos, chegamos nos barcos, da Europa).

 Em suma, o presunçoso mandatário nos tratou de selvagens. Pegou mal pra caramba. Não consta, até agora, nenhuma reação do capitão, que viu seu povo inteiro tratado de bugre.

Resumo

Nesse campeonato de baixaria várias perguntas flutuam no ar.

Quem é…

… o mais agressivo dos dois presidentes?

… o mais insensível?

… o mais inconsequente?

… o mais presunçoso?

… o mais anti-diplomático?

… o mais despreocupado com o futuro do próprio povo?

… o mais malcriado?

… o mais elefante em loja de porcelana?

… o mais desagradável?

… o mais imbecil?

… o mais perigoso?

O páreo é duro. Cartas para a redação, por favor.

____________________________________________________________

JOSÉ HORTA MANZANO – Escritor, analista e cronista. Mantém o blog Brasil de Longe. Analisa as coisas de nosso país em diversos ângulos,  dependendo da inspiração do momento; pode tratar de política, línguas, história, música, geografia, atualidade e notícias do dia a dia. Colabora no caderno Opinião, do Correio Braziliense. Vive na Suíça, e há 45 anos mora no continente europeu. A comparação entre os fatos de lá e os daqui é uma de suas especialidades.

___________________________________________________________________________

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Assine a nossa newsletter