mentiras

Falta combinar as mentiras. Coluna Carlos Brickmann


EDIÇÃO DOS JORNAIS DE DOMINGO, 27 DE JUNHO DE 2021

* O Ministério da Saúde comunicou ao Congresso, em documento oficial, a compra de 20 milhões de doses de Covaxin. O ministro da Saúde garantiu que o Ministério não comprou Covaxin. Um dos dois está mentindo. Pior: o ministro Queiroga, bolsonarescamente, foi grosseiro ao responder. Disse que estava falando em português. Mais ou menos: as vacinas de fato não vieram nem foram pagas. Mas isso porque um funcionário, duramente pressionado, tem um irmão deputado. E deputado bolsonarista, daqueles que acreditavam que o presidente não admitiria a compra de doses superfaturadas em 1.000%.

* Ao lado das mentiras, o besteirol. O ministro Onyx Lorenzoni, fazendo cara de bravo, disse que o presidente determinou que a Polícia Federal faça investigações sobre os denunciantes – não sobre o caso, mas apenas sobre os denunciantes. Como já se investiga o assunto, trata-se, creio, de coação no curso do processo. E que história é essa de “o presidente determinou”? A Polícia Federal deixou de ser um órgão de Estado e passou a ser a polícia do Governo? Peguem o Google: Moro acusou Bolsonaro de ter esse objetivo, e Bolsonaro desmentiu. Agora, Onyx confirmou o que Bolsonaro desmentiu.

* Quem centralizou a compra de vacinas antes que fossem contratadas pelo Ministério da Saúde foi um coronel, Elcio Franco, segundo homem do ministro Pazuello. O Ministério da Saúde é bonzinho: não se abalou com os mil por cento de superfaturamento.

Se não é a denúncia, emplaca a compra.

Informação (ou não)

De acordo com o documento enviado ao Congresso, a pedido do deputado Gustavo Fruet, esta é a quantidade e a marca das doses já contratadas:

Astrazeneca / encomenda tecnológica – 100,4 milhões

Astrazeneca / importação TED Fiocruz – 12 milhões

Covax Facility – 42.511.800

CoronaVac – 100 milhões

Sputnik V / União Química – 10 milhões

Covaxin / Bharat Biotech – 20 milhões

Pfizer – 100.001.070

Janssen – 38 milhões

A vacina mais cara é a produzida pela Índia. Custa 50% mais que Pfizer ou CoronaVac. E ainda não está homologada pela Anvisa.

É cedo

Note: o presidente Bolsonaro está especialmente mais agressivo. Insulta as repórteres – o que é simples: está sempre rodeado por segurança armada, o que certamente o deixa mais corajoso. Na sexta e no sábado, fez com que crianças arrancassem as máscaras, sem qualquer motivo. De um bebê, que a mãe desavisada pôs em seu colo, puxou a máscara, deixando-a à mercê de seus perdigotos – e do hálito, mas aí provavelmente não há problema: esse bafo liquida qualquer coronavírus, qualquer bactéria, qualquer protozoário.

Os motivos da raiva

 Assistir ao desmonte de uma operação como a indiana é triste. Pior é ver que, como no caso de Roberto Jefferson, foi um aliado que botou tudo no chão. Ah, a maldita mania de não cumprir as promessas, achando que tudo acaba passando! E passa: o pessoal do Mensalão foi passado a ferro. O caro leitor nunca tinha ouvido falar nesse parlamentar? Pois é: o Waldomiro, no caso Mensalão, era desconhecido e de baixo escalão. Roberto Jefferson o chamava de “petequeiro”. Violaram, com Luiz Miranda, a regra básica dos políticos: “na minha ninguém põe”.

Na do maninho também não.

E agora, Jair?

A coisa é tão complicada que o Gabinete do Ódio passou imediatamente a investir contra Luiz Miranda. Imaginemos que tudo o que disseram dele seja verdade. E daí? Se é pilantra, que seja denunciado e julgado. Mas, sendo ou não pilantra, o que se discute é se os documentos que apresenta são ou não verdadeiros. Velhos tempos: há muitos anos, levantando um escândalo de corrupção para o Jornal da Tarde, levei a matéria pronta ao diretor do JT, Ruy Mesquita. Ele leu e comentou: “Puxa, você entrevistou só bandidos”. Expliquei: são as fontes disponíveis. Se o sr. me mandasse escrever sobre religião, eu ouviria D. Paulo, Madre Teresa de Calcutá, o padre Julio Lancelotti. Boi preto conhece boi preto. Quem dá informação sobre bandidos são os bandidos que convivem com eles”.

A reportagem foi aprovada.

Demora, mas…

Falta mais de um ano para as eleições de 2022. A pesquisa Ipec (um novo instituto, formado por antigos funcionários do Ibope, que faz sua primeira pesquisa sobre 2022) levanta que Lula ganha no primeiro turno, com 49%. É mais que Bolsonaro (23%), Ciro Gomes (7%), João Doria (5% – empatados tecnicamente), Mandetta (3% – tecnicamente empatado com Doria). Brancos e nulos, 10%. Não sabem ou não respondem, 3%. Bolsonaro tem tempo de reagir. Mas essa vantagem de Lula sobre ele deve irritá-lo profundamente.

________________________________________________
CURTA E ACOMPANHE NOSSA PÁGINA NO FACEBOOK
______________________________________________________________
ASSINE NOSSA NEWSLETTER NO SITE CHUMBOGORDO (www.chumbogordo.com.br)
___________________________________________________
COMENTE:
carlos@brickmann.com.br
Twitter:@CarlosBrickmann
www.brickmann.com.br
—————————————————————————————

7 thoughts on “Falta combinar as mentiras. Coluna Carlos Brickmann

    1. Da minha parte, mil e quinhentas vezes NENHUM dos dois… (meu olfato é sensível a criminosos, qual seja o crime!)

    2. Vamos esclarecer uma coisa. Não se trata de protozoário comunista, Ok! Mesmo protozoários neoliberais, adeptos da livre-iniciativa – protozoários de mercado, digamos -, são melhores que o capitão. Aliás, vírus, flagelados, vibriões, bacilos, celenterados, platelmintos, vermes, bactérias, etc., também.

  1. Ok! Compreendi. Já imaginava. Tudo nasce de uma frase de nosso colunista preferido: “(…) esse bafo liquida qualquer coronavírus, qualquer bactéria, qualquer protozoário”. Em todo caso, não será mais descabido, daqui pra frente, entender que Lula é um protozoário larápio, e o capitão, um platelminto fascista. Espero que o(a) Sr(a). não esteja em desacordo.

    1. Pra não haver quaisquer resquícios de algum possível desacordo, prefiro não considerá-los (e a quase todos os políticos brasileiros) vermes nem vírus e sim espécimes humanas da mais baixa qualidade.
      Abraço!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Assine a nossa newsletter