vírus

Vírus imundo. Por Raimundo Ribeiro

VÍRUS IMUNDO

RAIMUNDO RIBEIRO

… sugere-se que deixemos de brigar com fatos, adotemos as poucas medidas que já sabemos que ajudam e canalizemos nossas energias para causas mais nobres que ficar envolvidos em debates estéreis…

8 pandemias pelas quais a humanidade passou: veja como foi e o que ...

Desde fevereiro que somos bombardeados com informações acerca desse vírus maldito e assassino.

No início era um vírus asiático confinado na China, logo virou uma epidemia para rapidamente se transformar numa pandemia arrebentando fronteiras e invadindo todos os países.

No Brasil, país diferente de tudo que existe no mundo, decorridos mais de 150 dias ainda discutimos se é gripe ou não; se mata ou não; se é transmitido por toque das mãos ou não; se devemos ficar em distanciamento social ou não; se devemos usar máscaras ou não, se a economia parada mata ou não e mais inúmeros questionamentos. Ao invés de ficar só na discussão (muitas vezes estéril) creio ser mais útil trabalhar com fatos, e os fatos apurados até agora são os seguintes:

  1. Distanciamento social: ficar em casa não vai curar nem emprestar imunidade a ninguém. É apenas uma medida necessária para que diminua o risco das pessoas serem contaminadas e por isso precisarem de tratamento médico-hospitalar que não existe para todos. Ficar em casa, significa “adiar” uma possível contaminação e permitir que os governos “ganhem tempo” para preparar o sistema de saúde para o atendimento dos que necessitarem, isto é a contaminação, se tiver que acontecer, que seja escalonada, não podendo ser em massa, pois se acontecer em massa, não haverá atendimento para todos e muitos morrerão, não pelo vírus , mas por falta de atendimento médico-hospitalar; portanto, fique casa, e só saia se extremamente necessário e com os cuidados devidos (lavar as mãos com sabão ou álcool gel e máscara);
  2. Lavar as mãos: um dos meios de transmissão do vírus é o contato pelas mãos, por isso se recomenda que se lave sempre as mãos com sabão ou com álcool gel, preferencialmente sabão; isso evitará que você se contamine ou contamine alguém que esteja próximo, pois o vírus é um imundo que detesta sabão;
  3. Usar máscara: o uso da máscara é fundamental pois o principal meio de transmissão se dá pela via respiratória. Claro que é incômodo mas se você tem uma preocupação mínima com você e com quem você convive, use a máscara, SEMPRE que estiver falando com qualquer outra pessoa. E não esqueça de manter uma distância de pelo menos 1,5 metro da pessoa. Se não faz para se preservar, faça pelo menos pelas pessoas com quem convive;

Portanto, ficar em casa, lavar as mãos com sabão e usar máscara são remédios que ajudam a ganhar tempo para atendimento, diminuem os riscos de transmissão e nos oferecem a oportunidade de demonstrar nossa solidariedade não expondo as pessoas ao risco da contaminação.

Tirando toda a confusão decorrente do excesso de informações (muitas inverídicas, outras especulativas e algumas verdadeiras), o que é fato, até agora é isso.

Enfim, sugere-se que deixemos de brigar com fatos, adotemos as poucas medidas que já sabemos que ajudam e canalizemos nossas energias para causas mais nobres que ficar envolvidos em debates estéreis.

Segundo números (controversos) em tempos normais com assistência médica imediata, o grau de letalidade é considerado baixo ( 2%), já atingimos 2/3 de pessoas recuperadas, mas infelizmente mais de 50 mil brasileiros já morreram.

Lembremos que o erro, mais cedo ou mais tarde, cobra seu preço e nesse caso, o valor é muito alto e impagável pois pode ser uma vida.

Então, fique em casa(se puder), sabão no inimigo e máscara.

Raimundo Ribeiro 

Cidadão que apesar da desinformação teima em ficar vivo e tenta estimular que todos fiquem

_________________________________________________________________

Raimundo Ribeiro (@RaimundoRibeiro) | TwitterRaimundo Ribeiroé advogado da União aposentado, foi secretário de Justiça, Direitos Humanos e Cidadania do DF e deputado distrital por dois mandatos

raimundoribeiro.rr@gmail.com

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Assine a nossa newsletter