CHINA

A China perdeu a face. Por José Horta Manzano

 A CHINA PERDEU A FACE

JOSÉ HORTA MANZANO

Os chineses são especialmente ciosos da própria imagem quando se trata de relações internacionais. É terreno minado. Como toda nação antiga e de passado glorioso, os chineses sentem aquela nostalgia do brilho perdido, o que os torna deveras susceptíveis…

Artigo publicado no Correio Braziliense e no blog do autor

O povo chinês é extremamente sensível, dono de uma sensibilidade que foge a nossos padrões. A deles é mais rigorosa, formal, à flor da pele, apegada a valores milenares. O peso do coletivo esmaga arroubos individuais. Espera-se que todos se comportem como manda o figurino. No Brasil, somos mais indulgentes; não está em nossa índole levar tudo a ferro e fogo. Situações que consideramos triviais podem chocar os chineses. Quem se relaciona com eles – se quiser ser bem sucedido – deve tomar cuidado para não se indispor com o interlocutor. Deve ter em mente que até atitudes que nos parecem anódinas podem melindrar e bloquear o que estava sendo tratado.

Em qualquer parte do mundo, “perder a face” é visto como situação desagradável. Na China, é mais grave. Por um lado, não precisa muito para uma pessoa “perder a face”; por outro, é uma das ofensas mais profundas que se possa infligir a alguém. De todas as peculiaridades da alma chinesa, talvez seja o conceito de “face” o mais difícil de assimilar. Faz séculos que tradutores pelejam para encontrar o melhor termo para traduzi-lo. É mais ou menos o que ocorre com a palavra ‘saudade’. Assim mesmo, nossa saudade, que é sentimento humano e universal, pode ser traduzida com um rodeio de duas ou três palavras. Já o conceito chinês de “face”, para ser plenamente percebido, requer um mergulho na civilização daquele país.

Se a tradução exata é difícil de encontrar, os conceitos de orgulho, brio, dignidade e prestígio se aproximam e dão uma pista. O culto da “face” regula os relacionamentos sociais na China. O simples fato de interromper alguém que fala é considerado comportamento ofensivo, porque faz o interlocutor “perder a face”. Aquele que falava vai se sentir desprestigiado. Consertar o estrago não será tarefa simples. O único modo é “dar-lhe face”, conceito complementar ao anterior. Para devolver a face ao cidadão ofendido, pedido de desculpas não vale. As palavras-chave para reaver dignidade arranhada são: elogio, prestígio, admiração, deferência. Há que lisonjear, incensar, acariciar, paparicar.

Na China, espera-se que cada cidadão respeite o próximo como respeita a si mesmo. Um exemplo emblemático é quando duas pessoas travam conhecimento. Cada um vai entregar seu cartão de visitas ao outro segurando-o com as duas mãos. E, naturalmente, toma com as duas mãos o que lhe está sendo oferecido. Esse gesto de deferência significa que o respeito que se tem pelo próximo é igual ao que se tem por si mesmo.

CHINA

Os chineses são especialmente ciosos da própria imagem quando se trata de relações internacionais. É terreno minado. Como toda nação antiga e de passado glorioso, os chineses sentem aquela nostalgia do brilho perdido, o que os torna deveras susceptíveis. Em 1999, quando de sua visita oficial à Suíça, Jiang Zemin, presidente da China, foi alvo de protestos populares. Não houve agressão física, apenas a presença de manifestantes com faixas que pediam a independência do Tibete – país anexado pela China em 1951. Furioso, o dirigente recusou-se a cumprir o resto do programa. Em rápido e inflamado discurso de despedida, declarou que aquilo não eram modos de receber um visitante, e que a Suíça havia perdido um bom amigo. As relações entre os dois países ficaram abaladas por uma década.

Imagine agora o distinto leitor como devem estar sendo recebidas, na China, as agressões proferidas por ministros e deputados nossos, compartilhadas pelos mais altos escalões sem que o presidente da República digne de reprovar. É a China inteira “perdendo a face”! A humilhação, como se sabe, é a melhor maneira de fazer inimigos duráveis. Quem faz um chinês “perder a face” arruma um inimigo vitalício.

Bolsonaro (ou quem lhe suceder) terá de tentar “devolver a face” à China para abrandar os efeitos da ofensa. Um “desculpa aí, pô!” não vai bastar. Há de ser tarefa longa e paciente. Um bom começo será convidar o presidente chinês para visita de Estado, com direito a recepção de arromba, todas as honras, desfile do 7 de Setembro ou camarote num sambódromo, giro turístico pelo Brasil, hospedagem em palácios de prestígio, banquetes de 15 pratos. Na hora da sobremesa, é bom lembrar que chinês não aprecia pratos de gosto açucarado demais. Convém evitar o leite condensado.

_____________________________________________________________

JOSÉ HORTA MANZANO – Escritor, analista e cronista. Mantém o blog Brasil de Longe. Analisa as coisas de nosso país em diversos ângulos,  dependendo da inspiração do momento; pode tratar de política, línguas, história, música, geografia, atualidade e notícias do dia a dia. Colabora no caderno Opinião, do Correio Braziliense. Vive na Suíça, e há 45 anos mora no continente europeu. A comparação entre os fatos de lá e os daqui é uma de suas especialidades.

___________________________________________________________________________

1 thought on “A China perdeu a face. Por José Horta Manzano

  1. Prazado Sr.
    Fiquei muito satisfeito com vosso texto.
    Lucido , claro e conciso.
    Conheço uma boa parte deste planeta mas nunca me interessei pelo lado oriental por, de forma preconceituosa, reconheço, acha-lo cruel devido a desvalorização do individual em detrimento do coletivo, bem como os rigidos costumes familiares, além da desvalorização da mulher.
    O conceito de perder a face foi surpreendente por caber a perfeição na ofensa e consequências que uma brincadeira infantil de nosso desgoverno causou.
    Sim, respeito é fundamental e precisa ser levado em alta conta, sempre.
    Atenciosamente
    C.G.H.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Assine a nossa newsletter