O que temos para hoje. Por Angelo Castelo Branco

O QUE TEMOS PARA HOJE

ANGELO CASTELO BRANCO

O fenômeno Bolsonaro saiu literalmente dos ombros cansados da nação. Os ombros foram os meios de transporte usados pelo candidato em todos os lugares onde chegava em sua campanha presidencial. Um tipo de transporte pouco seguro porque exige força física do transportador e equilíbrio do transportado…

Longe deste eterno aprendiz de repórter a pretensão de emitir valores definitivos ou irretocáveis a respeito de questões políticas ou sobre pessoas, animais e coisas.

As ideias que me afloram transitam tendo como referências o privilégio das lições dos mestres e de amigas cabeças mais densas e mais sábias.

Percorro esse túnel com alguma frequência ou sempre que suponho existir uma luz em seu final. Nesse momento penso que o Brasil não conhece ou não aceita muito bem o Brasil. Estão tratando o presidente Bolsonaro e a família dele como se fossem extraterrestres.

Dá a impressão que os críticos do eleito da vez nunca tiveram a oportunidade de frequentar e ouvir o que diz o Brasil nas paradas de ônibus, nas estações de metrô, nos botecos da periferia, nas peladas de futebol, nas padarias e nos açougues. Bolsonaro não é Lula. Nem é FHC. Nem Sarney, nem Collor e nem Itamar.

Lula é um cara inteligente que soube costurar o apoio da intelectualidade brasileira e europeia dos anos 70 para chegar ao poder posando de metalúrgico que “nunca leu um livro”. A linguagem de Lula e as metáforas por ele usadas em recados eleitorais tinham o endereço certo para uma nação de maioria pobre, carente e analfabeta em grande escala. É lá que estão os votos.

A intelectualidade se incorporou a esse projeto e até aprovou os erros, certamente propositais, de concordância gramatical com que Lula agredia o vernáculo mas agradava à massa abandonada pela utópica tese da escola pública eficiente. Escritores, artistas, poetas e seresteiros aderiram ao novo momento indiscutivelmente necessário ao amadurecimento de uma democracia até hoje inédita sob certos aspectos no Brasil.

Imagem relacionada… Bolsonaro é a periferia suburbana que chega ao poder sem as bênçãos da elite intelectual e sem o aceno dos jardins paulistanos. Tanto quanto o cara despretensioso que espera um ônibus mastigando chicletes num terminal de integração, Bolsonaro jamais passará pela calçada da academia brasileira de letras.

E, no melhor estilo de uma elite que o apoia e que o transformou numa ideia, o companheiro presidente não fez por menos. Deixou marcas importantes mas legou uma nação esmagada pelas consequências do improviso populista, de imprevidências, maus feitos e equívocos estarrecedores.

O lulismo é uma lição absolutamente importante e necessária para o despertar do juízo crítico do povo brasileiro. O processo histórico é assim mesmo. Há partos naturais e rápidos e há partos que demoram e exigem dolorosos fórceps para salvar a mãe e o feto. O plano Real é, até agora, um sintoma muito positivo para a nação atrasada em relação aos irmãos ricos, bonitos e da mesma idade que nasceram no hemisfério norte das Américas.

O fenômeno Bolsonaro saiu literalmente dos ombros cansados da nação. Os ombros foram os meios de transporte usados pelo candidato em todos os lugares onde chegava em sua campanha presidencial. Um tipo de transporte pouco seguro porque exige força física do transportador e equilíbrio do transportado. E foi em pleno uso desse inusitado modal de transporte que Bolsonaro provou o gosto amargo da insegurança pública, esfaqueado sem que o transportador nada pudesse fazer pelo seu passageiro. Deu no que deu. Ganhou a eleição.

Bolsonaro é a periferia suburbana que chega ao poder sem as bênçãos da elite intelectual e sem o aceno dos jardins paulistanos. Tanto quanto o cara despretensioso que espera um ônibus mastigando chicletes num terminal de integração, Bolsonaro jamais passará pela calçada da academia brasileira de letras.

Ele recebe o vice presidente americano para um café da manhã tendo como “pièce de resistance” uns iogurtes danone, um litro de fanta laranja, uma garrafa térmica e uns salgadinhos da padaria mais próxima. O PT de Lula certamente faria algo mais refinado, “comme il faut” como dizem os franceses. Longe de sofisticações do estado, é a cultura da caserna e da ordem unida que povoa a cabeça do presidente.

Ele fez do combate à corrupção e aos gastos supérfluos a sua principal mensagem. Porém, ninguém espere um gesto refinado do presidente. Ele é a cara do brasileiro comum que anda de ônibus e molha os pés nas ruas encharcadas sem drenagem e com galerias entupidas. Cometerá erros e provavelmente acertos. Não fugirá do figurino constitucional porque o Brasil do fórceps aprendeu lições e descobriu o caminho das ruas quando se faz necessária a defesa da democracia e da república.

_______________________________________________________

Resultado de imagem para Angelo Castelo Branco, jornalistaAngelo Castelo Branco –  Jornalista. Recifense,  advogado formado pela Universidade Católica de Pernambuco. Com passagens pelo Jornal do Commercio, Jornal do Brasil, Diário de Pernambuco, Folha de S. Paulo e Gazeta Mercantil, como editor, repórter e colunista de Política.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Assine a nossa newsletter