Pandemídia. Por Meraldo Zisman

PANDEMÍDIA

MERALDO ZISMAN

_________________

                                           - Nasrudin e a Peste -

A Peste ia a caminho de Bagdá quando encontrou Nasrudin. Este perguntou-lhe:  
Aonde vais?

A Peste respondeu-lhe: Bagdá, matar dez mil pessoas.

Depois de um tempo, a Peste voltou a encontrar-se com Nasrudin.
Muito zangado, o mullah disse-lhe: Mentiste. Disseste que matarias dez mil pessoas e mataste cem mil.
E a Peste respondeu-lhe: Eu não menti, matei dez mil. O resto morreu de medo.

_________________

 

Pandemídia é um neologismo que criei há pouco para nomear o surto midiático/terrorista que hoje assola a vida da maioria dos humanos. Há necessidade urgente de uma revisão da maneira como a mídia e os políticos abordam o surto virótico, tornando-o malévolo e assustador quando são distorcidas as ocorrências de contexto médico ou sobre doenças infecciosas, medicina alternativa e curas milagrosas.

Esse efeito iatrogênico (iatrogenia [de iatro- + -genia.], substantivo feminino que exprime as alterações patológicas provocadas no paciente por tratamento de (qualquer tipo) em certos momentos passa do informativo para o aterrorizante.

Sei que os jornalistas gostam de dar notícias ruins por seu impacto midiático. No caso, exageram as consequências de um surto gripal anual e normal para torná-lo numa peste sempre fatal e sem cura. Ao mesmo tempo, a mídia entrevista médicos e pesquisadores que são apresentados como “experts”. Um expert é um homem que parou de pensar. Para quê pensar, se ele é um expert?

Tais experts fazem os maiores buchichos opinativos, com graves consequências. Ademais, as estrelas jornalísticas pertencentes às “grandes mídias” frequentemente distorcem os fatos e exibem uma visão assustadora, atendendo à orientação dos proprietários da empresa midiática.

O temor produzido por essa maneira de inflacionar os riscos poderia ser amainado por um diálogo apropriado entre o gerador da notícia (médico, cientista ou pesquisador) e um exímio questionador. No entanto, um e outro exageram os fatos, ressalvadas as exceções de praxe. Mas, vamos aos fatos.

Grande amigo meu, médico, foi convidado para dar uma entrevista à TV. Foi à sala de espera, aguardar a hora de “entrar no ar” a ser indicada por seu anfitrião-midiático. O assunto seria o uso ou não uso das máscaras, se o médico era favor ou contra. Foi possível perceber de imediato que o entrevistador não queria uma opinião médica, mas sim qual seriam as preferências políticas do entrevistado.

A ignorância do entrevistador sobre o assunto era tão grande que ele confundia a palavra Epidemia (doença geralmente infecciosa que ataca simultaneamente um grande número de pessoas de determinada localidade e que tem caráter transitório) com a palavra Pandemia, que significa doença vastamente difundida pelo Planeta.

 Em tempo, creio ser muito necessária a divulgação de informação honesta e correta para que a população perca o medo de uma gripe grave, mas que não irá destruir a humanidade nem é tão aterrorizante que possa paralisar as atividades cotidianas dos indivíduos.

____________________________________________________________

Meraldo Zisman Médico, psicoterapeuta. É um dos primeiros neonatologistas brasileiros. Consultante Honorário da Universidade de Oxford (Grã-Bretanha). Vive no Recife (PE). Imortal, pela Academia Recifense de Letras, da Cadeira de número 20, cujo patrono é o escritor Álvaro Ferraz.

 

_________________________________________________

1 thought on “Pandemídia. Por Meraldo Zisman

  1. Gostei imenso. Dr. Meraldo. Isso é mesmo o pior_ além do vírus DESCONHECER idade e sexo, não possui CPF, endereço, CEP, ou carteira de habilitação viária, aérea ou náutica_ termos de aturar a ignorância do que uma e outra querem dizer. Obrigada.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *