cpi - luana araujo

A CPI precisa entrar de sola mesmo. Por Edmilson Siqueira

… A CPI da Covid foi instalada para descobrir quem fez tantas coisas erradas para termos o segundo maior número de mortes por covid 19 sendo a sexta população do mundo. Há um culpado, ou vários, por cerca de 100 a 200 mil mortes de brasileiros e ele ou eles não podem ficar impunes…

 Luana Araújo - cpi

 

Tem gente confundindo as coisas. Uma CPI não é para descobrir o que é certo e o que é errado. É para descobrir os culpados por alguma coisa que deu muito errado. Por isso ela tem de ser mesmo agressiva com quem parece querer encobrir a verdade.

A CPI da Covid foi instalada para descobrir quem fez tantas coisas erradas para termos o segundo maior número de mortes por covid 19 sendo a sexta população do mundo. Há um culpado, ou vários, por cerca de 100 a 200 mil mortes de brasileiros e ele ou eles não podem ficar impunes.

Esse é o papel de uma CPI, tanto que a ela são dados poderes que o Legislativo não costuma ter, como o convocar, de intimar e até de prender quem for pego em flagrante contando mentiras à Comissão. Ao fim, o relatório apontará suas conclusões às autoridades e a elas caberá processar e punir quem, comprovadamente, teve culpa pelo genocídio.

Uma CPI que fica discutindo se a cloroquina é boa para a covid ou não (uma discussão, por si só, totalmente abandonada no mundo civilizado); que fica duvidando da eficiência de um lockdown; que fica pensando que “imunidade de rebanho” é facilmente atingida sem vacina; que discute a eficácia de vacinas já devidamente autorizadas pelos órgãos científicos é uma CPI que não só está desviando de seus objetivos, como está perdendo um precioso tempo na busca dos verdadeiros culpados pela tragédia que está ocorrendo no Brasil.

Tragédia essa que, diga-se, está longe de acabar. Hoje, quinta-feira, 3 de junho de 2021, estamos batendo na casa dos 470 mil mortos pela covid 19 e vários órgãos de imprensa estão noticiando a lotação de UTIs em várias capitais, que é o primeiro sinal de colapso do atendimento à saúde.

E isso acontece quando os países que muito sofreram com a pandemia, começam a retomar a rotina, pois seus números estão se normalizando, a incidência e a transmissão da doença estão cada dia menores e mais da metade da população já está imunizada por duas doses da vacina (ou apenas uma quando não há necessidade da segunda). Essa volta à normalidade acontece porque esses países compraram vacinas na hora certa, fizeram restrições severas a aglomerações e não deram mortais conselhos a sua população para usar remédios sem eficácia comprovada.

… a CPI não pode perder tempo em discussão “delirante, esdrúxula, anacrônica e contraproducente”, como disse ontem a excelente profissional médica Luana Araújo, num show de competência dado em rede nacional, que deixou a tropa de choque bolsonarista calada e muda…

Esse quadro mundial não encontra paralelo no Brasil. Aqui, a imunização por duas doses ainda não chegou aos 11% da população e a terceira onda já está se estabelecendo por aí, com aumento do número de diário de infecções (ontem foram 92 mil,  batendo um recorde que havia sido atingido em março) e o número de mortes se mantendo num patamar acima de duas mil e crescendo.

Por isso a CPI não pode perder tempo em discussão “delirante, esdrúxula, anacrônica e contraproducente”, como disse ontem a excelente profissional médica Luana Araújo, num show de competência dado em rede nacional, que deixou a tropa de choque bolsonarista calada e muda diante de tantas evidência, de tanta obviedade que essa tropa se recusa a enxergar. A inteligência e a saudável loquacidade da doutora Luana Araújo foram a evidência dos motivos pelos quais ela não foi aceita pelo governo. Um governo que dispensou Mandetta, Teich e Moro não poderia mesmo ter alguém como Luana.

Mas, voltando à CPI, ela precisa mesmo ser inquisidora, dura com quem favorece a morte, deseducada com quem arrota conceitos sem base científica e colocar na parede quem repete as mentiras que o presidente da República anda vomitando por aí em lives e redes nacionais, falando mais para um público cego pela idolatria e pela ignorância do que para todos os brasileiros.

A CPI precisa avançar rápido na comprovação de culpa pelos responsáveis pela tragédia brasileira. Por baixo, umas duzentas mil mortes poderiam ter sido evitadas se o governo brasileiro tivesse seguido as orientações da OMS, tivesse comprado vacinas desde a primeira oferta, tivesse deixado a economia de lado para cuidar das vidas, tivesse pensado mais nos brasileiros como seres humanos do que como eleitores ou gado.

Enfim, a CPI não pode perder a chance de aproveitar a maioria que  tem contra  esse desumano governo, de dar uma esperança aos brasileiros de que, se não podemos restituir as milhares e milhares de vidas que poderiam ter sido salvas, ao menos os culpados por esse genocídio vão ser apontados e, quem sabe, expiarão suas culpas devidamente presos, afastados da sociedade a quem tanto mal causaram.

É o mínimo que todo brasileiro sensato espera: que a CPI continue incisiva contra os que ousarem defender o obscurantismo, o negacionismo e a morte de seres humanos inocentes.

__________________________________


Edmilson Siqueira é jornalista

________________________________________________

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Assine a nossa newsletter