O Ser Supremo. Coluna Mário Marinho. Copa do Mundo – Especial

COPA DO MUNDO – ESPECIAL

O Ser Supremo

COLUNA MÁRIO MARINHO

Ele sabe que todos os holofotes estão dirigidos a ele; não tem pejo, vergonha ou timidez: olha para a câmara fixamente e para o telão onde confere se está bem na foto. Não existe um mísero fio de cabelo corajoso o bastante para ficar um milímetro sequer fora do lugar.

Ele é o dono da cena, do espetáculo, do mundo.

Ele é Cristiano Ronaldo.

Não corre pelo gramado, mas desfila com a elegância, ousadia e segurança de uma Gisele Bundchen nos mais ricos e importantes palcos do mundo; mais do que isso, se sente à vontade como uma Maria Callas nos palcos do luxuoso e nobre Scala de Milão.

Foi o que se viu de Cristiano Ronaldo na estreia de Portugal enfrentado a Espanha, no mais clássico e difícil dessa primeira rodada de jogos da Copa da Rússia.

Marcou os três gols e comandou a intrépida e destemida equipe lusitana em todos os momentos. Fez o primeiro gol. A turba insana pediu bis. Ele marcou outro. Novamente, ensandecida a torcida exibi outro bis. Ele marca o terceiro. Enlouquecida, pirada a horda pede mais. Não, nada mais. Três levantar de cortinas é o que a prima-dona se permite.

Há quem diga que no intervalo dos jogos, há à espera dele, nos vestuário, banheira com sais e águas mornas, onde lindas vestais o esperam para banho reconfortante e reconstituinte; ao lado, uniformizado serviçal passa a roupagem que ele usará no segundo tempo, impedindo que atrevida dobra, mor menor que for, apareça e comprometa a exibição de seu corpo másculo e imaculado.

Não duvido.

Afinal, ele é Cristiano Ronaldo.

Veja os melhores momentos.

https://youtu.be/USMTkCX1nDE

Tecnologia,
a atração.

A França ficou longe do que se esperava, assim como duas de suas maiores atrações: Griezmann e Pogba. Aliás foram deles os dois gols franceses na vitória sobre a Austrália.

Mas a atração dele foi a estreia, em uma Copa d Mundo, do chamado Árbitro de Vídeo ou VAR, segundo a abreviação em inglês (Video Assistan Refree).

Logo aos nove minutos do segundo tempo, Griezmann invadiu a área e caiu. Ficou a dúvida: apenas caiu ou foi derrubado? O juiz mandou o jogo seguir. Um minuto depois, pediu auxílio ao vídeo e constatou: foi pênalti que o próprio Griezmann converteu.

Aos 34 minutos, um chute forte de Pogbá resvalou num adversário, encobriu o goleiro e quicou dentro do gol.

Os franceses pediram a marcação do gol, enquanto o goleiro rapidamente colocava a bola em jogo.

Incontinente, o juiz assinalou o gol.

Ele usa um relógio de pulso que o avisa se a bola transpôs ou não a linha do gol. No caso desse jogo, foi bem visível que a bola entrou.

O juiz nem precisou do aviso mas, certamente, o recebeu.

A França venceu por 2 a 1, num joguinho bem fraquinho.

Veja como foi:

https://youtu.be/0bnFt2yMq7w

Começaram mal
Los Hermanos

Tem dia que parece noite.

Foi assim a apresentação da Argentina contra a Islândia.

Na torcida, uma bandeira branca e azul celeste mostrava a imagem de Messi como um Deus.

Nem Deus, nem Messias.

Messi foi um jogadorzinho qualquer e, para piorar, ainda perdeu um pênalti.

Não faltaram os conhecidos espírito e garra argentinos – mas faltou futebol.

Di Maria e Messi, duas das maiores expressões e esperanças argentinas, simplesmente não compareceram.

Como era de se esperar, enfrentaram um adversário fechado, muito bem fechado, sem dar espaços a Messi ou a qualquer outro.

É claro que a Islândia não iria enfrentar Los Hermanos de igual para igual.

Mas, se querem ir mais longe, os argentinos terão que melhorar bastante. Seu próximo adversário é a Croácia que não chega a ser um bicho papão, mas é bem melhor que a Islândia.

Vejam:

https://youtu.be/WE9jm2DukjE

Mais uma
Copa, mais uma vitória.

Assim como para o jogador de futebol, também para o jornalista esportivo, principalmente o ligado ao futebol, a Copa do Mundo é o momento supremo, o momento sonhado.

E é lá de Moscou que vem comunicação do amigo e companheiro Márcio Bernardes com a valorosa equipe comandada pelo Brilhante Eder Luiz.

Parabéns! Toquem a bola com a competência de sempre.

FOTO SOFIA MARINHO
MARIO MARINHO, Copa do Mundo especial CHUMBOGORDO
Mario Marinho – É jornalista. Especializado em jornalismo esportivo, foi durante muitos anos Editor de Esportes do Jornal da Tarde. Entre outros locais, Marinho trabalhou também no Estadão, em revistas da Editora Abril, nas rádios e TVs Gazeta e Record, na TV Bandeirantes, na TV Cultura, além de participação em inúmeros livros e revistas do setor esportivo.
 (DUAS VEZES POR SEMANA E SEMPRE QUE TIVER MAIS 
NOVIDADE OU COISA BOA DE COMENTAR)

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Assine a nossa newsletter