ataque

O ataque. Blog do Mário Marinho

O ATAQUE

BLOG DO MÁRIO MARINHO

Gostaria de usar este espaço para falar somente sobre os ataques dentro de campo.

Do ataque do São Paulo que fez um belíssimo gol pré-fabricado contra o Sport; dos ataques de Palmeiras e Santos que se saíram bem no 2 a 2 de sábado; no ataque das meninas corintianas que conquistaram o bicampeonato brasileiro de futebol ou dos ataques que produziram gols do meio do campo.

Mas não.

Vou falar aqui de um ataque de hackers que sofri no meu Whatsapp na última sexta-feira, que me tirou do ar e deu dor de cabeça não só a mim, mas, também a muitos amigos.

Minha intenção aqui não é chorar o leite derramado, mas mostrar o evento para que sirva de alerta a todos.

Eu uso com frequência um ótimo serviço do jornal o Estado de S. Paulo que se chama Estadão Verifica. Sempre que tomo conhecimento de uma notícia que, por alguma razão, me parece fake, recorro ao serviço.

Envio para eles a notícia e aguardo a resposta que nunca demora e me prova se se trata de fake news ou não.

Na sexta-feira, recebi mensagem no meu WhatsApp que, aparentemente, vinda do Estadão Verifica e trazia até o nome de uma repórter do jornal.

A mensagem perguntava se eu queria participar também de um outro grupo de verificação.

Claro, topei na hora.

Fui avisado de que receberia, via SMS um código que deveria ser enviado a eles para que eu obtivesse acesso ao novo grupo.

Recebi o código e enviei.

Era o que eu não poderia ter feito.

Em questão de minutos, amigos que constam da minha agenda – bastante extensa – começaram a receber mensagens em meu nome pedindo o depósito de uma quantia em dinheiro, alegando que eu passava por dificuldades.

Assim que tomei conhecimento, procurei remédio na própria internet, consultando o Google sobre o que fazer.

Fui orientado a desinstalar o meu WhatsApp e avisar aos meus amigos.

Fiz isso. Desinstalei o WhatsApp e passei a avisar a amigos individualmente e pedindo a esses que replicassem em seus grupos. Coloquei também um aviso no Facebook.

Comecei a receber telefonemas de parentes e amigos que, desconfiados, queriam a confirmação da notícia.

Passei a minha tarde de sexta nessa inglória batalha.

No começo da noite, soube por um amigo que não conseguia fazer o depósito (ainda bem), que o banco Itaú havia bloqueado a conta destino.

Certamente, por seus meios de defesa, o Itaú verificou movimentação estranha naquela conta. Não sei se outros bancos tomaram a mesma providência.

Minha conta de WhatsApp foi bloqueada e permanecerá assim pelos próximos dias.

Providência da empresa que, dentro do isolamento da pandemia, me jogou dentro de outro isolamento.

Fica o alerta.

Você, eu e outros bilhões de terráqueos que usamos essa rede de comunicação devemos ter muito cuidado.

É preciso ser maldoso para combater essa maldade.

Gol com

a marca Diniz.

O São Paulo venceu o Sport ontem no Morumbi, 1 a 0, vitória magra, mas, o suficiente para isolá-lo na liderança do Brasileirão.

O primeiro tempo do São Paulo foi primoroso, com trocas de passes sempre em direção ao gol adversário, jogo rápido, bonito.

É o futebol que leva a marca do técnico Fernando Diniz.

Como levou também sua marca o gol da vitória.

Escanteio cobrado por Daniel Alves. Jogadores, atacantes e defensores, se aglomeram nas imediações da pequena área.

Fora da grande área, ficou o artilheiro Luciano.

Daniel Alves, hábil nessas cobranças, lança a bola mais ou menos na marca de pênalti, e encontra Luciano que invadiu a área na corrida, surpreendendo os defensores e fez o gol.

É o gol pré-fabricado, construindo através da criação do técnico e do ensaio exaustivo dos atores envolvidos na cena, os jogadores.

Aqui tenho cobrado muito esse tipo de jogada.

Infelizmente são poucos os técnicos que lançam mão da jogada ensaiada.

Mestre Telê Santana era constante nessas jogadas. Seus times tinham sempre duas ou três jogadas ensaiadas que eram executadas e, na maioria das vezes, terminavam em gol.

Com a vitória sobre o Sport e contando com o empate do Galo com o Internacional, no Mineirão, o São Paulo abriu quatro pontos sobre seu perseguidor mais forte, o próprio Atlético.

E, no meio de semana, tem condições de ampliar ainda mais a vantagem, pois terá pela frente o Botafogo, jogo que colocará o Tricolor com o mesmo número de jogos disputados pelos outros times.

Destaque também para a goleada do Grêmio, 4 a 0, em cima do Vasco que mergulha na escorregadia Zona do Rebaixamento.

As meninas

Em partida intensa e movimentada, o Corinthians conquistou ontem o bicampeonato brasileiro, na Neo Química Arena, em São Paulo, com vitória incontestável sobre o Avaí Kindermann, depois de um 0 a 0 no jogo de ida. Com um trabalho desde 2016, com a mesma base de jogadoras e mesma comissão técnica, Timão se consolida ainda mais como o grande protagonista do futebol feminino no país. Gols de Gabi Nunes, Gabi Zanotti (duas vezes) e Vic Albuquerque. Lelê e Zoio ainda descontaram, mas de nada adiantou.

Resultado final, 4 a 2 e o título.

Glórias mil do campeão dos campeões!

Veja os gols do Fantástico.

Gols do meio do campo.

Rafael Sobis marcou belíssimo gol do meio do campo na vitória do Cruzeiro que luta na Série B para voltar à elite do futebol.

Veja os gols da vitória do Cruzeiro sobre o Brasil de Pelotas:

Veja também o golaço de Jonathan na vitória do Figueirense, 2 a 0, sobre o Náutico.

E lá do Fundo do Baú, fui buscar essa vitória da Portuguesa, 7 a 2, sobre o São Paulo, no Pacaembu.

Eu trabalhava na Lua, como Assessor de Imprensa nessa época. Era um timaço.

O volante Ricardo Lopes dividiu a jogada com um jogador do São Paulo e fez o gol lá do meio do campo.

No dia seguinte, uma equipe da tevê Globo esteve no Canindé, campo da Lusa, e propôs o desafio ao Ricardo Lopes: chutar 10 bolas do meio do campo em direção ao gol vazio: ele acertou 6.

Veja a goleada:

______________________________________________________________________________

Mário Marinho – É jornalista. É mineiro. Especializado em jornalismo esportivo, foi FOTO SOFIA MARINHOdurante muitos anos Editor de Esportes do Jornal da Tarde. Entre outros locais, Marinho trabalhou também no Estadão, em revistas da Editora Abril, nas rádios e TVs Gazeta e Record, na TV Bandeirantes, na TV Cultura, além de participação em inúmeros livros e revistas do setor esportivo.

(DUAS VEZES POR SEMANA E SEMPRE QUE TIVER MAIS
 NOVIDADE OU COISA BOA DE COMENTAR)

_______________________________________________

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Assine a nossa newsletter