MONSTRINHOS

Ressuscitando deuses e criando novos monstrinhos. Por Aylê-Salassié Quintão

RESSUSCITANDO DEUSES E CRIANDO NOVOS MONSTRINHOS

AYLÊ-SALASSIÊ F. QUINTÃO

O Presidente da República não fazia por menos: atropelava e desatropelava; agredia e contemporizava. Em um momento, anunciava a compra de uma vacina contra a pandemia, gerando esperanças; em seguida, o cancelamento. Já era outra a que interessava. Ministros e secretários de saúde se sucediam. Todos eram a favor do confinamento hoje. Instantes depois já se sentiam incomodados…

MONSTRINHO

A barbearia fora fechada, por decreto, pelo governador. Cabisbaixos, os dois profissionais autônomos estavam sentados no passeio, do lado de fora, rodeados por alguns clientes. O fiscal passara por ali e cerrara as portas dos seus “ganha pão”. Cada um era pai de três crianças menores.  Não podiam parar de trabalhar um dia sequer.  “Só dia 14!”, advertiu com ar superior o preposto do Estado.

O governador assinara um ato suspendendo as atividades econômicas, impondo, com ameaça de multa, o confinamento dos cidadãos por dez dias. Expunha-se a outra face do drama da pandemia do Covid. No dia seguinte, diante da repercussão negativa, o governador encenou sensibilidade, editando novos decretos, agora, contraditoriamente, permitindo a reabertura das portas das academias, dos bares e restaurantes.

 Passado um dia, viria um terceiro ato, suspendendo novas atividades produtivas. Permitia, entretanto, reabrir coisas como bancas de jornal. Os ginásios estavam fechados para o vôlei; mas, os estádios abertos, com ressalvas, para o futebol.   Uma descoordenação total. Um vai e vem de ordens, uma desordem.  Os atos oficiais pareciam surfar pelas madrugadas num copo de whisky.

Atemorizada pelo aumento do número de mortos, a população assistia boquiaberta aquele solitário jogo de damas do governador. Seria o lockdown uma necessidade, de fato, diante das ameaças pandêmicas, ou uma mera expressão do seu auto empoderamento? Uma brincadeira de mal gosto ou uma corajosa tomada de decisão? Impressionava perceber como o governante podia tudo – era o tal poder que emanava do povo -, estando bêbado ou não.

O Presidente da República não fazia por menos: atropelava e desatropelava; agredia e contemporizava. Em um momento, anunciava a compra de uma vacina contra a pandemia, gerando esperanças; em seguida, o cancelamento. Já era outra a que interessava. Ministros e secretários de saúde se sucediam. Todos eram a favor do confinamento hoje. Instantes depois já se sentiam incomodados.

 Enfim, a incoerência tornava-se uma peça chave no xadrez que conduzia o poder de vida ou de morte do governante sobre os cidadãos. Espalhava-se pelos governos e governadores, alguns ameaçando ainda pular a cerca das próprias jurisdições regionais, com acusações aos pares: uma guerra santa. O barbeiro estava lá estirado sem saber como ia levar comida para casa no final do dia. O fiscal desaparecera: safara-se da responsabilidade, alegando que cumprira seu dever.

A partir da instabilidade emocional dos governantes a pandemia ganhava a volubilidade das ruas. Os índices de mortalidade vulgarizavam-se, e começavam a configurar uma anomia geral. Passou a servir de mote para exercícios nas artes, e até de motivos de chistes entre amigos. Tinha gente vendendo atestado de óbito. Ninguém parecia ter mais qualquer compromisso com a vida. Perdia-se o pudor diante da morte.

O Presidente (e a família) iam-se tornando vagarosamente também incômodos. Ao invés de acalmar a população, ele gerava sistematicamente insegurança. Mentia, dizendo ou desdizendo.  E não iria mudar. Ele era assim mesmo, diferente dos 220 milhões de brasileiros.

Quando cobrados pelos cidadãos, os governadores transferiam irresponsavelmente o combate à pandemia para a União, de quem esperavam sempre ajuda financeira. “Se é para transformar o Brasil em uma Venezuela, eu saio”. Mas em assuntos de governo, não se perde por esperar. Em meio a esse cipoal de medidas e desmedidas, o próprio ministro da Fazenda anunciaria, logo depois mais R$ 44 bilhões para a saúde, para ser dividido, em convescote, com os governadores; e uma retomada da ajuda emergencial, em dinheiro vivo, para 40 milhões de pessoas. Até tu, Guedes!

Sem ninguém saber exatamente como gerir a pandemia, o coronavírus, como um tsunami, atravessa o espaço da história e sacraliza no campo a religiosidade da política. Os espertos a usam o flagelo para encobrir os malfeitos. Mas ele serve também para empoderar vaidades e ressuscitar deuses mortos, bem como velhas práticas – jurídicas inclusive – e façanhas, criando e recriando monstrinhos.

É a herança dessa bela democracia, temperada com ficções ideológicas pequeno burguesas e vulgaridades populistas. A pandemia estimula governantes e juízes a tornar as verdade irrelevantes. Desaparece o domínio dos fatos.

______________________________________

Aylê-Salassié F. QuintãoJornalista, professor, doutor em História Cultural. Vive em Brasília

 

 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Assine a nossa newsletter