LINGUAGEM DA DISCORDIA

Bolsonaro: a linguagem da discórdia. Por Alexandre H. Santos

BOLSONARO: A LINGUAGEM DA DISCÓRDIA

ALEXANDRE HENRIQUE SANTOS

“Tudo que é dito, é dito por alguém!”
Humberto Maturana

LINGUAGEM DA DISCORDIA

Um célebre aviador e escritor francês afirmou ser a linguagem perene fonte de mal-entendidos. Pura verdade. Entretanto, não é menos verdadeiro que se trata do recurso de que dispomos para tecer nossas relações sociais. Daí que ruim com a linguagem, pior sem ela.

Com o verbo fazemos amigos e urdimos inimigos, se acaso os temos. Ancorada na obviedade, a sabedoria das culturas há muito ensina prudência e cuidado com aquilo que se diz. Essa era a primeira lição que os astecas davam aos seus filhos. Os construtores de Teotihuacán criaram um processo educacional que exigia responsabilidade com o que sai das nossas bocas. A criança crescia ouvindo dos pais, o mesmo conselho que estes haviam ouvido dos pais dos seus pais: seja impecável com sua palavra! Por certo hoje diriam: seja impecável com sua comunicação.

A ideia freudiana até hoje se mantém 100% vigorosa – o que dizemos e como dizemos (o semblante, o gesto, a postura, o comportamento) expõem mais de nós do que do conteúdo que transmitimos. Falar é se expor, e se expor é revelação. Moldado na cultura corporativa castrense, o capitão Bolsonaro mostra nas suas falas a rigidez típica da caserna. Pretende que a sociedade civil se comporte dócil como um pelotão obediente e disciplinado – mesmo tendo ele, o próprio, o currículo farto de desobediências e indisciplinas.

As palavras do presidente mostram sua insuperável dificuldade de lidar com diferenças e discordâncias naturais do convívio democrático. O Brasil não é um quartel, e os cidadãos brasileiros não são soldados. Ao contrário, a sociedade é plural e está acima do castro; pois a mais nobre missão militar em tempos de paz é servir a cidadania. Por isso a Constituição deveria vetar aos fardados, da ativa e da reserva, qualquer atuação capaz de macular a Corporação com as paixões, benefícios e interesses da política. Ao cooptar centenas de militares para o seu governo, Bolsonaro prestou um gigantesco desserviço às Forças Armadas. A conta dessa nefasta fatura é altíssima e não será fácil para o país pagá-la.

A epígrafe do mestre chileno parece simples, mas nada tem de rasa. Para enfrentar e vencer a tragédia anunciada que se abate sobre nós, é necessário um discurso que promova pontes e expresse empatia. Mas Bolsonaro não sabe fazer isso. Não sabe. Sua linguagem tosca e seu humor grosseiro semeiam a discórdia. Até os que acreditam em Papai Noel já se deram conta de que o homem que afirmou, em mais de uma ocasião, minha especialidade é matar (sic), não está capacitado para defender a vida.

O capitão tem um modelo mental binário e simplório. Não sou eu quem o diz; é ele mesmo, ao dividir os brasileiros entre “nós e eles”, “democratas e comunistas” e “patriotas e vermelhos”. Não existe espaço para matizes. É como se conviver com a crítica, respeitar a diferença, aplaudir o pulo fora do quadrado, o conhecimento, a inovação fossem anomalias perniciosas – quando sabemos que juntas e combinadas, lúcidas e equilibradas, essas qualidades constituem a última esperança de sobrevivência da nossa espécie.

Política é a arte de criar condições para que convivam, de modo apaziguado e colaborativo, igualdade e diversidade.  Não importa de qual partido seja, a tradição democrática republicana exige que a fala do mandatário eleito proponha a cicatrização das feridas (abertas no calor dos discursos inflamados) e o final dos confrontos. Nos Estados Unidos o ex-presidente Trump rompeu esse costume; e aqui seu pupilo brasileiro tratou de imitá-lo.

Se analisarmos as falas do capitão Bolsonaro após 1º de janeiro de 2018, veremos que ele não encerrou sua campanha eleitoral. Em vez disso, prosseguiu discursando para seus acólitos e incentivando cizânia. Outra vez, não sou eu quem o diz; é a forma e o conteúdo da sua linguagem. Semana passada, dirigindo-se aos jovens formandos de uma escola militar, afirmou com veemência: “Jamais confiem na imprensa; os jornalistas sempre estarão contra vocês!

Bolsonaro desconhece outra maneira de falar. Repito: desconhece. Seus rompantes não são de eloquência, são de descontrole emocional. Após três anos de governo, o capitão persiste com sua paranoia persecutória segundo a qual “quem não concorda comigo, está contra mim”.

Considere que o presidente jamais pediu desculpas ao país por ter chamado de “gripezinha” a pandemia que matou e está matando milhares de cidadãs e cidadãos brasileiros. Ninguém com grau mínimo de altruísmo expressa desprezo pela dor de pessoas e famílias, dizendo de forma impassível: “A morte é o destino de todos nós!” Em pleno colapso sanitário, ele declara publicamente seu descrédito nas vacinas, se recusa a usar máscara, causa e incentiva aglomerações, cumprimenta idosos com abraços, ridiculariza os cuidados preventivos chamando-os de mimimi, frescura e falta de coragem para enfrentar o vírus (sic)… Em meio a uma brutal escalada de mortes, números estratosféricos que assustam o mundo, não vemos um único gesto de solidariedade; nem uma expressão facial de tristeza e compaixão; nem digo uma mínima lágrima – já que machos não choram…

Se você não é robô, se tem um pingo de sensibilidade, me responda: que tipo de criatura é essa?

________________________

Foto: @catherinekrulik

*Alexandre Henrique Santos – Atuou mais de 30 anos na área do desenvolvimento humano em e para grandes corporações.  É terapeuta e coach. Mora em Madri e realiza workshops presenciais e à distância. É meditante, vegano, ecologista. Publicou O Poder de uma Boa Conversa e Planejamento Pessoal, ambos editados pela Vozes..

Contato: alex@ndre.com.br

3 thoughts on “Bolsonaro: a linguagem da discórdia. Por Alexandre H. Santos

  1. Que tipo?
    É um com certo grau de psicopatia somada a uma ignorância natural, inata e que foi alimentada por conceitos familiares obtusos e equivocados.

  2. Discordo em gênero, número e grau, meu amigo! Os Bolsonaristas admiram o capitão como ele é. Gostos não se discutem quando se tratam de certos temas e no caso em questão, a política. Os que o apoiam, apreciam o que ele diz e como fala, por não terem talvez a oportunidade de expor o que explode em cada peito oprimido nestes 33 anos de falsa democracia. E o capitão diz na “ bucha “ o que nossos opositores querem talvez mascarar. Beijos.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Assine a nossa newsletter