Timão no sufoco

Timão no sufoco. Por quê? Blog do Mário Marinho

Timão no sufoco

Não era para ser assim.

O Goiás é um time que ocupa a parte de baixo da tabela de classificação. Está em 16º lugar, portanto, perigosamente vizinho à escorregadia Z4, onde ficam os times que serão rebaixados ao final do Brasileirão.

Não era um adversário fácil para o Corinthians, mas também não era para dar o sufoco que viveu o dono da casa no segundo tempo.

E o Timão vendeu a ilusão de que seria fácil.

No primeiro tempo só deu Corinthians.

Os corintianos chegaram com facilidade à entrada da área do Goiás inúmeras vezes.

Mas, em nenhuma dessas vezes, obrigou o bom goleiro do Goiás, Tadeu, a fazer defesas importantes.

Até que surgiu um polêmico pênalti.

Veja o lance.

https://youtu.be/ue8es5FmTS0

Sim, a bola bate no braço do defensor do Goiás e ele está dentro da área.

Mas são duas as razões pelas quais o árbitro Bráulio da Silva Machado não deveria ter marcado o pênalti:

1 – A bola bate na barriga do defensor e resvala no seu braço. Não é motivo para marcar a falta;

2 – O braço em que a bola pegou é o ponto de apoio que o jogador usa ao cair. Portanto, trata-se de um movimento natural.

E por que o VAR não interferiu?

Segundo o comentarista de arbitragem Sálvio Spínola, um ex-árbitro muito competente, nesse caso, por ser um lance de interpretação, o VAR apoia a decisão do juiz.

No segundo tempo, o Goiás voltou com gana de achar o empate, mesmo que atabalhoadamente.

O Corinthians que, no primeiro tempo, mostrou boas e belas jogadas de trocas de passes, tabelinhas, triangulações, parecia satisfeito com o resultado e não deu trabalho algum ao goleiro Tadeu.

Uma pena que o Timão não tenha voltado com a mesma disposição do primeiro tempo.

Perdeu boa chance para agradar a sua imensa e apaixonada torcida (36 mil pagantes ontem) e de ainda se sentir mais embalado para o encontro contra o Santos nesta quarta-feira, pela Copa do Brasil.

Aliás, por falar em torcida, belo gesto dos corintianos aplaudindo a volta de seu ídolo Fagner. Emocionante.

O sufoco corintiano se arrastou até o último minuto e, por pouco, não teve um pênalti marcado a favor do adversário.

O polêmico lance aconteceu nos minutos finais, quando o atacante do Goiás se sentiu derrubado pelo zagueiro Robson, do Corinthians.

Pela tevê, é nítido que a mão do zagueiro corintiano está no ombro, quase pescoço, do atacante.

O experiente Sálvio Spinola considerou que o zagueiro corintiano não agiu com força suficiente para derrubar o atacante e, por isso, também ele não daria o pênalti.

Mas ficou aquela pergunta do corintiano: se o time jogou tão bem no primeiro tempo, por que não repetiu o bom desempenho no segundo tempo?

Com a palavra o técnico Vitor Pereira que, parece, caiu nas graças dos corintianos.

Galo

Volta a vencer

De Belo Horizonte, recebo as informações do jornalista Júlio Baranda nosso colaborador para assuntos mineiros.

Eis o seu relato:

 Atlético e Flamengo chegaram para um confronto como dois dos times mais fortes do campeonato brasileiro, assim como o Palmeiras. O jogo, no Mineirão lotado, foi muito equilibrado. Não houve um time mais forte, mas, o Atlético Mineiro, jogando em casa e sentindo a pressão sobre o seu técnico, o Turco Mohammed, buscou mais o jogo.

O Galo teve a volta de alguns jogadores importantes, como Allan e Jair, além de Vargas, jogando o primeiro tempo e parte do segundo. Já o rubro negro teve ausência de alguns jogadores importantes, como o Bruno Henrique, por exemplo. Mas valeu a pressão do alvinegro que foi mais eficiente em sua defesa e um pouco melhor em seu ataque.

Apesar de o seu melhor jogador não ter feito gol, Hulk fez ótima assistência para o gol de Ademir.

Mais eficiente, Atlético acabou saindo com Vitória merecida, 2 a 0 (o segundo gol foi de Nacho Fernández). Um respiro para o técnico Turco que tem mais uma vez o Flamengo na próxima quarta-feira, desta vez pela Copa do Brasil, para demonstrar à torcida se tem ou não condições de continuar dirigindo a equipe daqui para frente.

Com a vitória, o Galo pulou para o quarto lugar, enquanto o Flamengo continua em 13º.

Veja os gols do Fantástico:

https://youtu.be/rNCS2AXMtH8

As meninas

no vôlei

Depois de sete anos, o vôlei feminino de praia volta a conquistar um título mundial. Aconteceu ontem em Roma e as responsáveis pela façanha são a dupla Duda e Ana Patrícia que venceram as canadenses Bokovec e Brandie por dois sets a zero, com parciais de 21/17 e 21/19.

A menina

do tênis

Bia Haddad

Bia Haddad continua fazendo história: após 10 vitórias consecutivas, ela conquistou seu segundo título de simples em quadra de grama.

A vitória de ontem foi na cidade de Birmingham, na Inglaterra, sobre a chinesa Shuai Zhang que abandonou a partida por casa de lesão no pescoço.

Assim, ela chega embalada para a disputa nas históricas quadras de Wimbledon, torneio que começa hoje.

___________________________________________________________

Mário Marinho – É jornalista. É mineiro. Especializado em jornalismo esportivo, foi FOTO SOFIA MARINHOdurante muitos anos Editor de Esportes do Jornal da Tarde. Entre outros locais, Marinho trabalhou também no Estadão, em revistas da Editora Abril, nas rádios e TVs Gazeta e Record, na TV Bandeirantes, na TV Cultura, além de participação em inúmeros livros e revistas do setor esportivo.

(DUAS VEZES POR SEMANA E SEMPRE QUE TIVER MAIS NOVIDADE OU COISA BOA DE COMENTAR)

____________________________________________________________________________

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Assine a nossa newsletter