Depois da farsa, a tragédia…

Por Josef Barat

… Esta é a triste sina de uma América Latina, tão distante de Deus e do mundo adulto. E tão incapaz de assumir a culpa por seus próprios desastres…

Artigo publicado originalmente em O Estado de S. Paulo, edição de 22 de janeiro de 2016

O que acontece quando um governo populista quer agradar o povo, sem preocupação com a origem e limitações dos recursos disponíveis? Certamente um desastre, pois, em algum momento, as contas não fecham. O desastre é ainda maior quando oferece mimos às grandes empresas. A postura de agradar, tanto um povo carente, quanto os empresários amigos – para preservar o poder –, acaba por desagradar a todos. Ou seja, torna-se obsoleta a velha e recorrente estratégia de “subir no caminhão” e falar o que agrada aos os peões e depois, na “sala da diretoria”, falar o que os patrões querem ouvir, pois não há mais o que oferecer para ficar bem com todos. Tal estratégia, como sempre, é boa enquanto mantém partidos populistas no poder e, na hora de fechar as contas, dá o argumento que liberais malvados querem tirar o que progressistas bonzinhos oferecem ao povo.

Esta é a triste sina de uma América Latina, tão distante de Deus e do mundo adulto. E tão incapaz de assumir a culpa por seus próprios desastres. Ao invés de aproveitar seus ciclos de bonança com a exportação de grãos, minérios e petróleo para investir e modernizar suas infraestruturas e indústrias, prefere queimar os recursos obtidos com estímulos ao consumo e um assistencialismo que não incorpora efetivamente as pessoas à educação moderna e ao processo produtivo. Nenhuma economia se sustenta, em prazo mais longo, com base na ignorância, exacerbação do consumo e baixos níveis de investimento. Tentativas de breves ciclos de ajustes e correção de distorções nas contas públicas, são sempre seguidos de longos ciclos de irresponsabilidade fiscal e devastação de fundamentos econômicos básicos. O velho fetiche de estimular o crescimento pelo aumento do consumo e “pouquinho” de inflação torna-se incontrolável e todos acabam sofrendo com a conjugação de inflação alta e crescimento baixo.

A Nova Matriz Econômica do primeiro governo Dilma foi uma tentativa de dar sobrevida a algo que já se mostrava inviável no segundo governo Lula. Um breve retrospecto ajuda a entender. Após um período de estabilidade da moeda, aumento do poder de compra, previsibilidade e confiança nos negócios, equilíbrio fiscal e ordenamento das contas públicas – proporcionado pelo Plano Real e mantido no primeiro governo Lula – seguiu-se um movimento oposto, que desagregou todo o esforço anterior.

… Inflação e desemprego de dois dígitos acompanhados de recessão prolongada e declínio do PIB, são ingredientes que conduzem a graves crises políticas e ao desmonte das instituições de Estado. A História do Brasil mostra isso…

Note-se que esta desagregação comprometeu, inclusive, um processo continuado de melhoria na distribuição da renda, por causa da inflação. Afetou, também, a credibilidade internacional, devido aos rebaixamentos nas avaliações de risco. Desnecessário acrescentar a óbvia deterioração do ambiente político, resultante da estratégia de poder baseada no princípio do “eu pago, eu mando”. Tanto a inevitável explosão de sucessivos escândalos de corrupção, como a radicalização irresponsável do projeto de dominação do poder, desfigurou todo o comedimento e a antiga sabedoria de contornar crises políticas.

Inflação e desemprego de dois dígitos acompanhados de recessão prolongada e declínio do PIB, são ingredientes que conduzem a graves crises políticas e ao desmonte das instituições de Estado. A História do Brasil mostra isso desde a crise de 1929-32, passando pelas de 1954-56, 1960-62, 1980-82, 1990-92. Com exceção da de 1929 e, em parte, da de 1982 – pelo forte impacto do fator externo – são recorrentes o abandono de cuidados com ajuste fiscal, ordenamento das contas públicas e controle da inflação, além da falência de modelos baseados no fetiche do desenvolvimento a qualquer preço e/ou exacerbação do consumo.

Como existe aquele outro fetiche de que a História se repete, primeiro como tragédia e depois como farsa, é bom atentar para o fato que, ao contrário, no Brasil as tragédias se repetem monotonamente como decorrência de farsas. A repetição resulta tanto de erros trágicos do próprio fazer, como da escassez de prudência, bom senso e comedimento. Erros e húbris sempre dissimulados pela farsa e o burlesco, como convém ao exuberante e irresponsável ambiente tropical…

_______________________________________
Josef Barat(*)Economista, Consultor de entidades públicas e privadas. Coordenador do Núcleo de Estudos Urbanos da Associação Comercial de São Paulo

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Assine a nossa newsletter