humor judaico

Pandemia e Humor judaico. Por Meraldo Zisman

   (Humor judaico é aquele que faz graça da própria desgraça)
Pin on Dios †

Atribuem ao célebre médico Sigmund Freud a história de um mendigo que cruzou com o barão Rotschild, banqueiro afamado, enquanto este flanava pelas ruas da Viena imperial; o mendigo aborda o altivo homem de finanças com uma história de arrancar lágrimas ao mais calejado dos capitalistas e consegue dele uma esmola nada desprezível.

O banqueiro continua com seu passeio vespertino e, algumas quadras adiante, depara-se com seu beneficiado deliciando-se com fina iguaria, dentro de uma loja de Delicatessen (estabelecimento que comercializa alimentos e bebidas de alta qualidade, de paladar diferenciado e sofisticado, em ambiente requintado).

Indignado com a ousadia do tipo, entra e o increpa com dureza. E este, sem descer um grau da sua dignidade, replica: “Não compreendo a ira de Vossa Senhoria. Advoga então Vossa Senhoria que não posso comer caviar quando não tenho dinheiro e quando tenho dinheiro tampouco posso comer caviar?”.
   *****
José Saramago, prêmio Nobel de Literatura (1998), dizia:

“Alguns podem até estranhar a relação do judeu com o único prêmio Nobel do meu idioma materno. Concordo, mas meu pensamento é livre”.  (José Saramago, IN: as Palavras de Saramago, registradas no livro Organização e Seleção de Fernando Gómez Aguilera, Companhia das Letras, 2010, p. 343).

Registra em seguida Saramago o seguinte conceito nas rádios e canais de televisão (não havia ainda os tais de meios de comunicação social): “Cada vez mais, somos meros atores de livros e contribuímos cada vez menos para a formação de uma consciência”.

Como estamos em pleno estado de pandemia mundial será que existe mesmo um humor judaico? Sim, ele existe e faz graça da própria desgraça.

A técnica foi aperfeiçoada por anos e anos de perseguições, tendo nascido no século XIX, nos shtetls, palavra em iídiche – língua falada pelos judeus da Europa Oriental  – que designava os miseráveis povoados, vilas ou aldeias daquela região, aonde se lhes permitia morar. O shtetl surgiu como resultado de dois processos intimamente relacionados: primeiro, a exclusão social dos judeus e a permissão de sua permanência apenas em determinadas áreas (conhecidas como Zonas de Residências Judaicas), como parte da restrição dos seus direitos, como o de circulação nas cidades, o de exercer cargos no governo e a posse de campos de cultivo. Desse modo, eles foram concentrados, discriminados e forçados a passar por grave pauperização. Esta situação foi criada pelo ‘czar’ Nicolau I (1796-18 55), e mantida pelos ‘czares’, Alexandre II, Alexandre III e Nicolau II (1868-1918), o último ‘czar’ que imperou na Rússia.

Vale salientar que o confinamento dos judeus nas Zonas de Residências Judaicas facilitaram a política nazista da chamada Solução Final da Questão Judaica (Endlösung der Judenfrag), que culminou com o Holocausto; segundo, os judeus, assim como outros povos discriminados, se voltaram para suas crenças ancestrais, endogâmicas e fechadas em relação à maioria da população dos países onde habitavam. Além disso, para conservar o equilíbrio mental, bem como as defesas psicossociais, eles criaram o “humorismo da desgraça”, passando a produzir humor sobre a situação em que viviam. O denominado humor judaico foi (e continua sendo) adubado pela estranha parceria sadomasoquista entre torturador e torturado. Quem pesquisar o caráter desse humor de forma mais aprofundada não poderá negar que ele representa uma tentativa (embora frustrada) de angariar muitas gargalhadas à custa da própria dignidade humana. É interessante observar que tal espírito judaico, surgido originalmente nos shtetls da Europa Oriental, migrou para os Estados Unidos, levado por levas de judeus escorraçados de seus países de origem e se adaptou à cultura e à língua americana do Norte.

E esses imigrantes se inspiraram na vida dura e cruel que seus antepassados tiveram, ao habitar nas remotas aldeias da Polônia, da Rússia e adjacências. Creio que a ansiedade foi se tornando crescente, na tentativa de se adaptarem ao modelo de referência da maioria da população da nova Pátria, e o humor foi se tornando mais corriqueiro, masoquista, autodepreciativo e autocrítico.

Imaginem se isso ocorresse aqui no Brasil, aonde a fome é endêmica e as pessoas que tem na pele alguma quantidade do pigmento melanina são os mais vulneráveis ao ataque do vírus denominado covid-19.  A mortalidade entre os pobres é bem maior, mesmo se no início os primeiros casos tenham ocorrido nas classes mais privilegiadas e com menor teor de melanina, que viajam, seja qual o motivo, para fora do país. A melanina, não custa nada lembrar e poupar algum raro leitor que chegou até aqui, é uma substância derivada do aminoácido tirosina que contribui para a pigmentação de determinadas partes do corpo: pele, cabelos, olhos.

O perigo da sobrevivência da Humanidade não está nas armas ou nas honrarias, mas no coração dos Homens, que deve enfrentar agressões, fanatismo, prepotências, excessos de zelos ou a incapacidade de imaginar, de sonhar, de ouvir ou de rir de nós mesmos, além da ação de preconceitos das mais diversas matizes.

Como psicoterapeuta afirmo:

“Sem humor não existe psicoterapia”.

___________________________________________________________

Meraldo Zisman Médico, psicoterapeuta. É um dos primeiros neonatologistas brasileiros. Consultante Honorário da Universidade de Oxford (Grã-Bretanha). Vive no Recife (PE). Imortal, pela Academia Recifense de Letras, da Cadeira de número 20, cujo patrono é o escritor Álvaro Ferraz.

 

2 thoughts on “Pandemia e Humor judaico. Por Meraldo Zisman

  1. EXCELENTE crônica, Dr. Meraldo!
    O preconceito nasce do medo. Nossa agressividade, de animais predadores, oculta-se sob uma camada da civilização.
    Em relação aos nossos irmãos hebreus, é o medo de não saber fazer melhor, ou, no mínimo, igual, creio! Tenho um verbete que, também, anda de braços dados com esse incômodo: INVEJA.
    Muito grata, por mais essa crônica.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Assine a nossa newsletter