Será? (Epidemiologia da Ansiedade). Por Meraldo Zisman

Será?

(Epidemiologia da ansiedade)

Por Meraldo Zisman

…Os direitos humanos são um organismo consciente que visa a assegurar a dignidade e a evitar sofrimentos em face da persistente brutalidade humana…

O objetivo da epidemiologia é reduzir os problemas de saúde da população. Na prática, ela estuda principalmente a ausência de saúde sob as formas de doenças ou agravos. É também importante não confundir endemia com epidemia. Quando uma enfermidade existe somente numa região, é considerada uma endemia; quando se difunde para outros lugares, atingindo mais de uma cidade ou região, a chamamos de epidemia e, quando se alastra pelo mundo, é considerada uma pandemia.
Gostaria igualmente de lembrar duas questões míticas: de um lado dinheiro, leis, justiça, nações e, embora menos, países. E,de outro, os direitos humanos, cujos defensores esquecem que cada ser humano é singular, tanto biológica quanto psiquicamente, e ainda que a ordem por eles defendida permita apenas melhorar a organização da  sociedade.
A maioria crê ou bota fé nos políticos e instituições. Se não acreditassem nos direitos humanos, esses assuntos não sobreviveriam. Para a filósofa Hannah Arendt (1906 -1975) os direitos humanos não são um dado, mas um constructo, uma invenção humana, em constante processo de edificação e reconstrução. Com isso não desejo afirmar, e me acastelo, que os sistemas jurídicos internacionais são válidos para todos os lugares ou deveriam sê-lo, mesmo que teoricamente.
Os conceitos ligados aos direitos humanos refletem uma construção axiológica, erguida a partir de um espaço simbólico de luta e ação social, compondo uma racionalidade de resistência na medida em que traduzem processos que abrem e consolidam espaços para a dignidade humana. Invocam, nesse sentido, uma plataforma emancipatória voltada à proteção da dignidade humana.
Os direitos humanos são um organismo consciente que visa a assegurar a dignidade e a evitar sofrimentos em face da persistente brutalidade humana. Considerando a historicidade dos direitos, destaca-se a chamada concepção contemporânea de direitos humanos. A  Declaração Universal de 1948 e a Declaração de Direitos Humanos de Viena de 1993.
… Não chego a dizer que os brasileiros são os que mais sofrem com a ansiedade, apesar de a Organização Mundial da Saúde (OMS) afirmar que somos os que mais sofremos de transtornos de ansiedade, no mundo. Na verdade, os dados alarmantes sobre a situação mental no país apontam que 23,9% da população apresenta algum tipo de transtorno de ansiedade.
Referindo-se ao dedo-duro, denunciante, o escritor francês Jules Romains (1885-1972) diz: “as vocações de delator abundam na espécie humana”. Imagine agora quando premiada!?
  Como médico e cidadão pergunto:
— Qual o impacto psicológico de anos de notícias negativas na vida de um país? Como afetam a saúde mental da população?
Não chego a dizer que os brasileiros são os que mais sofrem com a ansiedade, apesar de a Organização Mundial da Saúde (OMS) afirmar que somos os que mais sofremos de transtornos de ansiedade, no mundo. Na verdade, os dados alarmantes sobre a situação mental no país apontam que 23,9% da população apresenta algum tipo de transtorno de ansiedade. Esses números são dirigidos para cima ou para baixo e interpretados diferentemente, segundo a conveniência de quem os tenta explicar.
Deixando de lado as estatísticas, lembro que nosso país atravessa uma grande crise. Atribuir aos meios de comunicação a sua origem é simplificar demais. Culpar a mídia isoladamente é ingênuo, para não dizer algo mais grave sobre essa epidemia de ansiedade.
Contudo, apesar de entender plenamente que a mídia brasileira deva estar vinculada aos problemas do país e os abordar a partir da perspectiva nacional, ela não deveria ser porta-voz da cultura punitiva que hoje domina todos os setores da vida nacional. Medo, ódio, revolta ou desejo de vingança é o que não tem faltado no cenário sociopolítico brasileiro, gênese da ansiedade.
A mídia divulga e julga antecipadamente.
Creio que o suicídio de pessoas comuns, desempregadas, sem importância midiática, o aumento do consumo de ansiolíticos e a depressão deveriam ser mais bem acautelados.  Advirto. Não sou eu quem o diz.
‘Não são as notícias que fazem o jornal, e sim o jornal que faz as notícias; a questão é que os jornais não são feitos para divulgar, mas para encobrir as notícias’. Livro: Número Zero, de Umberto Eco. Ed. Record, página 57;162, ano: 2015.

Será que estamos sendo expostos a notícias ‘selecionadas’?

__________________________________________

Vale a pena. Clique e Leia os outros artigos do autor sobre o tema:

Judicialização (ansiedade profissional). Por Meraldo Zisman

Ansiedade e consumismo. Por Meraldo Zisman

Ansiedade generalizada. Por Meraldo Zisman

Ansiedade e Crise Nacional. Por Meraldo Zisman

Ansiedade. Perguntas que não devem/podem ser feitas. Por Meraldo Zisman

 ____________________

23/02/2011. Credito: Cecilia de Sa Pereira/DP/D.A Press. Recife/PE. Vida Urbana. Materia sobre a visita do presidente nacional da Associacao dos Diplomados da Escola Superior de Guerra, o brigadeiro Helio Goncalves a sede dos Diarios Associados PE. O brigadeiro esteve acompanhado pelos senhores Eudes Souza Leao e Meraldo Zisman (NA FOTO).

Meraldo Zisman – Médico, psicoterapeuta. Foi um dos primeiros neonatologistas brasileiros. Consultante Honorário da Universidade de Oxford (Grã-Bretanha). Vive no Recife (PE).

 

About

Brickmann & Associados Comunicação - B&A / Tel. (11) 3885-6656 / www. brickmann.com.br / E-mail: contato@chumbogordo.com.br / Twitter: twitter.com/ChumboGordo / Facebook: facebook.com/chumbogordo

No comments yet.

Leave a comment

Your email address will not be published.