Ansiedade e consumismo. Por Meraldo Zisman

 ANSIEDADE E CONSUMISMO

MERALDO ZISMAN

… é necessário pensar que consumo é uma coisa, e consumismo é outra bem diversa. No consumo, o ato de comprar está diretamente relacionado à necessidade ou à sobrevivência. Quando se trata de consumismo, essa relação está rompida, ou seja, a pessoa não precisa daquilo que está adquirindo.

As palavras consumidor e cidadão tornaram-se assemelhadas. Consumidor passou em muitos casos a ser sinônimo de cidadão. O presidente Michel Temer, em evento do jornal Financial Times em Nova York, afirmou que seu governo resgatou a confiança dos agentes, o que se deve traduzir em melhora dos investimentos e do consumo. “O Brasil tem momento de mudanças, com enormes oportunidades”, disse aos investidores dos Estados Unidos, ressaltando que “a recessão ficou para trás”.
Entretanto é necessário pensar que consumo é uma coisa, e consumismo é outra bem diversa. No consumo, o ato de comprar está diretamente relacionado à necessidade ou à sobrevivência. Quando se trata de consumismo, essa relação está rompida, ou seja, a pessoa não precisa daquilo que está adquirindo.  O consumismo está vinculado ao gasto em produtos sem utilidade imediata, supérfluos. A origem da tendência de compulsão pelo ato de comprar faz parte da história da humanidade, e o capitalismo atual tem que aumentar a produção de mercadorias, cada vez mais. O consumismo está ficando muito polêmico, hoje em dia, pois suas consequências são graves para a sociedade.  Para o sistema atual, a produção não pode parar, já que parando não sobrevive.
 O marketing impõe às pessoas uma fantasia de que a felicidade é passível de ser alcançada, e ela pode ser obtida por meio do consumo de artigos os mais variados.
As pessoas que dão alto valor para riqueza, status e bens materiais são mais depressivas, ansiosas e menos sociáveis do que as que não se importam tanto com essas questões.
Elas são menos interessadas pelos problemas de sua coletividade.
 Evitar os maus estímulos, como a publicidade seria quase impossível na atualidade. Ela é um dos piores males, corrompe toda qualidade e toda crítica. Instiga ao crime, com enganações. A publicidade e o consumismo fazem da pessoa um objeto, e o pior, aquele que não pode comprar uma mercadoria cai num quadro de ansiedade.
 O marketing impõe às pessoas uma fantasia de que a felicidade é passível de ser alcançada, e ela pode ser obtida por meio do consumo de artigos os mais variados.
O conceito de consumo dado pela ciência da economia não se restringe ao ato de comprar alguma mercadoria ou bem, visando à satisfação de determinada necessidade ou demanda. Consumir, contudo, não se resume só a essa concepção, pois atualmente o que mais se desgasta é a imagem, que poderá ser de algum artefato, um elemento quase sempre de fetiche – objeto a que se atribui poder sobrenatural ou mágico e se presta ao culto. É a imagem no outro extremo, como forma de encontrar o significado de sua própria razão de existir.
O sujeito consome, mas também é consumido, pois nessa busca pela completude não consegue satisfazer seu desejo inconsciente, um desejo de desejo, de aplacar a falta em objetos ditos pela publicidade como solucionadores dessa sensação nostálgica – uma condição médica associada à depressão e à ansiedade.
Noto que o consumo hoje em dia tomou um significado diferente do que possuía no passado. As pessoas de hoje estão perdidas no universo da globalização; as referências tradicionais estão mortas: à direita, à esquerda, às religiões – são conceitos dos mais desfocados.
E o sentimento geral das pessoas é o de ficar desorientadas. Desorientação é uma geradora de ansiedades. Mas, justamente através do consumo, as pessoas readquirem certo poder, porque comprando algo sentem um alívio, muito embora momentâneo.  Acredito que o consumo se tornou algo tão importante porque, de certa maneira, elas podem exercer uma pequena autonomia momentânea.  Porém, justamente através do consumo, as pessoas readquirem certo poder, mas não aplacam a necessidade de comprar.
É como um tubarão que não pode parar pois, se parar, morre asfixiado.

__________________________________________

Vale a pena. Clique e Leia mais artigos do autor sobre o tema:

Ansiedade generalizada. Por Meraldo Zisman

Ansiedade e Crise Nacional. Por Meraldo Zisman

Ansiedade. Perguntas que não devem/podem ser feitas. Por Meraldo Zisman

 ____________________

23/02/2011. Credito: Cecilia de Sa Pereira/DP/D.A Press. Recife/PE. Vida Urbana. Materia sobre a visita do presidente nacional da Associacao dos Diplomados da Escola Superior de Guerra, o brigadeiro Helio Goncalves a sede dos Diarios Associados PE. O brigadeiro esteve acompanhado pelos senhores Eudes Souza Leao e Meraldo Zisman (NA FOTO).

Meraldo Zisman – Médico, psicoterapeuta. Foi um dos primeiros neonatologistas brasileiros. Consultante Honorário da Universidade de Oxford (Grã-Bretanha). Vive no Recife (PE).

 

About

Brickmann & Associados Comunicação - B&A / Tel. (11) 3885-6656 / www. brickmann.com.br / E-mail: contato@chumbogordo.com.br / Twitter: twitter.com/ChumboGordo / Facebook: facebook.com/chumbogordo

No comments yet.

Leave a comment

Your email address will not be published.