A importância do Poder. Por Raimundo Ribeiro

A IMPORTÂNCIA DO PODER

RAIMUNDO RIBEIRO

…Decorridos 31 anos sob a égide da carta cidadã, temos um país convulsionado onde o executivo se transformou numa fábrica de problemas, um legislativo que não legisla e um judiciário que se eleva ao Olimpo como se tivesse recebido um chamado para substituir os outros…

Quando Montesquieu pensou em tripartição de poderes, certamente sabia da necessidade deles atuarem como freios e contrapesos objetivando o equilíbrio vital para uma nação.

Como todos os países desenvolvidos, a carta política de 1988, não por acaso apelidada de Constituição Cidadã também adotou a lição de Montesquieu, cuidando de definir com muita clareza as atribuições de cada um, atribuindo ao Judiciário, dentre outras competências, a missão de dirimir litígios restabelecendo o equilíbrio social vulnerado e emprestando a segurança jurídica fundamental para sobrevivência de uma sociedade.

No mundo real, e no Brasil em especial, as coisas não saíram como planejado sabiamente pelo legislador constituinte.

Decorridos 31 anos sob a égide da carta cidadã, temos um país convulsionado onde o executivo se transformou numa fábrica de problemas, um legislativo que não legisla e um judiciário que se eleva ao Olimpo como se tivesse recebido um chamado para substituir os outros.

A piorar, o ministério público trepa no cangote do judiciário para cometer os mesmos erros se esquecendo que nem poder é, e a imprensa cuida de maximizar o caos disseminando mentiras, meias-verdades, meias-mentiras, substituindo fatos por versões e proclamando um estado de loucura, com divisões e ódio.

O vírus do ego inflado, da arrogância, da sede de poder, da omissão e a ambição desmedida gera a usurpação de funções uns dos outros, e o resultado só poderia ser este clima de discórdia e confusão reinante.

Passa da hora dos exercentes de funções públicas resgatarem as suas obrigações, pararem de se meter nas atribuições dos outros e se limitarem a cumprir suas funções permitindo sossego aos seus verdadeiros patrões que financiam toda essa pantomima a quem chamam cinicamente de contribuinte.

Façam isso logo, se não porque resgataram o juízo, que seja por instinto de sobrevivência.

_________________________________________________________________

Raimundo Ribeiro (@RaimundoRibeiro) | TwitterRaimundo Ribeiro – é advogado da União aposentado, foi secretário de Justiça, Direitos Humanos e Cidadania do DF e deputado distrital por dois mandatos

raimundoribeiro.rr@gmail.com

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Assine a nossa newsletter