André Jardine, o novo técnico do São Paulo. Coluna Mário Marinho

André Jardine, o novo técnico do São Paulo

COLUNA MÁRIO MARINHO

O lance…

Aos 39 anos de idade, o gaúcho André Soares Jardine deixa de ser auxiliar técnico e assume o comando do São Paulo.

A nomeação tem cara de experiência que dura cinco jogos – os cinco jogos restantes do Brasileirão.

Parece interino, mas não é.

André Jardine assume para ficar.

A decisão foi tomada, ontem, domingo, quando dirigentes e torcedores são paulinos acordaram com tremenda ressaca, aquela que é bem típica da segunda e não do domingo.

O motivo da forte ressaca foi o péssimo futebol apresentado no empate com o Corinthians, sábado, em Itaquera.

O adversário jogou com 10 durante todo o segundo tempo e o Tricolor não encontrou meios, ou futebol, para tirar proveito da vantagem.

E só saiu com um empate graças aos erros da arbitragem. Houve um pênalti claro e o claríssimo gol no chute de Danilo que o goleiro Jean rebateu dentro de seu gol, com a bola visivelmente ultrapassando a chamada linha fatal.

O craque Raí, hoje cartola do Tricolor, estava simplesmente furioso com o péssimo jogo do São Paulo.

Na verdade, ele vem acumulando furor já há alguns dias.

Todos reconhecem que o elenco do São Paulo é fraco.

Nessas condições, espera-se que o técnico consiga armar esquema para, na medida do possível, suprir a deficiência técnica.

Imagem relacionada
André Soares Jardine – para o SPFC

Mas, esse não parece ser o forte do técnico uruguaio Diego Aguirre.

O Tricolor chegou a liderar o Brasileirão.

A partir do mês de setembro, Aguirre teve tempo de sobra para treinar o time que só jogou nos fins de semana.

Porém, quanto mais treino, menos futebol apareceu.

E a gota d`água foi o empate com o Corinthians que tirou o Tricolor da zona da Libertadores.

Já há algum tempo o São Paulo investe em André Jardine, inclusive patrocinando estágio e viagens ao exterior.

Já estava certo há algumas semanas, que o contrato de Aguirre, que terminaria no final do ano, não seria renovado.

E o substituto dele seria Jardine, que assumiria o time em janeiro.

Houve uma antecipação.

A renovação é sempre bem-vinda.

Mas o torcedor ainda não esqueceu a desastrosa passagem de Rogério Ceni como técnico.

Mais uma invenção?

Pergunta o torcedor aflito.

Veja os melhores momentos que derrubaram Diego Aguirre.

Repare também no absurdo gol corintianos que o juiz não viu, nem o auxiliar de linha de fundo.

Aliás, é um absurdo que esse auxiliar que está ali para isso, não tenha visto lance tão cristalino.

Vejam a clareza na foto ao alto da coluna e também no vídeo abaixo com os melhores momentos.

O empedernido
Palmeiras

Não, ninguém consegue parar.

Quando muito, um empate. Só um empate.

Porém, quando isso acontece, seus perseguidores tropeçam.

Assim, o Palmeiras empatou com o Galo ontem, em Belo Horizonte, mas manteve a diferença de cinco pontos de distância para seu mais próximo perseguidor, o Internacional que também empatou.

A nota triste da rodada é que o meu América, tão mineiro quanto eu, conseguiu perder para o já rebaixado Paraná.

E agora está com os dois pés atolados no lamaçal da zona de rebaixamento.

Ali, é fácil entrar e difícil sair…

_____________________________

FOTO SOFIA MARINHO

Mário Marinho – É jornalista. Especializado em jornalismo esportivo, foi durante muitos anos Editor de Esportes do Jornal da Tarde. Entre outros locais, Marinho trabalhou também no Estadão, em revistas da Editora Abril, nas rádios e TVs Gazeta e Record, na TV Bandeirantes, na TV Cultura, além de participação em inúmeros livros e revistas do setor esportivo.

(DUAS VEZES POR SEMANA E SEMPRE QUE TIVER MAIS
 NOVIDADE OU COISA BOA DE COMENTAR)

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Assine a nossa newsletter