BEETHOVEN

Beethoven é nosso. Por Jaime Pinsky

BEETHOVEN É NOSSO

JAIME PINSKY

Popular sim, mas nunca banal, Beethoven é quase sinônimo de música clássica. É o compositor mais executado e mais amado. Quando uma sala de concertos de qualquer parte do mundo estiver com problema de público, basta programar uma obra sua para lotar o recinto. Suas composições juntam o frescor da novidade com a solidez de algo que nasceu clássico. Ele consegue ser pop e sofisticado, clássico e tremendamente inovador.

Beethoven

[ORIGINALMENTE NO BLOG DO AUTOR – http://www.jaimepinsky.com.br]

Beethoven completa hoje 250 anos. Sim, completa, pois ele está mais vivo do que nunca. Se vivo não estivesse, não seria tão executado por orquestras, conjuntos e solistas do mundo inteiro. É difícil, senão impossível, encontrar uma orquestra que nunca tenha tocado alguma composição de sua autoria. Mas sua popularidade ultrapassa os limites dos apreciadores da música clássica. Só para lembrar os distraídos, a Ode à Alegria, trecho coral de sua Nona Sinfonia, tornou-se o Hino da Comunidade Europeia. As quatro notas que abrem sua Quinta Sinfonia são conhecidas por todos, e a melodia de Pour Elise virou símbolo da presença do caminhão de gás.

Popular sim, mas nunca banal, Beethoven é quase sinônimo de música clássica. É o compositor mais executado e mais amado. Quando uma sala de concertos de qualquer parte do mundo estiver com problema de público, basta programar uma obra sua para lotar o recinto. Suas composições juntam o frescor da novidade com a solidez de algo que nasceu clássico. Ele consegue ser pop e sofisticado, clássico e tremendamente inovador.

É bom dizer logo, Beethoven nada tem de popularesco, vulgar. Sua música representou um enorme avanço em todos os aspectos. Embora antes dele tivesse havido algumas tentativas esparsas, deve-se ressaltar que sua produção foi o divisor de águas entre o classicismo e o romantismo. Mas Beethoven fez muito mais do que mudanças formais. Ele tirou a música dos luxuosos salões dos palácios e castelos e a transferiu para ambientes bem maiores, as salas de concerto. Deixou de escrever para uma classe decadente, a nobreza, e passou a compor para uma classe ascendente, a burguesia. Produziu música para ser ouvida com atenção, não para servir de fundo musical de conversas mundanas de marqueses e viscondes. A melodia que produziu não era mais apenas para os ouvidos distraídos, mas também para o coração, o estômago e até o fígado. Em vez de entreter poucos, Beethoven ambicionava emocionar multidões.  Fico pensando em como ele próprio ficaria emocionado ao ver, poucos anos atrás, sua Nona Sinfonia ser executada no Japão por um coral de 10.000 pessoas.

Mas Beethoven fez ainda mais. A partir de sua música, que exigiu e ganhou em dignidade,  os músicos começaram a mudar de status. Deixaram de ser comparados a outros serviçais e passaram a ser vistos como artistas de verdade. Com isso tudo, Beethoven, ainda em sua curta vida, passou a ser visto como uma espécie de semideus.  Realmente, Beethoven está mais vivo do que nunca.

SELO Ludwig Van Beethoven 1770 1827 … Ouvir e ler sobre Beethoven é um exercício de afirmação de humanidade. Nos dias de hoje, mais do que nunca, é importante exercer esse direito.

Para frustração de seu pai, Beethoven não foi um gênio precoce, como Mozart (este escreveu sua primeira sinfonia quando tinha apenas 8 anos de idade). Durante muito tempo, foi mais conhecido como professor e pianista do que como compositor. Sua mudança radical se dá quando ele já havia completado 30 anos e lembra histórias de superação milagrosas que são contadas atualmente por vendedores de ilusão, com a diferença de que, neste caso, é uma história real: ele vai descansar em uma pequena cidade próxima de Viena e escreve um “testamento” em que promete a todos e a si mesmo criar uma obra revolucionária, imortal. Nos anos posteriores à sua promessa (primeira década do século XIX), escreveu e publicou, entre muitas outras maravilhas, as sinfonias 3 (que representa o rompimento com o classicismo), 5 (a chamada “do destino”, com as quatro notas famosas) e a 6 (a “Pastoral”, tão a gosto dos ecologistas de todos os tempos). Escreveu ainda o extraordinário Concerto para Violino, obrigatório no repertório de todos os grandes violinistas. Como se não bastasse, nos legou cinco dos mais importantes concertos para piano de todos os tempos, particularmente o Quinto, o Imperador, considerado por muitos o mais belo concerto para piano e orquestra jamais composto. (Quem não ouviu, vá correndo ouvi-lo. Deixe este texto para ler depois, o concerto é mais importante).

Como historiador, tenho dó dos alunos cujos professores ficam restritos a narrativas enjoadas de governantes, suas obras, intrigas palacianas, golpes de estado, revoluções, corrupção, conquistas, guerras e demais maravilhas. Não falam das fantásticas descobertas e invenções desenvolvidas pelo gênio humano, não se referem às obras de Leonardo da Vinci e seus contemporâneos, não se lembram da filosofia grega ou das preocupações sociais dos grandes profetas do judaísmo, não dizem da importância de Dostoievsky e Thomas Mann, de Machado de Assis e Amós Oz. Ora, como sempre digo, somos herdeiros legítimos de tudo o que o gênio humano produziu de bom, não somente do que tem feito de ruim.

Ouvir e ler sobre Beethoven é um exercício de afirmação de humanidade. Nos dias de hoje, mais do que nunca, é importante exercer esse direito.

_________________________

*(Este texto é baseado na introdução que fiz ao belíssimo livro do maestro João Mauricio Galindo,

“Beethoven, as muitas faces de um gênio”, da Editora Contexto).

__________________________

JAIME PINSKY: Historiador, professor titular da Unicamp, autor ou coautor de 30 livros, diretor editorial da Editora Contexto. Autor de vários livros sobre preconceito, cidadania e escravidão.

jaimepinsky@gmail.com

www.jaimepinsky.com.br

 

________________________________________________________

1 thought on “Beethoven é nosso. Por Jaime Pinsky

  1. Maraviloso o texto do Jaime Pinsky!
    Só tenho uma ressalva: ao invés de considerar Beethoven como um semi-Deus, para mim é um Deus!!!
    Abraços

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Assine a nossa newsletter