sp vista aerea - 91 anos

91 anos. Comemorar o quê? Blog do Mário Marinho

91 ANOS. COMEMORAR O QUÊ?

BLOG DO MÁRIO MARINHO

É aniversário do São Paulo Futebol Clube e desta cidade-país.

A cidade de São Paulo faz 467 anos e tem o que comemorar.

Aqui, em São Paulo, tudo é grande.

A tristeza e a alegria; os problemas e as soluções; a solidariedade e o desamparo; a riqueza e a pobreza.

Essa cidade que não é maravilhosa, mas é gostosa, é fantástica –  acolhe todo mundo e é, aliás, um mundo próprio.

Aqui, cabem os mineiros e os cariocas;

Os baianos e os gaúchos;

Os amazonenses e os capixabas;

Paraenses e paranaenses;

Os piauienses e os tocantinenses;

Os acreanos e os catarinenses;

Mato-grossenses, sejam do norte ou não;

Goianos, sergipanos, alagoanos, cearenses.

Há espaço para o paraibano cabra da peste.

Bem-vindos os nascidos em Roraima e no Amapá.

Também, povo de Brasília, candangos ou brasilienses.

Dos portugueses, que foram os primeiros, aos italianos, japoneses, espanhóis…

De todo esse mundão.

E, se você não sabe, temos aqui e ali

Gente do Lesoto, Samoa Americana e Lichtenstein.

Toda essa gente tem o que comemorar.

Porém, dentre desse mundo, existe um outro mundo, formado por aquelas pessoas que resolveram não só morar no Estado de São Paulo, mas, na cidade de São Paulo e torcer para o time do São Paulo.

Um time de história gloriosa, repleta de conquistas no futebol e em outros esportes, mas, que há quase uma década não sabe o que é uma conquista importante.

Parecia que 2020 seria diferente.

E não estou falando de pandemia.

Mas de futebol.

Há três semanas, o Tricolor liderava o Brasileirão vendo seu mais próximo adversário a 7 pontos de distância.

Distância que parecia quilométrica, inalcançável.

Porém, como diria o poeta, ledo engano.

O fim de semana foi vermelho – uma das cores do São Paulo – mas, vermelho de colorado, do Internacional de Abel Braga.

O Inter terminou com um tormento que eram os 11 jogos sem vencer o inimigo Grêmio com vitória de virada e com gols marcados aos 44 e 52 minutos do segundo tempo. Emoção que não acaba mais!

Além disso, assumiu a liderança do Brasileirão.

O São Paulo ex-líder, colaborou e ficou no empate, em casa, 1 a 1 com o Coritiba.

Assim está agora a quatro pontos de distância.

Os perseguidores Flamengo, Atlético Mineiro e Palmeiras também perderam seus jogos.

Até o Santos que não ameaçava tanto, perdeu em casa para o Goiás: 4 a 3 e de virada.

Essa incrível rodada vem mostrar, mais uma vez, uma verdade histórica: o Brasileirão é o campeonato nacional mais disputado do mundo.

É o mais imprevisível.

Títulos de campeonatos charmosos, ricos e históricos como Espanhol, Italiano, Inglês, Francês, Alemão para ficar nos mais badalados, são disputados por dois o três times. Sempre os mesmos.

No brasileirão, os oito ou dez primeiros colocados estão sempre disputando o título.

Agora, é reta final.

O Internacional depende apenas de si. Se não perder nenhum dos quatro jogos que restam, será o campeão.

Mas, ensina a sabedoria que caldo de galinha e prudência não fazem mal a ninguém.

Portanto, colorados, muito cuidado!

Veja os gols do Fantástico:

 

______________________________________________________________________________

Mário Marinho – É jornalista. É mineiro. Especializado em jornalismo esportivo, foi FOTO SOFIA MARINHOdurante muitos anos Editor de Esportes do Jornal da Tarde. Entre outros locais, Marinho trabalhou também no Estadão, em revistas da Editora Abril, nas rádios e TVs Gazeta e Record, na TV Bandeirantes, na TV Cultura, além de participação em inúmeros livros e revistas do setor esportivo.

(DUAS VEZES POR SEMANA E SEMPRE QUE TIVER MAIS
 NOVIDADE OU COISA BOA DE COMENTAR)

_______________________________________________

 

1 thought on “91 anos. Comemorar o quê? Blog do Mário Marinho

  1. MMarinho. Que tristeza ler as últimas notícias do tricolor. O meu tricolor paulista. Pra falar a verdade, não sei nominar o time atual e também não me empolgo mais. Em minha mente, um Poy, De Sordi, Mauro, Dino, Victor e Riberto. Maurinho, Amauri, Gino, Zizinho e Canhoteiro. Outros craques também honraram a camisa tricolor. E cada vez menos. Até chegar ao que é hoje. Abç

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Assine a nossa newsletter