Mirando a imprensa, Cacalo Kfouri

Animated_RedPen TheRedPenRuleMarketingNo domingo (6), o mesmo jornal, O Estado de S. Paulo, publicou dois textos, um, de Jamil Chade (pg. D4), exemplo de informação bem dada: lê-se e se tem certeza de que tudo o que está escrito é confiável, nenhum teria, seria. As informações são todas atribuídas às fontes, o FBI declara, as fontes indicaram, o jornalista dá a cara a tapa. Porém, mas, contudo, todavia, não obstante, pouco adiante, na pg. A19, há o que se pode chamar de não notícia (o texto está mais abaixo). Colegas, o que escrevem precisa sair do armário. Se não querem correr riscos, transfiram a responsabilidade para os declarantes, o delegado disse, o Fulano afirma que etc. etc. etc. Texto com seria, teria é um desastre. Como costuma dizer Brickmann, o Gordo deste Chumbo, “Teria o fato acontecido? Teria eu lido o texto?”.

Duas pensatas:
1 – tenho lido vários textos sobre derrotas da Rede Globo no que se refere a (crase opcional) audiência. Será só impressão minha ou há uma ponta de satisfação nas matérias?
2 – ao que parece, as ocupações das escolas paulistas estão no fim, caiu a ficha do governador, desistiu do desastrado programa. Será ótimo que a mesma imprensa que cobriu o movimento cuide, a partir de agora, de um tema que ficou pra escanteio: a qualidade dos professores. Por que São Paulo, a unidade mais rica da Federação, tem índices tão ruins quando se avalia a educação? É só culpa “dos outros” ou é daqueles que têm contato direto com os alunos, os responsáveis por ensinar-lhes? (Cacalo Kfouri)

*******

No Estadão

Alckmin revoga decreto de fechamento de escolas, mas alunos mantêm protesto

Depredação.

A Secretaria Estadual da Educação divulgou fotos de uma suposta depredação na Escola Estadual Francisca Lisboa Peralta (…). As imagens foram registradas por policiais militares. A grade de um dos portões foi quebrada, além de janelas do prédio. Livros foram espalhados por toda a unidade.

O que é uma suposta depredação? E como se fotografa isso? Apesar de ser repórter fotográfico desde 1974, jamais, mesmo agora, em tempos de fotos digitais, consegui fazer uma foto de um suposto fato. O que se pode discutir é se a depredação foi montada, se os autores foram os alunos ou os policiais, querendo criar uma situação, mas ela aconteceu, está tudo quebrado conforme está no texto – e nas fotos.

***************

No UOL

Câmbio (*) de estratégia e PM forçaram recuo de Alckmin

(*) Não está errado, mas, por que não mudança? Cabe no espaço.

Fechamento de vias e ação policial foram crucias (cruciais) para suspensão

Os poliças são crucias pra nossa segurância.

Morre aos 72 anos a atriz Marília Pêra

A atriz se (X) tratou (-se)(*) recentemente de um desgaste ósseo na região lombar, que a fez se afastar da TV e dos palcos por um ano. Segundo informações divulgadas pela GloboNews, Marília lutava contra o (um) câncer, que atingia ossos e pulmão.

Um, artigo que indica indefinição (o câncer original foi no pulmão, o resto, metástase, mas não é isso que está no texto).

Ele lembrou que Marília (XXX) estava muito doente havia bastante tempo,

Se havia muito tempo, por que o já?

A informação foi negada por familiares (*), que admitiram apenas que Marília estaria (estava) se recuperando em casa de um desgaste no fêmur.

Se admitiram, estava, mesmo que não estivesse.

(*) Gente, por que familiares? São parentes, pelamordedeus, isso não tem sentido, parece “sostificação”, mas é só afetação.
Dos 14 aos 21 anos atuou como bailarina e participou de musicais e revistas, entre eles, uma versão de “My Fair Lady” protagonizado(protagonizada)

(…), Marília se especializou no papel de Carmem(Carmen) Miranda,

(…).”A Tribute to Carmen Miranda”, no Lincoln Center, em Nova York (1975), dirigido por Nelson Motta (que também foi seu marido); “A Pêra da Carmem(Carmen)“, em 1986 e em 1995; e o musical “Marília Pêra canta Carmen Miranda”

Nóis atira, uma nóis acerta…

(…), em que contracenou com o ator Luís (Luis) Gustavo

(…), mas que sofre com o desprezo deles, já que também é bastante(???)(*) simplória.

E como é ser pouco simplória?

Embora tenha tido uma carreira bastante(???)(*) prolífica

Prolífica quer dizer que produz bastante, como está no texto é pleonasmo, entrar pra dentro.

Dez países emitem quase 70% dos gases do (XXX)(de) efeito estufa do mundo

Pessoais, raciocinemos: efeito estufa tem gases ou há gases que causam o efeito? Há gases que causam, o efeito é causado, ele não causa, ele não “possui” – como é hábito escrever atualmente – gases que o causam, os gases é que fazem com que ele exista.

Prestes a fazer 85 anos 10 momentos (em) que Silvio Santos mitou (???) e se divertiu

(???) Depois que quase queimar meus três neurônios concluí que deve ser “virou mito” (mas posso estar errado). Lembrei-me de uma tira do Calvin, publicada há anos, em que ele diz pro Haroldo (o tigre) que “Eu gosto de verbar as palavras, eu pego os substantivos e adjetivos e uso como verbos.”. Haroldo respondeu “Com sorte, conseguiremos transformar a língua em um impedimento total à compreensão.”

***************

Na Folha

Serviços de música digital empilham prejuízos e vivem cenário sombrio

Pagamento de direitos a grandes gravadores(gravadoras) é desafio para viabilizar modelo de negócio

Para as gravadoras, o streaming de música

Parece que a edição não prestou atenção no (*) que o autor da matéria escreveu.

(*) Pode ser ao ou no, apud Aurélio e Houaiss.

Senador preso pela Lava Jato

Delcídio usou no (em)(*) MS jato (**) de empreiteiro investigado por corrupção pela PF

No texto está certo, em. Mais um caso de desencontro entre editor e autor.

(*) Em MS, em MT, no TO.

(**) Caramba, melhor usou avião, pra evitar a confusão, né? Ou será que foi um dos jatos lavados na operação?

*******cneta vermelha********

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Assine a nossa newsletter