MEDO - PÚBLICO

Medo de falar em público (apresentofobia). Por Meraldo Zisman

  O medo de falar em público é um dos exemplos mais comuns de fobia e é muito mais frequente do que se imagina. Não é somente você que fica ansioso quando tem de falar em público. Saiba que mais de 75% das pessoas sofrem dessa categoria de ansiedade.  O nome dessa ansiedade, usado por nós, profissionais, é glossofobia.

Do gregoglōssa, “língua” fobo,” medo”. Muitas pessoas possuem apenas essa fobia, enquanto outras podem também ter sociofobia.

O medo de palco pode ser um sintoma de glossofobia. Esta é uma das queixas mais frequentes que estou acostumado a ouvir dos jovens antes de uma apresentação oral, seja aonde for, num auditório com a classe escolar ou apresentações das mais diversas.

Prefiro denominar essa medo de “mutismo seletivo”, definido pelo Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos de Saúde Mental, 5.ª Edição (DSM-5) da Academia Americana de Psiquiatria como uma perturbação criada pela ansiedade, vez que a maioria das crianças com “mutismo seletivo” está ansiosa, inquieta, preocupada, nervosa.  Estão inseguras. E isso é o gatilho para não falar diante de outros; se forem com pessoas estranhas é muito pior.

Isso acontece em qualquer das etapas da vida. Sem desejar complicar, o mutismo seletivo pode ser acompanhado por outros transtornos de ansiedade, como perturbação por inquietação de separação, nervosismo de ansiedade social (anteriormente chamado fobia social), agorafobia ou cenofobia (medo mórbido de se achar sozinho em grandes espaços abertos ou de atravessar lugares públicos) e transtorno de pânico. A minha experiência mostra que nesse tipo de ansiedade as pessoas podem parecer aos outros que não estão ansiosas, especialmente devido a seu silêncio, principalmente com estranhos.

Diferentemente das psicoses, as pessoas conseguem reconhecer seus medos como excessivos e irracionais. Não poucos desses medos estão ligados a certos aspectos como o nervosismo, a timidez, a insegurança ou até mesmo a algum trauma sofrido na infância ou na adolescência. Devemos nos precaver, pois nem todo medo de falar em público é glossofobia, sentir um pouco de ansiedade e nervosismo é normal. Afinal, ficar em evidência, sujeito a críticas e julgamentos, gera certa ansiedade sobre como os outros vão reagir.

Frente a um futuro incerto e perigoso, um indivíduo pode se sentir impotente e indefeso, levando-o ao anseio e à sensação de intranquilidade, medo ou receio. Dizem os autores clássicos que a ansiedade passou a ser soberana na nossa era. Tem-se criado mais sofrimento do que qualquer coisa nesta era das maravilhas eletrônicas que alguns denominam a Era da Ansiedade.

O termo medo possuiu uma vasta sinonímia:  receio, pavor, susto, temor, terror, apreensão e todos eles conseguem promover a ansiedade de apresentação.

A angústia e a ansiedade não estão desconectadas da vida social, pois são sensações momentâneas, com certas diferenças e fazem parte do cotidiano do ser humano, atingindo ricos e pobres, jovens, idosos e crianças, fazendo da ansiedade a mais democrática das emoções.

No entanto, medo e ansiedade são sentimentos comuns, normais, que servem para nos proteger. Ambos são muito parecidos, primos mesmo. O medo geralmente se refere a um objeto ou a uma situação muito definida. Temos medo do perigo imediato. Já a ansiedade se caracteriza por uma sensação desagradável de tensão e apreensão. Agora, ambos passaram a serem irmãos sintomatológicos. Com os surtos imigratórios, tais sintomas estão cada vez mais prevalentes em crianças de menos de 5 anos que não falam o idioma do novo país. Em lugar de aguardamos um desenlace natural, acredito que nas escolas, desde cedo, poderemos estimular a integração, mesmo que os pais falem outra língua ou carreguem o sotaque de outra origem.

medo de falar em público

_________________________________________________________

Meraldo Zisman Médico, psicoterapeuta. É um dos primeiros neonatologistas brasileiros. Consultante Honorário da Universidade de Oxford (Grã-Bretanha). Vive no Recife (PE). Imortal, pela Academia Recifense de Letras, da Cadeira de número 20, cujo patrono é o escritor Alvaro Ferraz.

_______________________________________________________

 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Assine a nossa newsletter