Pedro Mattar. Por Paulo Renato Coelho Netto

Pedro Mattar – Homenagem a um amigo

Pedro Mattar
Pedro Mattar

… que gostava de paçoca / que gostava de bichos / que gostava de crianças / que gostava de amigos / que gostava de coisas boas / de comida boa / de boas conversas / que gostava de Paris / que contava piadas / que foi a Bonito uma única vez para não voltar nunca mais / que era urbano / demasiadamente humano / que gostava de doces / que falava que ninguém fazia carneiro como a sua mãe / que almoçava sempre nas mesmas mesas nos restaurantes / que tinha um monte de amigos / que todos seus amigos acreditavam que eram seus melhores amigos / que trabalhava em campanhas políticas e não estava nem aí para campanhas políticas / que comemorava seus aniversários em Paris / que falava que se Deus existisse não permitiria, por exemplo, que crianças morressem de fome / que era coerente com o que pensava / que vivia conforme acreditava / que avisou que seu último aniversário seria seu último aniversário / que viveu sem incomodar ninguém / que escreveu crônicas inesquecíveis / que ensinou que a felicidade não passa de pequenos trechos / que andava acompanhado de um cachorro imaginário / que usava suspensório / que eu amava

…que não será esquecido jamais e que morreu como foi afim de morrer.

_____________________________________________

Paulo Renato Coelho Netto – Autor de nove livros, é jornalista pós-graduado em marketing. Atualmente escreve reportagens investigativas para sites e revistas de circulação nacional.

_______________________________________________________________________________

3 thoughts on “Pedro Mattar. Por Paulo Renato Coelho Netto

  1. Um urso polar parisiense que só morava em lugares quentes e idolatrava o inventor do ar condicionado
    “ eu gosto de gelo, só coloco uísque para as pessoas não acharem que eu sou esquisito.”

  2. Que tinha garfo e faca exclusivos para seu uso nos restaurantes que frequentava / que só bebia em copos de boca larga / que odiava caricaturas / que adorava objetos antigos / mas amava ainda mais os antigos amigos / que deixou uma saudade imensa e lembranças maravilhosas / que era impensável, inigualável, inesquecível!!!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Assine a nossa newsletter