Ansiedade e Médicos. Por Meraldo Zisman

Ansiedade e Médicos

Meraldo Zisman

Atualmente, na América Latina, o Brasil é considerado o país com maior taxa de pessoas com transtorno de ansiedade. Dados expostos pela Organização Mundial da Saúde (OMS) em fevereiro deste ano (2017), dizem que 9,3% dos brasileiros vivem com algum tipo de transtorno de ansiedade. Líder no ranking, o Brasil supera as taxas indicadas nos demais países da região…

A Síndrome de Burnout, é um distúrbio psiquiátrico que se caracteriza pelo esgotamento físico, mental e psíquico do indivíduo. Tal transtorno está registrado no Grupo V da CID-10 (Classificação Estatística Internacional de Doenças e Problemas Relacionados à Saúde).
Considerado como manifestação depressiva, acontece entre as mais diversas profissões e, em maior proporção, nos profissionais da Saúde, principalmente entre estudantes, internos e médicos residentes. As causas estão ligadas a uma percepção de desvalorização / impossibilidade de atender a demanda profissional e ao colapso da Medicina.
A maioria das ocorrências, segundo os estudiosos, não é causada por fatores pessoais, como personalidade ou herança genética. Será pertinente lembrar, que paradigmas do tipo: médico é frio, calculista, cético, descrente; que não acredita em nada; que tende a duvidar de tudo; incrédulo; sem crenças e outras adjetivações deste tipo, não passam de imputações superadas. Da mesma forma, o preconceito que julga o sofrimento psíquico como fraqueza, deveria ser revisto pelos responsáveis pela formação dos novos médicos como pessoas, cidadãos e  principalmente – como profissionais.
…Cerca de 300 médicos morrem por suicídio nos EUA por ano. Nesse caso, a depressão é um fator de risco significativo, que leva à morte, aproximadamente, na mesma proporção que as mortes por suicídio não médicas; mas os médicos que tiraram a própria vida, foram menos propensos a receber tratamento de saúde mental.
Atualmente, na América Latina, o Brasil é considerado o país com maior taxa de pessoas com transtorno de ansiedade. Dados expostos pela Organização Mundial da Saúde (OMS) em fevereiro deste ano (2017), dizem que 9,3% dos brasileiros vivem com algum tipo de transtorno de ansiedade. Líder no ranking, o Brasil supera as taxas indicadas nos demais países da região, que tem o Paraguai em segundo lugar, com 7,6%, e em terceiro o Chile, com 6,5%.
De acordo com as pesquisas, a ansiedade é uma das patologias mais citadas e com maior número de alterações psíquicas no nosso país. Quando a ansiedade persiste por muito tempo leva, na maioria das vezes, à depressão que é uma das principais causas de suicídio. O suicídio geralmente é causado pela convergência de múltiplos fatores de risco, sendo os mais comuns ligados a perturbações da saúde mental não tratadas, ou, inadequadamente gerenciadas.
Cerca de 300 médicos morrem por suicídio nos EUA por ano. Nesse caso, a depressão é um fator de risco significativo, que leva à morte, aproximadamente, na mesma proporção que as mortes por suicídio não médicas; mas os médicos que tiraram a própria vida, foram menos propensos a receber tratamento de saúde mental. A taxa de suicídio entre os médicos do sexo masculino é 1,41 vezes superior à da população masculina em geral. E entre os médicos do sexo feminino, o risco relativo é ainda mais pronunciado: 2,27 vezes maior do que aquele da população feminina geral. O suicídio é a segunda causa de morte na faixa etária de 24 a 34 anos (os acidentes são os primeiros).
A prevalência de depressão entre os médicos residentes, é maior do que entre indivíduos de idade semelhante na população geral dos EUA: 28% desses médicos e residentes experimentam um episódio depressivo expressivo durante a residência médica versus a taxa da população em geral, que é de 7,8%.
 O risco de suicídio entre os médicos aumenta, quando as condições de saúde mental não são escondidas e, quando a automedicação ocorre como uma forma de abordar ansiedade, insônia ou outros sintomas aflitivos. Embora a automedicação possa reduzir alguns sintomas, o problema de saúde subjacente, não é efetivamente tratado e, isso pode levar a um desfecho trágico. Em um estudo prospectivo, 23% dos estudantes internos tiveram pensamentos suicidas.
Em resumo, as perturbações da saúde mental não atendidas são, em longo prazo, mais propensas a impactar negativamente a reputação e prática profissionais do que quando se busca ajuda antecipada. Conferir: American Foundation for Suicide Prevention (Fundação Americana de Prevenção ao Suicídio).
Agora pergunto: Como devem estar os jovens e as jovens estudantes de medicina, internos, residentes, nessa atual explosão de números de escolas médicas, aliada à falta de equipamentos de ensino e de atendimento aos pacientes e, de um número compatível de professores competentes?
Perguntar é delito? Não é!  Acautelar é um dever de veterano do ensino médico.

 ______________________

Vale a pena essa série. 
Clique nos links e Leia os outros artigos do autor sobre o tema ANSIEDADE:
Em defesa de certa ansiedade. Por Meraldo Zisman

Ansiedade e prêt-à-porter. Por Meraldo Zisman

Será? (Epidemiologia da Ansiedade). Por Meraldo Zisman

Judicialização (ansiedade profissional). Por Meraldo Zisman

Ansiedade e consumismo. Por Meraldo Zisman

Ansiedade generalizada. Por Meraldo Zisman

Ansiedade e Crise Nacional. Por Meraldo Zisman

Ansiedade. Perguntas que não devem/podem ser feitas. Por Meraldo Zisman

 ____________________

23/02/2011. Credito: Cecilia de Sa Pereira/DP/D.A Press. Recife/PE. Vida Urbana. Materia sobre a visita do presidente nacional da Associacao dos Diplomados da Escola Superior de Guerra, o brigadeiro Helio Goncalves a sede dos Diarios Associados PE. O brigadeiro esteve acompanhado pelos senhores Eudes Souza Leao e Meraldo Zisman (NA FOTO).

Meraldo Zisman – Médico, psicoterapeuta. Foi um dos primeiros neonatologistas brasileiros. Consultante Honorário da Universidade de Oxford (Grã-Bretanha). Vive no Recife (PE).

 

About

Brickmann & Associados Comunicação - B&A / Tel. (11) 3885-6656 / www. brickmann.com.br / E-mail: contato@chumbogordo.com.br / Twitter: twitter.com/ChumboGordo / Facebook: facebook.com/chumbogordo

No comments yet.

Leave a comment

Your email address will not be published.