O tiro que atingiu o bebê. Por Meraldo Zisman

O tiro que atingiu o bebê

 Meraldo Zisman

Uma gestante mal alimentada, mal cuidada, vivendo em condições ambientais e psicossociais precárias e de sequência intergeracional miserável reverte-se na pior violência contra aqueles que são gestados e continuam brotados e frutos de tais ambientes.

George Orwell, pseudônimo de Eric Blair (1903 -1950), diz: “Jornalismo é publicar o que alguém quer que se publique, todo o resto é publicidade”; sua obra é marcada por uma inteligência perspicaz e bem-humorada, uma consciência profunda das injustiças sociais, uma intensa oposição ao totalitarismo e uma paixão pela clareza da escrita.

Para recordá-lo cito uma de suas obras: A Revolução dos Bichos. Orwell é considerado um dos melhores cronistas da cultura inglesa do século passado.

Ninguém de bom senso permanece indiferente à notícia de que uma bala perdida encontrou seu caminho atravessando o ventre de uma gestante, alojando-se no feto, prestes a nascer. Não existe uma translação adequada para essa ocorrência calamitosa, para não dizer insólita, ao menos para mim.  O povo brasileiro elenca nas estatísticas a segurança como sua principal prioridade, à frente da fome, do desemprego e das crises, secundarizando até a saúde. A segurança permanece sendo estatisticamente a principal desgraça, ganhando de longe de todas as outras. Voltando à morte do bebê dentro da mãe escrevo: é compreensivo que seja tal crime noticiado pelas mídias e mais, ser baleado dentro do útero materno não pode deixar de ser manchete.

Indago: será essa violência a única que merece tamanho destaque? Fala-se muito contra a censura e que a imprensa é livre. Não tenho tanta certeza.

Pior que a censura descarada é a tentativa de rivalizar algum acontecimento estocástico para camuflar a reportagem das verdadeiras causas das mazelas.

Tomo como exemplo o apagamento do nome do Josué Apolônio de Castro (1908 – 1973). Relembro que esse brasileiro foi um influente médico, nutrólogo, professor, geógrafo, cientista social, político, escritor e ativista brasileiro que dedicou sua vida ao combate à fome.

Destacou-se no cenário brasileiro e internacional não só por seus trabalhos sobre o problema da fome no mundo, mas também por sua atuação no plano político, em vários organismos internacionais. O seu livro Geografia da Fome talvez seja um dos mais importantes livros escritos em português, tendo sido traduzido para os mais diferentes idiomas. Seus estudos, conhecidos em todo o mundo, lhe valeram o Prêmio Internacional da Paz e indicações para o Prêmio Nobel da Paz. Cito esse autor apenas para permanecer na minha praia, a da Medicina.

A fome ancestral, para o Josué, é fruto da ação humana, de suas escolhas e da condição econômica do país. “Fome, pobreza, falta de saneamento básico, atraso, etc. são uma mesma coisa”, afirmava ele e concordo, eu. Acredito ainda que certos programas não passam de falsos auxílios: o programa de atenção à gestante teve como consequências o aumento da gravidez entre adolescentes. Não é o único causal, mais que contribui, contribuiu.

Muito se falou sobre a epidemia do Zica e a microcefalia, agora não mais mencionada. Deixou de ser novidade?

 Uma gestante mal alimentada, mal cuidada, vivendo em condições ambientais e psicossociais precárias e de sequência intergeracional miserável reverte-se na pior violência contra aqueles que são gestados e continuam brotados e frutos de tais ambientes.

Tais fatos mereceriam maior destaque midiático ou – pelo menos – serem mais lembrados, Se as consequências dessas distorções não são noticiadas, elas serão esquecidas, encobertas ou – pior – nunca sabidas.

Quer saber de uma coisa? Estou achando que Orwell tinha razão…

O que vale mesmo é propaganda e a opinião dos donos das mídias. E não venham me dizer que as mídias sociais são livres quando mais de 80% do que noticiam carrega consigo as opiniões pessoais dos repórteres que as originam.

____________________

23/02/2011. Credito: Cecilia de Sa Pereira/DP/D.A Press. Recife/PE. Vida Urbana. Materia sobre a visita do presidente nacional da Associacao dos Diplomados da Escola Superior de Guerra, o brigadeiro Helio Goncalves a sede dos Diarios Associados PE. O brigadeiro esteve acompanhado pelos senhores Eudes Souza Leao e Meraldo Zisman (NA FOTO).

Meraldo Zisman – Médico, psicoterapeuta. Foi um dos primeiros neonatologistas brasileiros. Consultante Honorário da Universidade de Oxford (Grã-Bretanha)

   

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Assine a nossa newsletter