Preconceito contra a mulher na Literatura e na Medicina – Parte I. Por Meraldo Zisman

Imagem relacionadaPRECONCEITO CONTRA A MULHER NA LITERATURA E MEDICINA- PARTE I

   Uma súmula histórica

MERALDO ZISMAN

…defendia o exercício da medicina pelas mulheres, por sua delicadeza, maior aptidão e sensibilidade para determinadas especialidades médicas, e por conta do próprio pudor de muitas pacientes que preferiam ficar sem tratamento a serem examinadas por um homem…

Hoje poucas pessoas saberiam responder quem foi a médica Maria Renotte. Mas, nas primeiras décadas do século XX, a sociedade paulista a reconhecia pelas campanhas benemerentes, pelos artigos publicados em jornais feministas e revistas médicas.

Nascida na Bélgica, em 1852, fez o curso de magistério em Paris e lecionou em Mannheim, Alemanha. Em 1878 mudou-se para o Brasil, aceitando um emprego como governanta. Tempos depois foi contratada como professora do Colégio Piracicabano, na cidade de Piracicaba (SP).

Sempre ativa, passou a colaborar no Jornal A Família, uma publicação feminista editada por conhecidas escritoras brasileiras. Numa fase em que as mulheres casavam-se aos 15 anos de idade e eram consideradas velhas aos 25, Maria decidiu estudar Medicina em 1889, aos 40.

Em três anos estava formada pelo Women’s Medical College of Pennsylvania, da Filadélfia, nos Estados Unidos, destinado exclusivamente a mulheres. Quando se examina a biografia de algumas mulheres médicas, no Brasil e no exterior, constata-se que Dra. Renotte não foi uma exceção. Muitas pioneiras, como Carlota Pereira de Queiroz, fizeram o curso normal antes de se diplomarem em Medicina e mudaram de profissão com 30 anos de idade ou mais. A atividade de professora era uma das poucas profissões consideradas respeitáveis para mulheres. Embora nem sempre viessem a exercer essa função, o curso normal tanto preparava moças para o papel de mães de família como abria caminhos para aquelas que desejassem realização profissional ou alçar voos mais altos.

Resultado de imagem para mARIA rENOTTE
Apesar de franqueados a mulheres, desde 1879, e algumas brasileiras terem concluído o curso de Medicina neles, as alunas iam para o curso acompanhadas de familiares ou governantas para não sofrerem agressão dos colegas que se sentiam ofendidos com sua presença…

Quanto à escolha da escola americana, de fato, Maria Renotte poderia ter seguido o curso de Medicina no Brasil, numa das duas faculdades de medicina existentes, a do Rio de Janeiro e a da Bahia. Mas ela preferiu o Women’s Medical College of Pennsylvania talvez por conhecer os constrangimentos sofridos pelas primeiras alunas dos cursos médicos do Brasil.

Apesar de franqueados a mulheres, desde 1879, e algumas brasileiras terem concluído o curso de Medicina neles, as alunas iam para o curso acompanhadas de familiares ou governantas para não sofrerem agressão dos colegas que se sentiam ofendidos com sua presença.

Como lembra Judith Maurity Santos, aluna da Faculdade de Medicina do Rio de Janeiro, em 1900, nos dias de chuva, tinha de suportar rapazes com os pés cheios de lama apoiados nas costas de sua cadeira.

Não se pode descartar a hipótese de que Maria Rennotte desejasse a especialização em Ginecologia e Obstetrícia, oferecida pelo Women´s Hospital. No início de 1889, o Jornal A Família, para o qual a Dra. Rennotte havia colaborado, publicou um artigo não assinado sobre A Mulher e a Medicina, que defendia o exercício da medicina pelas mulheres, por sua delicadeza, maior aptidão e sensibilidade para determinadas especialidades médicas, e por conta do próprio pudor de muitas pacientes que preferiam ficar sem tratamento a serem examinadas por um homem.

De volta ao Brasil, Dra. Rennotte revalidou seu diploma na Faculdade de Medicina do Rio de Janeiro, com a tese intitulada Influência da Educação da Mulher sobre a Medicina Social. Em maio de 1895 já trabalhava na Maternidade São Paulo, fundada com o objetivo de amparar gratuitamente mulheres pobres em adiantado estado de gravidez. Em 1906, Dra. Rennotte passou a trabalhar na Clínica Cirúrgica da Enfermaria de Mulheres da Santa Casa de Misericórdia, ao lado de um dos mais renomados médicos da época, o Dr. Arnaldo Vieira de Carvalho.

A presença da Dra. Rennotte na Santa Casa de Misericórdia pode parecer estranha, pelo fato de ser metodista e aquela instituição ser católica e não ver com bons olhos o atendimento de pessoas que professassem outro credo religioso. Parece, entretanto, que as religiosas preferiam trabalhar com médicas, mesmo que de outra religião, nas enfermarias, do que com profissionais do sexo masculino. Aos poucos a antiga professora conquistava seu espaço na nova profissão. Dedicou-se à causa da fundação de uma filial da Cruz Vermelha, em São Paulo, e à criação de uma escola de enfermeiras. Em 1912, lançou mais duas outras campanhas, uma em favor da fundação da Casa do Convalescente e a outra em favor da criação de um hospital de crianças.

Apesar de sua ampla atuação e de uma trajetória rica em realizações por mais de sessenta anos, no Brasil, onde escolheu viver, as notícias sobre a vida da médica, nos anos 30 e 40, são muito tristes. As poucas informações existentes encontram-se no Instituto Histórico e Geográfico de São Paulo, onde foi sócia por quatro décadas.

Estava quase cega, surda, doente e dependente de uma pequena pensão do governo estadual para poder sobreviver. Quem sempre lutou pelos menos favorecidos, morreu pobre aos 90 anos de idade, em novembro de 1942, na cidade de São Paulo.


Meraldo Zisman Médico, psicoterapeuta. É um dos primeiros neonatologistas brasileiros. Consultante Honorário da Universidade de Oxford (Grã-Bretanha). Vive no Recife (PE).

 

1 thought on “Preconceito contra a mulher na Literatura e na Medicina – Parte I. Por Meraldo Zisman

  1. “Quando se examina a biografia de algumas mulheres médicas, no Brasil e no exterior, constata-se que Dra. Renotte não foi uma exceção. Muitas pioneiras, como Carlota Pereira de Queiroz, fizeram o curso normal antes de se diplomarem em Medicina e mudaram de profissão com 30 anos de idade ou mais. ”

    Crônica deveras brilhante, Dr. Meraldo. PARABÉNS…PARABÉNS…

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Assine a nossa newsletter