Os tristes efeitos da miséria. Por Maria Helena RR de Sousa

OS TRISTES EFEITOS DA MISÉRIA

MARIA HELENA RR DE SOUSA

… como se não bastasse essa  angústia, leio em nossos jornais sobre um evento macabro que aconteceu em Cuiabá: um desfile de crianças apresentadas ao público como passíveis de adoção. Maquiadas, bem vestidas, como se da realeza fossem, para serem escolhidas como filhas ou filhos por pessoas dispostas a adotá-las.

Resultado de imagem para evento adoção crianças cuiabá

(PUBLICADO ORIGINALMENTE NO BLOG DO NOBLAT,  
VEJA ONLINE,  24 DE MAIO DE 2019)

Ontem, ao ler o artigo da jornalista Rebeca Scatrut no blog de seu marido, Ricardo Noblat, senti a mesma aflição experimentada ao assistir o filme ‘They shoot horses, don’t they?’, baseado no livro de Horace McCoy e dirigido pelo brilhante Sydney Pollack.

A história se passa durante a grande depressão americana da década de 30, quando a pobreza e a falta de oportunidades para sair do sufoco fizeram surgir situações dramáticas e deprimentes naquele país que até então era considerado o farol que levava ao paraíso.

O filme gira em torno de uma dessas situações: a maratona de danças, programa ininterrupto que em vez de girar em torno da alegria que a música e a dança geralmente provocam, gira em torno da tristeza e da desesperança que a miséria da Depressão espalharam por aquele país.

… Quem quer criar e amar uma criança pensa em muitas coisas antes de adotá-las. E é bom que pense. Mas se estão bem vestidas, maquiadas, penteadas, perfumadas, serão essas as qualidades que farão a diferença entre uma ou outra criança?

É, sem dúvida um dos grandes filmes produzidos em Hollywood. Os participantes da maratona, desesperançados e tendo como única ambição o prêmio de 1500 dólares que o par que resista até ao fim essa exaustiva e dolorida maratona receberá. Os maratonistas, cansados, exaustos, fracos, vão largando o salão e no fim, sobram três pares em péssimas condições físicas, sendo que uma das moças, interpretada por Jane Fonda, pede para morrer alegando: “cavalos lesionados nas corridas são mortos, não são?”.

Estamos numa fase quase tão negra quanto a da depressão americana. Ou talvez mais. O desemprego está num nível indecente. A saúde pública inexiste. A segurança da população é uma farsa. Ande pelas ruas das grandes cidades brasileiras e sinta a miséria que perpassa pelo ambiente.

E como se não bastasse essa  angústia, leio em nossos jornais sobre um evento macabro que aconteceu em Cuiabá: um desfile de crianças apresentadas ao público como passíveis de adoção. Maquiadas, bem vestidas, como se da realeza fossem, para serem escolhidas como filhas ou filhos por pessoas dispostas a adotá-las.

Quem quer criar e amar uma criança pensa em muitas coisas antes de adotá-las. E é bom que pense. Mas se estão bem vestidas, maquiadas, penteadas, perfumadas, serão essas as qualidades que farão a diferença entre uma ou outra criança?

Desculpe, organizador da Campanha da Adoção, mas será que não houve um engano aí? O desfile era mesmo para adoção?

*** *** *** **

IMAGEM ABERTURA : cena de They shoot horses, don't they?

______________________________________________________

Maria Helena Rubinato Rodrigues de Sousa

Professora e tradutora. Vive no Rio de Janeiro. Escreve semanalmente para o Blog do Noblat desde agosto de 2005. Colabora para diversos sites e blogs com seus artigos sobre todos os temas e conhecimentos de Arte, Cultura e História. Ainda por cima é filha do grande Adoniran Barbosa.

1 thought on “Os tristes efeitos da miséria. Por Maria Helena RR de Sousa

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Assine a nossa newsletter