noite

Uma noite para esquecer. Blog do Mário Marinho

UMA NOITE PARA ESQUECER

BLOG DO MÁRIO MARINHO

esquecer e lembrar

________________________________

Os três são grandes, mas na noite dessa quarta-feira se apequenaram.

Ou, quem sabe, mostraram o seu real tamanho.

Corinthians, São Paulo e Santos foram eliminados do campeonato que disputavam.

Cada um deu o vexame à sua maneira. De comum, o mau resultado que fizeram no primeiro jogo do mata-mata, além da posição modesta dos adversários.

Na quarta-feira passada, o São Paulo foi enfrentar o Lanus, um clube esportivo argentino, situado no município de Lanús, na província de Buenos Aires. A instituição tem uma variedade de esportes em que se destacam o futebol e o basquete.

No futebol, sua história e conquistas são modestas.

Nessa copa Sul-Americana, o Lanus enfrentou e eliminou o Universidad Católica, do Equador.

Seu segundo adversário foi o São Paulo, a quem derrotou, em Buenos Aires, por 3 a 2.

Bastaria ao São Paulo a vitória por 1 a 0 para se classificar.

Isso porque ficaria empatado em pontos, e também em número de gols marcados, segundo critério de classificação. Porém, por ter marcado dois gols na casa do adversário, alcançaria a classificação.

Poderia, também, vencer por 2 a 1. Mas, jamais permitir que o adversário fizesse 3 gols.

Portanto, não havia tanta pressão em cima do Tricolor.

Mas, o que fez o time do São Paulo que, no domingo, com uma exibição magnífica, goleou o Flamengo, em pleno Maracanã, 4 a 1, depois de estar perdendo por 1 a 0?

Permitiu que o Lanus marcasse três gols.

Com o resultado, 4 a 3, o São Paulo perdeu no critério do gol marcado fora de casa.

E, absurdo dos absurdos, o gol que deu a classificação ao Lanus foi marcado aos 47 minutos do segundo tempo.

O que demonstra a total falta de foco e de concentração dos jogadores em campo.

Não há desculpa de juiz, de técnico, de chuva, de conjuminação dos astros.

Afundado em imensa crise financeira que levou a diretoria do Santos a fazer uma vaquinha entre torcedores, avançar na Copa do Brasil ajudaria, e muito, ao Santos. Afinal, com folha de pagamento atrasada e compromissos vencidos na ordem de cerca 5 milhões de reais, a premiação pelo avanço seria de 3,3 milhões, o que ajudaria muito.

Na semana passada, o presidente do Santos, Orlando Rollo, declarou numa entrevista coletiva:

– Vamos a Fortaleza enfrentar o Ceará. Tenho certeza que vamos vencer e vamos nos classificar. Na volta, não venho direto à Vila Belmiro. Vou ficar no Rio e vou à CBF pedir o adiantamento da premiação para saldar parte dos compromissos.

O Santos havia empatado o primeiro jogo, na Vila Belmiro, 0 a 0.

Precisava, apenas e tão somente, da vitória por 1 a 0.

Foi o placar do jogo, só que favorável ao Ceará, apelidado de Vozão.

O Santos não jogou absolutamente nada. Seu grande artilheiro, o genioso Marinho, sumiu em campo. Não fez nada. E, ao final do jogo, ainda partiu para cima do juiz reclamando que ele não deu os acréscimos que deveria.

Ora, com o futebol que o Santos estava jogando, se continuasse o jogo até hoje, o placar estaria do mesmo jeito ou até pior.

Um absurdo.

A terceira eliminação foi do Corinthians.

Falei aqui na semana passada que estava meio ressabiado em rever o meu time, o América mineiro, logo diante de um time da grandeza do Corinthians. Grandeza pelo menos histórica.

O América está na Série B e tem um time de Série B.

O Corinthians está na Série A e tem um time de Série B.

O jogo da quarta-feira passada foi horrível, difícil de assistir.

Comentando o jogo para o meu amigo Jarbas Duarte (radiofutebol.com.br) ontem à noite, desejei ardentemente que América e Corinthians simplesmente jogassem futebol. Não mais que isso.

E até achei que estava sendo atendido, quando fiz meu primeiro comentário aos 10 minutos de jogo. Não estava lá aquela beleza, mas, pelo menos havia vontade por parte dos jogadores.

Mas, foi só.

Passados os 10 minutos, os dois times apertaram o botão da comodidade, da burocracia e se esqueceram do futebol.

O primeiro bom lance do jogo aconteceu aos 41 minutos do primeiro tempo, quando Cássio foi obrigado a fazer uma defesa difícil, numa bola chutada de fora da área.

41 minutos de jogo!

Mas, segundo a Lei de Murphy, o que está pior pode piorar.

E foi o que aconteceu no segundo tempo.

O Corinthians que precisava vencer o jogo, teve um pênalti a seu favor, convertido pelo lateral Fagner.

Já estaria garantida, pelo menos, a chance da decisão dos pênaltis.

Só que não.

O juiz viu um toque de mão do defensor corintiano dentro da área e apitou o pênalti.

Apitou com tamanha convicção que sequer consultou o VAR. E, como se trata de lance de interpretação, não há obrigação da consulta.

O América converteu e garantiu o empate que lhe deu a classificação para as quartas de final em toda a sua história.

Vai botar a mão numa boa grana e, tudo indica, ficará mesmo nessa fase. O time é fraco.

Quanto aos lances, confesso que, no primeiro momento, não considerei pênalti nenhum deles.

No caso do pênalti favorável ao Corinthians, minha opinião bateu com a do comentarista Sálvio Spínola, que foi um excelente árbitro.

Mas mudamos de opinião quando o lance foi mostrado de um outro ângulo.

E, até disse no meu comentário, que o VAR estava lá para isso, para corrigir falhas.

No pênalti a favor do América, também não vi a falta.

O juiz estava muito próximo do lance e apitou com muita convicção.

Repito: trata-se de um lance de interpretação, de visão e opinião pessoal.

Mas, o lance apenas oficializou a eliminação do Corinthians que começou com o péssimo jogo de ida, na semana passada, e continuou com a péssima exibição de ontem.

Os corintianos, coitados, ainda terão muito sofrimento pela frente.

Gols da quarta-feira:

______________________________________________________________________________

Mário Marinho – É jornalista. É mineiro. Especializado em jornalismo esportivo, foi FOTO SOFIA MARINHOdurante muitos anos Editor de Esportes do Jornal da Tarde. Entre outros locais, Marinho trabalhou também no Estadão, em revistas da Editora Abril, nas rádios e TVs Gazeta e Record, na TV Bandeirantes, na TV Cultura, além de participação em inúmeros livros e revistas do setor esportivo.

(DUAS VEZES POR SEMANA E SEMPRE QUE TIVER MAIS
 NOVIDADE OU COISA BOA DE COMENTAR)

_______________________________________________

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Assine a nossa newsletter