INCERTEZAS

A entrada definitiva na Era das Incertezas. Por Aylê-Salassié F. Quintão

 A ENTRADA DEFINITIVA NA ERA DAS INCERTEZAS

AYLÊ-SALASSIÉ QUINTÃO

… John Kenneth Galbraith, ao analisar o avanço da globalização, o aparecimento das mega corporações, a queda dos regimes comunistas e a difusão ampla do uso de novas tecnologias. Chamou de a “Era das incertezas”…

INCERTEZAS

Em total desrespeito às forças que não pode controlar e procurando ganhar tempo contra os fenômenos que não se consegue explicar, os governantes  abusam da confiança dos cidadãos, recorrendo ao  fetiche do Poder do Estado para levar a população a acreditar nas encenações feitas, por meio de medidas paliativas, cujos  gestores, como semideuses autoproclamados,  projetam realidades estáveis, em tomadas de decisão supostamente colegiadas.

A cada iniciativa garante-se que aquela catástrofe “nunca mais vai acontecer”.   Dez dias depois estoura uma nova barragem e mata mais 100 pessoas. Sem entrar em detalhes, nem se propor como advenho, observando a História, pode-se constatar que os países transitam neste momento por incertezas, angústias e surpresas. Não é medo apenas de desastres naturais, tipo furacão, terremoto, estouro de barragens, a própria pandemia que também provoca reações em cadeia, com dramáticas repercussões na vida cotidiana.

Os sinais vêm de uma inflação potencial, cujos efeitos iniciais se ignora e tolera. Só vão percebê-la na frente quando os estragos já estarão concretizados. Uma desaceleração nos processos de produção e prestação de serviços.  O aumento das taxas de juros, o endividamento público igual ao PIB ou a incidência de contribuições novas para cobrir algum dano ou ajudar a resolver problemas sociais. Finalmente, um surto de manifestações de cidadãos e consumidores.

Entre esses fenômenos incontroláveis, um dos mais atuais, é a questão da imunidade produzida pelas vacinas contra o coronavírus. Sem fazer referência a uma segunda onda, Mike Lipper, da consultoria internacional CFA, depois de ouvir a opinião de especialistas europeus e norte-americanos na área médica, revelou que a imunidade anunciada pelos fabricantes de vacina e pelos governos se estenderá por cinco a sete meses, e não mais. Não será eterna. Os anticorpos criados pelas vacinas ajudam o vírus a se tornar mais resistentes. Ele se faz de morto, e ressurge vitorioso seis meses depois.

O dilema que aflige a humanidade neste momento situa-se, contudo, para lá da pandemia. O ano de 2021 não oferece nada mais do que incertezas. Entra-se no novo ano cheio de dúvidas, à semelhança daquelas prognosticadas, no final do século passado, pelo economista John Kenneth Galbraith, ao analisar o avanço da globalização, o aparecimento das mega corporações, a queda dos regimes comunistas e a difusão ampla do uso de novas tecnologias. Chamou de a “Era das incertezas”.

Galbraith valorizou a globalização e o trabalho coletivo por superar as diferenças e agregar as características culturais de cada povo na construção do bem comum. Arrependeu-se. A aculturação global levou os cidadãos a perder a identidade, e a coexistência harmônica entre diferentes produziu, o que Gilberto Gil e Torquato Neto chamaram de “geleia geral” de ideias, ideologias, religiões, filosofias e até da moda. Um mundo superpovoado, globalizado, aculturado, onde tudo se insurge sobre tudo, sem significado explícito. Um mundo que absorve tudo sem critério, e uma massa crítica pobre, em que os que discordam são taxados de intolerantes e xenofóbicos.  Tudo podia ser comprado como um sanduíche do McDonald`s. Os dois brasileiros preconizaram “Pindorama como o país do futuro”.

A partir daquelas rupturas anunciadas por Galbraith, o mundo gerou um conjunto de forças cada vez mais virtuais, em que os relacionamentos são conduzidos via redes sociais, por meio das quais desagua-se no teletrabalho, na telemedicina na tele-educação, que tiveram suas virtudes e qualificações aceleradas pela pandemia. Os cidadãos, isolados, começam a ficar inquietos, angústia que vai se prolongar ainda, por pelo menos o primeiro semestre do novo ano.

O cérebro humano não acompanha tantas mudanças, diz o médico psicanalista Montserrat Martins. O homem não consegue assimilar o fato de que somos uma espécie com milhares de anos de evolução (Noah Harari: Sapiens), com um sistema nervoso programado para reações de “luta e fuga” que lhe assegura a sobrevivência.

As incertezas desnudam no cidadão uma crescente perda de autonomia e confiança. Ele precisa aprender a conviver com as incertezas, e não esperar angustiado que o Governo, esse ser aparentemente de existência perene, resolva problemas pessoais.

É o que se pode esperar para 2021. Nos trópicos, o retorno à Pindorama pode ser uma saída.

______________________________________

Aylê-Salassié F. QuintãoJornalista, professor, doutor em História Cultural. Vive em Brasília

 

 

 

1 thought on “A entrada definitiva na Era das Incertezas. Por Aylê-Salassié F. Quintão

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Assine a nossa newsletter